Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Fui desafiada!

 E a Me, myself and I achou que aqui a Pandora era um bom alvo para desafiar. Desafio aceite!

 

O desafio consiste no seguinte:

* Responder às 11 perguntas (se quiserem...se não quiserem eu  não fico ofendida looool)

* Indicar 11 blogs para responder à tag

* Colocar o selo da tag no blog

* Colocar o link de quem vos indicou 

 

  1. Quais os estilos de música preferidos?

          Não tenho ouvido esquisito. Ouço de tudo dentro dos mais variados estilos, há umas que gosto, outras nem tanto. 

  1. Qual a tua peça de roupa preferida no momento?

         Jeans e vestidos.

  1. Qual o teu verniz mais Divo?

         Huummm... aderi às unhas de gel, mas não gosto de grandes folclores. Unhas curtas, redondas, e gosto de jogar com cores ou se até alinho numa nail art é coisa discreta. Adoro preto nas unhas. E vermelho.

  1. Calças ou saias, porquê?

         Vestidos. E jeans.

  1. Cabelo liso ou encaracolado?

         Encaracolado, ou ondulado, é como lhe apetece.

  1. Saltos ou ténis?

         Ténis. Viciada em ténis. 

  1. Brigadeiros ou Gelados?

          Gelados.

  1. Doce ou salgado?

         Salgado.

  1. Como defines o teu estilo?

         Casual.

  1. És do tipo consumista ou só compras o básico? 

         É por luas. Vou tendo algumas fases consumistas, mas já foram mais frequentes. Agora compro quando preciso ou quando "sai velho para poder entrar novo". E as compras tendem muito para os básicos. As atuais tendências de folhos e flores e bordados só me afastam das lojas, portanto vem aí uma fase de pouco ou nenhum consumismo. Exceção às Adidas que se pudesse (e encontrasse o meu tamanho) já teria uma coleção de exemplares.

  1. Consideras-te vaidosa?

        Gosto de me sentir bem e isso implica vestir-me de acordo com a ocasião e o contexto. Não gosto de chamar a atenção, pelo que posso definir o meu estilo como discreto, mesmo em eventos em que o dress code tende a ser mais elaborado e cuidadoso. Se ser vaidosa é gostar de se sentir bem e tratar de si, sim, sou vaidosa. Mas não me ponho a mirar-me a um espelho qual Narciso. Na verdade, não gosto de espelhos.

 

Done. Finito! Prova superada?!

 

A minha vida é um livro!

Estou eu ainda em velocidade cruzeiro, que isto de estar de férias e desligar por uns dias é bom, mas o regresso à realidade e à rotina é como uma rajada de vento frio nas trombas, quando me deparo com um desafio, mas um senhor desafio, da sô dona Mula.  

E que desafio é este, Pandora, que te deixa de dedos trémulos?!

Bonito serviço. Por acaso tenho a tarefa facilitada, que só li doze livros. Agora lembrar-me da ordem cronológica pela qual foram lidos? Construir uma história usando os seus títulos? Depois de ler a magnífica prestação da Mula, a fasquia está ao mais alto nível e eu, bem, vou esbardalhar-me de certeza. Mas raios ma partam se não aceito o desafio. Bora lá.

 

A Sombra do Vento faz-se sentir pelas ruas sombrias, desertas, na neblina da noite. Arrepia a alma, faz tremer os lábios e o coração. Esfrego vigorosamente as mãos, numa vã tentativa de as aquecer. Ou de afastar este medo que me paralisa. O Jogo do Anjo é aterrador. Uma contradição, por si só. O que se esperaria de um anjo? Certamente não seria este imbróglio, este quebra cabeças que destrói almas. Em certos instantes sinto-me insana, louca. Se contasse a alguém acho que me iriam mandar internar, ou consultar um psiquiatra, que estava doida, com alucinações. Diriam até que sofro de esquizofrenia. Em certos instantes eu própria acredito nisso. Quem no seu juízo perfeito acredita que há O Prisioneiro no Céu? Toda a gente sabe que vivemos Debaixo de algum Céu, eles, comuns mortais, gente banal, de vidas banais. Louco é o que acredita que há mais para além disto. Louco ou cristão, o que na minha visão herege, são sinónimos.

