Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Na reta final

Custam tanto a chegar e vão-se num instante. O que vale é que começo na labuta segunda, e terça é feriado. 

Não posso dizer que foram umas férias fantásticas. Não foram. Desliguei totalmente do trabalho, mas para isso também muito contribuiu a fase complicada que vivi em termos pessoais e afetivos nestas últimas semanas, esgotando toda a réstia de energia que ainda tinha. O saco vai enchendo e um dia rebenta. Rebentou em pleno início de férias, instalou-se um estado de espírito depressivo que arruinou qualquer tipo de planos, que a bem dizer, também não os havia muito.

A ajudar à festa, apanhei dias de frio e vento quando era suposto ir estender as banhas no areal e relaxar ao som das ondas, com o mar como horizonte.

Portanto não há relatos de dias de praia ou piscina, nem de viagens inesquecíveis ou leituras contagiantes. Foram dias difíceis e não vou pintar o cenário de rosa flamingo e unicórnios. As férias foram uma merda, no geral. Em particular salvaram-se alguns momentos e (re)encontros com amigos que me fazem sempre bem, regressar a locais que me são tão especiais, ainda que o estado de espírito não fosse o melhor para aproveitar esses pequenos prazeres.

O resumo mais positivo das férias é feito numa palavra: comer. Estou uma pequena bolinha, mas que se lixe. 

Agora que as coisas acalmaram um pouco e parecem seguir um (re)começo, era mais uma semaninha de férias para desfrutar da paz finalmente (espero eu) alcançada. Não podendo ser, que venha o trabalho, as rotinas, e acima de tudo que eu tenha a calma e a sabedoria necessárias para esta nova fase, este (re)começo.

Há alturas que dava tanto jeito fazer um reset à vida. Apagar, esquecer, deixar para trás definitivamente aquilo que desequilibra, desgasta, pressiona, derruba. Faz-se o melhor que se pode, o melhor que se consegue, tem-se fé nas decisões tomadas, desejando que tenham sido as melhores. O tempo o dirá.

Adeus férias, estas não deixam saudades. 

 

Isto de ir ao Alentejo...

Nem uma semana ainda se tinha passado (quase) e uma tia dos nossos amigos vê-me pela segunda vez. Com um ar de felicidade estampado no rosto, pergunta-me com entusiasmo:

- Ai, está de bebé?! (viu-me uns dias antes e não se apercebeu de nada, pensava ela).

- Ah não, isto é o resultado das migas, dos secretos e miminhos de porco preto, do pão alentejano, do queijinho, do chouriço de porco preto, do gaspacho com peixe frito, da sericaia... (e achei por bem parar porque a senhora já estava com ar de quem não sabia onde se enfiar).

Para quem achar que esta barriga é de grávida, aviso já que o pai da criança é raça porco preto alentejana. 

 

E ainda me falta ir à Feira Medieval de Santa Maria da Feira e ao Festival do Bacalhau em Ílhavo.