Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Eu cuspi no santo, só pode!

Há quase um mês sem aulas de dança, primeiro porque houve férias de natal, depois a professora adoeceu e há três semanas que não dá aulas, hoje, aproveitando a folga na agenda, fui com o Gandhe até à grande superfície comercial, aquela que diz que "eu é que não sou parvo" (não, que ideia), para saber o ponto de situação da minha prenda de natal (pelo andar da carruagem, deve chegar a tempo dos meus anos, em maio).

A ver: Gandhe ofereceu-me um tablet como prenda de natal, daqueles com teclado incluído, porque era mais prático para eu andar nos blogs. Tão querido, tão atencioso. Abri a prenda, fiquei estupefacta, mas depois só fiquei com a caixa na mão, porque ele pegou no dito cujo e vai de explorar e pôr-se a instalar merdas. Ora, isto é um pouco como aqueles pais que oferecem a PS4 aos filhos, mas na verdade quem brinca são eles, os pais. 

Adiante, quando finalmente meti mãos no bicho (tablet) e comecei a usá-lo, constatei que o teclado tinha problemas: algumas teclas não correspondiam ao que era suposto. Por exemplo, eu carregava na tecla Ç e no monitor aparecia ; e como este exemplo, mais havia. Além disso, percebi que o teclado no tablet só atrapalha e disse logo que se era para trocar, eu não fazia questão de teclado.

Escolhida outra marca, foi lá ele fazer a devolução do artigo com defeito, artigo esse que foi embalado e colocado na prateleira para outro parvo comprar, e foi solicitado um outro modelo, que não havia disponível na loja. Isto foi a 30 de dezembro. 

Hoje fomos lá, eu incluída, já numa de rodar a baiana, porque sinceramente, no mínimo já deviam ter informado o cliente se o modelo solicitado havia ou não e previsão de entrega. Ora pois que chegamos lá, atende-nos uma menina, que chama o colega que tratou da situação a primeira vez, o qual, por sua vez, se desmancha em desculpas dizendo que o assunto tinha ficado esquecido (valeu a sinceridade, ao menos), uma vez que ele passou à chefia, que é responsável pelas encomendas de material, chefia essa que havia ido embora e já não estava lá.

Bonito serviço. E fica aqui o parvo do cliente à espera, a ter de se deslocar à loja, outra vez, para ver se lhe resolvem o problema. 

Portanto voltamos à estaca zero: foi pedido um modelo, que dizem estar descontinuado. Deixou-se então referência de outro, e ficou a promessa de um feedback até ao final da semana.

É o que eu digo: recebo a prenda de natal lá pelos meus anos, em maio (já disse, não já?!).

 

2 comentários

Comentar post