Penso em Alfie, o Gato do Bairro. Acalmo-me. Ele ouve-me sem me lançar olhares de represália, ouve-me sem me interromper ou me julgar. Acredito que me entende e não me acha louca. Mas bem vistas as coisas, que serei senão uma louca? Tenho um gato por confidente, único amigo e companheiro. Pelo menos é mais seguro que o confessionário. Só a ele contei o segredo sobre O Amante de Lady Chatterley, e nunca ninguém soube. Pelo menos até rebentar a escandaleira, mas nada tenho a ver com isso. Nem o Alfie. Quem me dera ser A Última a Saber. Mas não, este dom de saber sempre, antes de todos, antes mesmo de acontecer, isto não é dom, é maldição. Vale-me julgarem-me doida, uns poucos acham que sou bruxa, não que acreditem nelas, mas que as há, ai isso há, vivesse uns séculos antes e era queimada na fogueira da Inquisição.

Um Gato, Um Chapéu, Um Pedaço de Cordel, que mais precisa uma feiticeira dos tempos modernos? Um gato para confidente, um chapéu, como resquício hereditário das suas antepassadas, um pedaço de cordel para tecer as linhas do destino, do que ainda não é e para mim já foi? Quase fui descoberta n' O Jogo de Ripper. Mea culpa, que não sei ignorar este dom maldito. Envolvo-me nestes perigosos e pouco inocentes jogos e quase sou descoberta. Não sei o que seria de mim se percebessem quem sou de verdade. A única pessoa que o soube foi a que me matou por dentro. Deixei-te Ir. Não podia correr o risco que fosses punido por aquilo que eu sou e não escolhi ser. Só que isso não atenuou o abandono a que me lançaste, esse desprezo, quase nojo, quase ódio. Eu sei, não compreendes. É difícil. Não condeno. A História do Amor ficou perdida, suspensa na eternidade daqueles centésimos de segundos, desfeita em partículas espalhadas na poeira cósmica da noite. Nessa fatídica noite em que me mataste, dancei com os meus Sapatos de Rebuçado. Dancei pela noite de lua cheia fora, dancei até perder noção do tempo e da noite, dancei até derreter os sapatos e ficar com os pés cobertos de terra pegajosa. Dancei para renascer dessa morte, desse fogo que me consumia as entranhas, dancei até me evaporar na neblina do amanhecer. Agora vagueio por este Labirinto de Espíritos. Tão perto do fim, tão longe de querer chegar ao fim. Não sei se vivo ou se morro, se sobrevivo ou se pressinto. O futuro é um nevoeiro cerrado.

 

 

E já está. Desafio cumprido. Até transpiro suores frios. Só uma nota de redação, o livro A História de Amor foi lido a custo, não sei bem se a ordem cronológica estará correta, mas não anda muito longe. Não tem link porque foi uma leitura tão estranha, que me deixou num certo limbo e por isso nem fui capaz de escrever sobre essa mesma leitura. 

 

Vou fazer batota e não cumprir o último passo. Tenho leituras da blogosfera para pôr em dia, pelo que não tenho noção de quem  já foi desafiado ou já prestou resposta ao desafio. 

 

TAG - Tudo Sobre o Outono (The Autumn Tag)

Apanhada na curva, fui nomeada pela Mãe dos PP's para responder a um desafio. Ora que isto vai ser interessante, já que sou assumidamente pessoa de sol e calor, e as questões que se seguem são sobre o outono. Ahhhhhh, falta muito para a primavera?

Bem, vamos lá a ver como me safo deste desafio.

 

1. Café ou Chocolate - Como preferes o café ou o chocolate no Outono, e que marca bebes com mais frequência?

Bebo café todos os dias, 365 dias por ano. Portanto café, para mim, não tem estação. Já no outono, o chocolate quente, bem cremoso, sabe-se pela vida. 

