Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

O karma é sacana!

Quando o Quaresma fez aquele penteado com a pena, uma colega no trabalho perguntou-me o que eu achava que significava. E eu, toda armada em culta, disse que certamente simbolizava o imperador Júlio César e a sua conquista aos gauleses (eu sei, li muito Astérix na infância). Ela disse que não se tinha lembrado dessa, que por sua vez associou a Camões, um símbolo de Portugal. Ah, também podia ser.

E assim duas gajas armadas em intelectuais tentavam descortinar o significado de tal penteado.

Vai daí, o próprio acaba por divulgar o significado da sua escolha: a pena simbolizava a sua vontade de voar.

Agora imaginem as caras das duas intelectuais aqui.

E porque me lembro eu disto, passadas já umas semanas?

Porque ontem fui fazer a manutenção das unhas de gel, escolhi um laranja com cor à verão e para decoração pedi uma espécie de folhas de palmeira, assim em modo tropicaliente... pois que aquilo mais parecem as penas de uma gaivota. Ainda assim, tudo a ver com praia, até porque a praia para onde vou de férias não tem palmeiras, mas gaivotas, terá de certeza. 

 

O drama das férias III

Limpar a casa antes de sair para férias, sim ou não?

Eu sou pelo sim. Claro que uma pessoa tem malas para fazer, assuntos a deixar tratados antes de se ausentar, mas sou pelo esforço adicional de deixar a casa limpa. Não é fazer uma geral, de limpar tetos e paredes, janelas e tudo. Falo da limpeza básica: aspirar pó, passar esfregona, deixar casas de banho limpas, cama de roupa lavada, idealmente o cesto da roupa suja vazio, ainda que a roupa lavada fique por passar.  E isto porque se a casa vai ficar fechada, que fique fechada, mas limpa. Agora o meu maior argumento para este esforço extra é poder chegar de férias e não ter de encarar um cesto de roupa suja a abarrotar (já basta esvaziar a mala de viagem junto da máquina da roupa), não ter de encarar uma cama por fazer, camadas de pó. É chegar, abrir as janelas, e desfrutar do lar doce lar, porque é muito bom ir de férias, mas é muito bom regressar a casa. Limpa, de preferência.

 

Drama das férias II

O coração pequenino por deixar em casa os meus meninos. 

A viagem é longa e com calor. Antes do destino final, ainda vamos parar dois dias, pelo caminho, para visitar uns amigos. Fazer a viagem com eles a reboque não é tarefa fácil e sei que os ia stressar imenso. 

Em anos anteriores recorri ao hotel animal. Foram muito bem tratados. Mas, tirá-los do seu ambiente é, por si só, um enorme stress. O ano passado acedi a que a sogra viesse tratar deles. Escusado será dizer que não gostei. Eles estavam em stress, havia coisas partidas e outras coisas inexplicáveis. E ainda por cima a minha vizinha comentou que nunca viu a senhora. Cedi aos argumentos do Gandhe e não gostei muito, para além de ficar a "dever favores" a persona non grata.

Em maio, nas mini férias, recorri aos serviços de uma enfermeira veterinária, ligada a associações, com amigos em comum. Boas referências, de confiança. Adorei. Agora é ela que vai ficar novamente encarregue de tratar deles, e sei que estarão em ótimas mãos. Ficam no espaço deles, na casa que conhecem, com as suas coisas, o cheiro dos donos, são vistos duas vezes ao dia, alimentação e cuidados higiénicos garantidos, a atenção necessária e os mimos que eles permitirem fazer. Mas, sei que vou andar de coração apertadinho com saudades, ansiosa pelas notícias das visitas dela, sempre a pensar se estará tudo bem. 

Ainda nem fui e já ando a suspirar pelos dias que vou estar longe deles! 

 

Em equipa vencedora não se mexe!

IMG_20160724_194602.jpg

Antes não era tão arrojada a experimentar cenas no cabelo. Ir cortar era sempre um drama, domar a juba encaracolada era um drama ainda maior, experimentar cortes diferentes era coisa que me arrepiava a espinha, enfim... era uma "não me toques" no cabelo.

