Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Inspira-me, M.J.

 

M.J., essa ninfa do Mondego, anda a querer inspirar a blogosfera. Eu, que até acho piada à M.J., decidi fazer uma pausa nesta minha letargia, e aderir ao inspira-me de hoje.

 

Querida Rabanada:

Esta era a última coisa que te queria dizer mas não és como as outras, aquelas que a minha avó de olhos azuis, como cristais de gelo, fazia. És boa. És. Fofa, de lamber o açúcar dos beiços e dos dedos, mas não és como as outras. As da minha avó eram mágicas, tinham uma textura única, embebidas em leite e ovos no ponto certo, sem mais nem menos. Desconfio que ela punha uma pinga de Vinho do Porto, a minha avó adorava um bom cálice de Porto, docinho. As rabanadas dela eram únicas e ficarão sempre na minha memória. Simbolizam o pouco que o Natal tinha para mim de bom: as rabanadas da avó Aurora. 

Tu és boa, eu ponho-te o dente, e lambo-te o açúcar com canela, numa gula devassa. Mas o pensamento está longe, nas outras que comia com verdadeiro prazer, ainda inocente, de criança em noite de natal. Tu és boa e eu como-te, mas estou a pensar nas outras que outrora comi.

O problema não és tu, sou eu. Nunca mais terei as rabanadas da minha avó, e são elas que procuro nas outras, e as que mais desejo.

 

 

 

6 comentários

Comentar post