 

2. Acessórios de Outono - o que optas mais por usar (gorros, cachecóis, luvas, etc.)?

Não porque aprecie estes acessórios, mas por pura necessidade, cachecóis. Sou friorenta no pescoço. 

 

3. Música - Que tipo de música ouves durante o Outono?

Atualmente ando a ouvir música celta, mas Michael Bublé ou Josh Groban soam-me perfeitos para os dias frios de outono, acompanhados de um cremoso chocolate quente.

 

4. Perfume - que tipo de perfume usas nesta estação do ano?

Coco, da Yves Rocher, para o dia a dia. Em ocasiões ditas especiais, J'Adore da Dior ou Deep Red da Hugo Boss.

 

5. Velas - que cheiro gostas mais durante esta altura do ano?

Aromas quentes, como canela, baunilha ou chocolate, pinheiro ou especiarias.

 

6. O que gostas mais do Outono?

Nada - é a primeira coisa que me passa pela cabeça. Mas vá, não vou ser assim tão pessimista. Gosto das cores, dos cheiros das castanhas assadas e de outras iguarias da época: maçã e canela, abóbora, chás. Gosto de estar no aconchego do lar, de mantinha nas pernas, com os gatos a dormitar encostados a mim. Vejo mais séries e filmes, usufruo mais do sofá, dá-me para cozinhar comidas mais aconchegantes, como sopas e assados. É a época perfeita para o descanso e a ronha.

 

7. A maquilhagem preferida para o Outono.

BB cream, pó compacto para evitar brilhos na pele, umas pinceladas de pó bronzeador para não ter ar de lula, mas sem ficar laranja à Trump, e máscara de pestanas. 

 

8. O que esperas fazer mais neste Outono?

Aproveitar o lar doce lar o máximo que puder. Este tempo convida ao relax no aconchego do lar. E eu só saio de casa quando e porque tem mesmo de ser. 

 

Ufa, já está! 

Desafio da poupança

O desafio das 52 semanas é interessante quando se vê o saldo final que se pode conseguir com a poupança, mas creio ser irrealista para uma boa parte das pessoas. E começa a sê-lo a partir de maio/junho. Sim, falo por mim. Poupar numa semana aquilo que tenho como orçamento semanal para ir aos frescos (fruta, legumes, iogurtes, pão, e outros bens essenciais que estejam a faltar nessa semana) é simplesmente deixar de comer fruta ou legumes para pôr o dinheiro num frasco. E para fazer o quê ao fim do ano mesmo? Meter numa conta poupança? Fazer uma viagem? Comprar as prendas de natal? 

Devemos poupar sim, eu tento sempre ter um pé de meia para um qualquer acaso que venha a ser preciso, já que não gosto de ser apanhada desprevenida na curva. Mas a verdade é que amealhar assim dinheiro só porque sim, pelo prazer de ver o frasco a ficar cheio, tem de ter a sua lógica e sensatez. 

Ora bem, em 2015 eu fiz um mealheiro. Comprei uma daquelas latas que não se podem abrir e ia pondo no final de cada semana as moedas de 1€ e 2€ que tivesse no porta-moedas. Mas onde podia eu poupar as ditas moedas para enfiar na lata? Vou sempre a casa almoçar, uma vez por outra almoço com uma amiga ou assim, mas é acontecimento esporádico. Por norma levo o lanche da manhã e da tarde de casa, não vou todos os dias ao bar da empresa. Lá há o dia em que vou lá, ou porque apetece um docinho, ou porque cheira a bolo caseiro, ou porque até preciso mesmo reforçar a dose de café. Portanto era pôr de lado aquele dinheiro que não gastei a ir ao bar, porque levei lanche de casa. Deduzi que não ia chegar ao fim do ano com nenhuma fortuna e pensei para que ia amealhar: para uma prenda de natal especial? Para ir aos saldos? Para uma coisa para mim, daquelas assim mais caras, tipo um anel da Pandora, que tem anéis lindos e eu babo-me por eles?