Até ao dia que fiz um corte radical curto e passei a amar os caracóis (já que não os conseguia domar, dei-lhes alguma liberdade). Depois vieram as primeiras brancas, e aí não dramatizei. Vai madeixas mesmo. E vermelhas. Logo. E a seguir achei que madeixas era coisa que dava trabalho e eu sempre tive pouca paciência para horas na cabeleireira, pintei tudo de uma cor. E como não tencionava andar todos os meses na cabeleireira a pintar, comecei a fazer coloração em casa. E fui experimentando várias marcas, variando os tons, sempre dentro da base castanha com reflexos vermelhos, e fui vendo o que ia ficando melhor, que tipo de produtos o meu cabelo gostava mais. No meio disto tudo, voltei a deixar crescer o cabelo, um cabelão enorme, ondas revoltas, até que a depressão me enfraqueceu tanto o cabelo que voltei aos curtos. Fiz o bob e apaixonei-me. Nos últimos anos, com pequenas variações, é o meu corte de eleição. E os tons mais caju no inverno, mais vermelhos no verão. E descobri as colorações vegetais à base de henna e rendi-me. Fui experimentando outras, sem amoníaco, volta e meia pintava na cabeleireira. Mas a verdade é que a coloração à base de henna é a que melhor resulta no meu cabelo. Hidrata-o bastante, a cor fica muito natural, dura, sem dramas, dois meses, é menos agressiva para o meu cabelo, e sai bem mais em conta.

Posto isto, e depois de algumas colorações na cabeleireira, outras profissionais compradas em lojas da especialidade, decidi regressar à minha henna e o resultado é maravilhoso.

Cortei e pintei em inicío de Junho. Tinha o cabelo seco, sem brilho, a cor bastante desbotada e o raio das brancas já a brilharem. No domingo apliquei a coloração de henna, e o cabelo ressuscitou. Está brilhante, extra macio, com um toque sedoso, super leve. 

Dá trabalho pintar em casa, é sempre mais prático alguém tratar disso por nós. Demora o seu tempo, mas prefiro essa demora em casa do que no salão, suja um pouco, embora com a prática nos tornemos exímias, mas o resultado é francamente superior e depois de já ter experimentado tanta coisa, regressei, de vez, à coloração vegetal. 

A marca que por norma uso é a Herbatint, o preço varia entre os 8,50€ e os 10€, depende do local de venda, de promoções, e para cabelos curtos uma embalagem dá para 2 aplicações. No inverno aposto na cor 5M, castanho claro caju, no verão na cor FF1 henna red. Na semana passada ia para comprar esta última mas não estava disponível. Em alternativa, tinha a marca Henna Plus, que também já tinha experimentado. É um pouco mais cara. Esta embalagem custou 15,50€ e traz menos produto, pelo que só dá mesmo para uma aplicação. Mas o resultado compensa o custo extra, e, da minha já experiência, sei que a cor vai durar mais, o cabelo fica hidratado por mais tempo, com aspeto saudável, brilhante e sedoso, portanto, investimento mais que justificado. 

Entretanto, e na linha da coloração vegetal, está debaixo de olho esta marca, já disponível na loja onde costumo comprar estes produtos. O preço ronda os 11€, o feedback das clientes da loja tem sido positivo, só ainda não foi desta porque a palete de tons disponíveis é mais restrita e o vermelho mais aberto que eu pretendia não existe. Mas o castanho caju do meu coração existe, e está na mira para daqui a uns meses.

Agora é aproveitar o verão e exibir um bonito vermelho brilhante no cabelo. Assim ninguém repara na celulite. 

Estado de espírito da semana

É isto. Em contagem decrescente para sexta, às 18h, dar o salto para as tão desejadas férias de verão.

Mas esta última semana vai ser uma verdadeira maratona de trabalho. Sem falar na vontade utópica de deixar a secretária limpa, com tudo em dia, sem pendentes, ainda tenho tarefas adicionais, por dois colegas estarem de férias. É que só não me esqueço de respirar porque porque, mas de ir comer ou ir à casa de banho, é perda de tempo quando há tantooooooo para fazer e o tempo urge.

Ainda assim, que passe rápido, que se me vejo finalmente de férias, penso que é mentira.

Mas para não me esquecer que estão mesmo à porta, já comecei os preparativos. Pedicure feita, manicure marcada, cabelo pintado ontem (andava a adiar para mais próximo das férias), depilação a laser despachada. Pet-sitting tratado, tarefas a fazer antes de ir agendadas... Só falta mesmo pôr as coisas na mala e ir.

É muita ansiedade junta!!! 

 

Pág. 1/3