Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Ano novo

Ora, eis-me acabada de chegar de umas mini férias. No verão passámos um fim de semana com os nossos amigos alentejanos, numa visita breve, a caminho das férias no Algarve. Nessa altura ficou no ar a ideia de irmos passar o ano com eles, e por isso mesmo guardámos uns dias de férias para lá irmos, aproveitando a passagem de ano, para mais uma visita. Assim fomos, para uns dias com os nossos amigos, para uma passagem de ano que se preparava para ser em casa, à lareira, em volta de mesa farta e animada, com mais uns quantos amigos. 

Mas os planos saíram furados. A vida acontece, e nem sempre acontece como gostaríamos. Horas depois de chegarmos junto deles, dos primeiros abraços e dos planos para a noite seguinte, que se queria de festa, regada a champanhe, um dos nossos amigos recebe a notícia do falecimento da avó. A vida a pregar uma dura rasteira. Fomos todos inundados de uma tristeza que nos ceifou a disposição para festejos de passagem de ano.

Os planos obviamente foram cancelados. Ainda insistiram connosco para que fôssemos a qualquer lado lá, que procurássemos uma festa e nos fôssemos divertir. Podíamos ter ido, sim, podíamos. Mas o objetivo da nossa ida lá foi estar com eles, tendo como mote a passagem de ano. Dadas as circunstâncias, que se danasse a festa de passagem de ano, nós quisemos foi ficar junto deles. Porque para nós os amigos não só para festas e festejos, são para todas as ocasiões, incluindo as tristes, mesmo em alturas que é suposto serem de festa. 

A passagem de ano foi, como já era previsto, em casa, à lareira, de pantufas nos pés. Jantámos, porque os vivos têm de comer, fizemos um recatado brinde ao novo ano que chegou, agradecemos a mesa com comida, a amizade, desejámos que o novo ano fosse mais brando, principalmente aos nossos amigos que não tiveram um ano fácil e terminou desta maneira triste, com a perda de um ente muito querido. Recordaram a longa e feliz vida de quem partiu, e nós tentámos confortar a sua tristeza e prestar o apoio que precisassem. Não fomos lá para ter uma festa de arromba. Fomos rever amigos que tanto estimamos, e acabámos a partilhar com eles o seu momento de dor e perda. 

Não tive uma passagem de ano glamorosa, com brindes atrás de brindes, com serpentinas e confetis, numa alegria que é quase obrigatória nesta noite do ano. Mas tive uma passagem de ano especial, na medida em que, acima de tudo, prevaleceu a amizade e o poder de um abraço. 

E estas rasteiras da vida que acontecem sem ninguém esperar, tão pouco adivinhar, faz-nos dar valor ao que realmente importa nesta vida: e não são os festejos, os brindes, as serpentinas, as passas engolidas a pedir desejos fúteis. Haja saúde, haja amigos (dos verdadeiros), haja coragem e esperança, haja uma mão estendida e um abraço no momento certo, e o caminho que temos de percorrer torna-se menos penoso.

Agora que já regressei a casa, que já abracei os meus gatos, e já lavei roupa, e já comecei a pôr a casa em ordem para o regresso à rotina, restam-me dois diazinhos de férias para aproveitar. Há assuntos a tratar, sofá para desfrutar, livro para ler, tempo para recuperar fôlego para este novo ano que começa. Venha 2017, traga o que trouxer, espero saber aprender, desfrutar, valorizar, viver. 

 

6 comentários

Comentar post