Sem ter o objetivo definido, lá fui pondo as moedas, quando as havia e eu decidia canalizar para a lata da poupança. Em setembro lembro-me que parei com este alimentar da lata, e já em Agosto não devo lá ter posto muitas moedas. 

Portanto, sem grande expetativa, no final de dezembro abri a lata. Contei as moedas e juntei nada mais nada menos que 60€. Nenhuma fortuna, como eu deduzi logo, mas ainda assim, considerando que não cumpri o plano o ano todo, obtive uma quantia simpática. Pensei para comigo o que ia fazer ao dinheiro. Ora, as prendas de natal estavam compradas, os anéis da Pandora (da outra Pandora, fosse eu, fosse) são lindos, mas aqui entre nós, tanto dinheiro por um anel de prata? Tenho anéis de prata bem bonitos por menos dinheiro. Pus a hipótese de ir aos saldos, mas sem estar a precisar de nada, para quê ir gastar dinheiro só porque sim?

Que fiz eu, então, com os 60€ amealhados? Nada mais nada menos do que iniciar nova lata, já com esse valor em saldo. A ideia continua a ser no final de cada semana colocar na lata as moedas de 1€ e 2€. No entretanto, defini uma nova estratégia que tenho posto em prática desde setembro: no início do mês levanto um valor que fixei para pagamentos em numerário ao longo desse mesmo mês. Nesses pagamentos está contemplada a mensalidade da escola de dança, a mensalidade das aulas de ginástica, e a minha manicure mensal das unhas de gel. O que resta é para aqueles pequenos pagamentos: um lanche, um café, qualquer coisa que precisei ir ao supermercado e o valor é pequeno, uma saída para um copo com amigos, um par de brincos que vi e gostei, etc. Portanto, são nestes (não) gastos que vou poupar para a minha latinha. De cada vez que vir uns brincos na Parfois e NÃO os comprar, moedas para a lata, de cada vez que resistir às fatias dos bolos caseiros que a menina do bar faz, moedas para a lata. A primeira semana de Janeiro rendeu 3€ na lata. 

Estarei longe dos 1300€ que o desafio das 52 semanas anuncia. Mas sei que estarei de pés assentes na terra, a poupar umas moedas de cada vez que não comprar/gastar em coisas que não preciso. No fundo é ir mudando os hábitos de consumo aliados aos hábitos da poupança. Se daqui a um ano tiver 150€ na lata, ficarei muito feliz porque continuo no bom caminho.

O que farei ao dinheiro que tiver? Não sei. Na altura penso nisso. Quem sabe não me acontece o mesmo que aconteceu agora, e transita o saldo para o ano seguinte. 

 

Desafio | 10 coisas que nunca farei na puta da vida, enquanto estiver no meu (im)perfeito juízo!

Oh aqui a Pandora a tentar cumprir prazos mais que decentes na resposta a desafios!! Palminhas para mim, mas não atirem foguetes, que isto é sol de pouca dura.

Pois que a Mula apanhou-lhe o gosto e vai de me desafiar novamente. 

Tendo em mente o famoso "nunca digas nunca", e atenção às ironias do Karma, que é um brincalhão do caraças, e gosta de fazer das suas, vou enumerar as 10 coisas que eu nunca faria na puta da vida, enquanto estiver no meu perfeito juízo (facto muito relativo esta do perfeito juízo).

 

1. Dar o mergulho do ano, na manhã de ano novo. Esta "roubo" à Mula. Quem for do Norte bem sabe que a temperatura da água do mar em pleno Verão arrepia pelos e pele, quanto mais no Inverno. Além disso, na hora que vão ao primeiro mergulho do ano, eu estou no quente vale dos lençóis, em merecido repouso de noite festiva.

 

2. Sou bom garfo, boa boca, gosto de comer e gosto de experimentar novos sabores, mas nunca hei-de comer carne de cão, de gato, de rato, de cobra, minhocas, lagartas e insetos. 

 

3. Nadar com tubarões. Oh, cagufa. Longe, longe.

 

4. Sexo em grupo. Dois é bom, três é demais. 

 

5. Swing. Nada apologista das trocas e baldrocas (sexuais) de casais. Cada macaco no seu galho.

 

6. Abandonar um animal. Infelizmente não posso recolher todos os que encontro na rua, mas eu abandonar um dos meus, nunca na puta da vida.

 

7. Morar na China. O mundo dá muitas voltas, o karma é tramado, mas eu ir morar para a China é assim coisinha que nem nos meus piores pesadelos.

 

8. Praticar desportos radicais, daqueles que implicam saltos em elásticos ou cordas manhosas, risco de ficar sem dentes, e coisas que tais. Está em igual proporção aos tubarões. 

 

9. Deixar de ter nojo/medo de ratos. Sim, sou das que trepa paredes para fugir de um rato. Nunca hei-de apreciar tal bichinho. Só na sua imensa distância de mim. Podem ir nadar com tubarões, que eu não me importo.

 

10. Ser loira. Enquanto estiver no meu perfeito e imperfeito juízo, nunquinha hei-de pintar o cabelo de loiro. Não me favorece o look Barbie girl. 

 

E agora, lanço o desafio a: 

 

 

 

Pandora a responder a desafios tarde e más horas

Pois que a Mula me lançou o repto de completar frases, nos idos meados de Setembro, e aqui a Pandora, para não faltar à tradição, deixa o desafio ali a marinar, até ao dia que vai lá tirar o pó e decide dedicar-lhe uns minutos. Pandora a protelar desafios desde 2014...

 

❥ Sou muito... perfeccionista. 

 

❥ Não suporto... gente falsa, hipócrita, que na frente são tão sorrisos e meiguices, e ainda uma pessoa mal virou as costas e já sente o bico da faca a cravar-se nas costas.

 

❥ Já me zanguei... ao ponto de cortar radicalmente relações.

 

❥ Quando era criança... passava a vida agarrada aos gatos e aos livros. 

 

❥ Neste exacto momento... estou a procrastinar: era suposto estar a trabalhar, mas estou a alongar a hora de almoço.

 

❥ Morro de medo...  de uma vida vazia de sentido.

 

❥ Sempre gostei... de gatos. E livros. 

 

❥ Se eu pudesse... dava a volta ao mundo, numa longa e nada apressada viagem, conhecendo cada país, cultura, gastronomia, hábitos de vida.

 

❥ Adoro... uma boa conversa, com gargalhadas à mistura. 

 

❥ Não gosto... de fazer fretes.

 

❥ Fico feliz... por ver as minhas pessoas (especiais) felizes.

 

❥ Se pudesse voltar no tempo... nascia noutra família. 

 

❥ Quero viajar... pelo mundo. Mas já ficava satisfeita se fosse ali a Itália, ilhas gregas e Bali. Para começar.

 

❥ Eu preciso... de paz e sossego.

Um desafio que ficou a marinar, mas não ficou esquecido

A Neurótika, há mais de um mês inclui-me num desafio deveras interessante. E eu, para não variar, ando ali a engonhar os desafios, mesmo os interessantes, até que bate aquele sentimento de culpa e vergonha, porque o tempo vai passando e eu a fazer-me de esquecida!

Ora, e porque é que este desafio é deveras interessante?

Atentem no regulamento:

1. Meter 10 fotos de gajos ou gajas que te tiram o sono, te fazem ter pensamentos pecaminosos e ir a correr ao padre para te confessares!

2. Fazer uma legenda para cada foto, com o nome do "monumento" (caso a malta seja despassarada e não saiba quem é!) e o que te apetecia fazer com ele(a), caso te deixassem...ou simplesmente um comentário alusivo ao tema em questão!

3. Fazer um link para a pessoa que te nomeou (queremos ir cuscar, claro está!)

4. Nomear 10 vítimas e fazer o respectivo link

 

Então vamos lá começar. O que vai sair desta Caixa de Pandora? 

Keanu Reeves - paixão antiga. Desde que me lembro de o ver em filmes que me arranca suspiros. 

 

Jim Caviezel - quanto mais velhor melhor. 

Shemar Moore - dios mio, que até me faz sonhar em ser agente do FBI.

Channing Tatum - babo-me com homens que sabem dançar.

Taylor Kinney - descoberta recente na série Chicago Fire. Há BOMbeiros assim na vida real?! Só não consigo perceber o que viu na Lady Gaga para estar noivo dela. 

Ryan Reynolds - também me prende os olhos por mais tempo.

Colin Farrell - foi difícil escolher uma foto. Ele assume diversos visuais, e em todos fica assim, de arrancar suspiros. Na memória fica-me a salsa cubana que ele dançou no filme Miami Vice. 

 Christian Bale - o melhor Batman de sempre. 

 

 

Ashton Kutcher - aquele sorriso de puto reguila é um charme.

 Gerard Butler - Sempre achei piada aos kilts. 

 

 

E desafio completo. Peço desculpa pela demora, que tenha valido a pena.

 

 

 

Tag: descobrir novos blogs

A Neurótika desafiou-me. Ai a minha vidinha, eu e os desafios. Quase que os odeio, mas depois acho piada esta coisa de responder e tal. 

E o que é desta vez? Responder a perguntas. Deixar perguntas e nomear outros para responder. Pfff, o costume!

Que comece o desafio!

 

1. Como foi escolhido  o nome do teu blog? Mudaria-lo? 

Nada como ler o primeiro post deste blog para perceber como nasceu, porque nasceu e o porquê do nome. Ah, e como sou menina de estudos clássicos, a mitologia grega é fonte de inspiração frequente para estes lados. 

 

2. Quais são os conteúdos que mais gostas e menos gostas de ver pela blogsfera?

Gosto de sentido de humor, de bons textos, de gente com opinião e vida, que tem algo a partilhar. Não gosto dos copy paste, de ler o mesmo em vários, da publicidade (pouco) encapotada, das cópias baratas de pipocas e afins. Já não aprecio a original, cópias então, fujo.

 

3. Qual é o feedback que tens do blog até agora?

Sou blogger discreta, poucos seguidores. Acho que o feedback é positivo. Não ambiciono fama, programas de tv, livros publicados; dispenso anóminos daqueles que só vêm carpir as frustrações para as redes sociais, mas também dispenso seguidores em grande quantidade. Gosto de espaços pequenos, confortáveis e intimistas. O meu blog é isso. 

 

4. Qual é a tua maior meta com o blog?

Manter a sua essência. 

 

5. Tens algum canal no youtube? Pensas em aventurar-te?

Big NO! 

 

6. Se só pudesses levar uma mala com cinco objetos para o dia inteiro, o que levarias?

Carteira, chaves, lenços papel, telemóvel, baton cieiro. 

 

7. Não resisto a...

 

Chocolates

Gatos

Gajos que sabem dançar 

 

8. Ganhaste o Euromilhões. Qual a primeira coisa que fazias?

Dizia que era engano. Eu não jogo.

 

9. Trocaria de vida por 24 horas com...

Os meus gatos. Ah vida de lorde. 

 

10. Define-te com duas palavras.

 Simplesmente eu.

 

Prova superada, Neurótika?! 

 

Agora, para variar um bocadinho, vou nomear... wuuuuaaaaaahhhhhh (tentar imaginar riso maquiavélico, basta olhar para a Sarah Jessica Parker na gala MET):

- Ângela, estás convocada!

- Cindy, estás convocada!

- m-M, estás convocada!

- Varufakis, estás convocado!

 

As perguntas são as que eu também tive de responder. Estou desde manhã, aos bochechos, a tratar deste post, se ainda me ponho a inventar perguntas entro em curto circuito. 

 

Pelas minhas contas, último desafio!

A NEURÓTIKA WEBB deixou-me um belo desafio: coisas que me dão nervos.

O regulamento é o seguinte: fazer uma lista de X coisas que me dão nervos ou que odeio, sendo X a idade da minha avó! (ou senão inventa um número!) e meter um link da pessoa que me nomeou.

Pessoa linkada, idade da avó, isso é que é o caraças. Vou atirar um nº engraçado: 69!

 

69 coisas que me dão nervos, odeio, ou me dão azia à bílis:

  1. Condutores de domingo que andam a 20 na estrada. É o típico "não coiso, nem deixam..."
  2. Condutores portugueses com a mania que são ingleses. A puta da faixa da esquerda é para ultrapassagens ou velocidades superiores a 70/80. Não a 20. 
  3. Os filhos da mãe dos condutores que fazem as rotundas todas por fora. Ahhhhhhh que nervos.
  4. Os gajos que devem achar que os piscas são extra no carro.
  5. Gajos que em semáforos colam o carro à traseira, ou se põem ao lado e vêem uma gaja e começam a acelarar, a mostrar a merda do Punto todo kitado. Temos pena: 1900 turbo, xau!!
  6. Promessas não cumpridas. E não me refiro a promessas difíceis de concretizar. Normalmente são aquelas promessas do tipo: há tanto tempo que não nos vemos, temos de ir tomar um café, pôr a conversa em dia. Eu ligo-te. Pois...
  7. Fanáticos. Do que quer que seja. Dão-me os nervos aquelas pessoas que são obcecadas com uma merda qualquer. 
  8. Adeptos fervorosos dos seus clubes de futebol. Haja cu para aguentar as discussões e teorias e acusações e trocas de galhardetes e o raio que os parta. O clube paga-lhes alguma coisa???? Oferece-lhes bilhetes??? Bem me parecia que não.
  9. Política.
  10. Gente mentirosa. Falsa.
  11. Pessoas mesquinhas, picuinhas.
  12. Gente com a puta da mania. Aqueles narizinhos empinados e a arrogância de quem se acha superior a todos e a tudo... ai que nervos. 
  13.  Pessoas hipócritas.
  14. As Barbies: meninas bonitas, fúteis, burras que nem uma porta.
  15. Também me enervam os Kens.
  16. Quando o raio das calças me ficam apertadas e até há poucos dias serviam. E, ultimamente, tem acontecido isso. Grrrrrrrr
  17. Eh pá, tantos desafios e perguntinhas e cenas seguidas enervam-me. Oh pessoal, aqui no blog eu falo de mim, não precisam de me perguntar nada.
  18. Ser uma mula teimosa que não gosta do livro que está a ler mas mesmo assim insiste.
  19. Ler Saramago. Foi o único que desisti de ler. Duas vezes.
  20. Quando interrompem as séries sem aviso, ou deixem de ter episódios novos e repitam antigos como se nada fosse.
  21. Que me tomem por parva. 
  22. Ver tanta nádega à mostra na praia. O fio dental não é para todas. Sorry!
  23. Que visão do demo um homem de tanga na praia. E então daqueles que mais parecem uns culturistas? Aí é o pacote completo.
  24. Que me mexam no umbigo.
  25. Cócegas nos pés.
  26. Os troca-tintas: agora é, depois já não é. Arre chiça!
  27. As marias vão com as outras. Falta de personalidade.
  28. Enerva-me que isto ainda só vá no 28. Tou lixada (com F).
  29. Maus tratos a animais.
  30. As putas das touradas e era meter os que as defendem como cultura na arena do coliseu romano a brincar com leões. É cultura.
  31. Pessoas arrogantes.
  32. Que abusem da minha boa vontade. 
  33. Que me tomem como dado adquirido, mais que garantida.
  34. Cozido à portuguesa.
  35. As manias da sogra. (Ela própria é a mania em pessoa: tem a mania que só ela sabe, que manda, que pode...)
  36. Traição.
  37. TVI.
  38. Reallity Shows.
  39. Clichés.
  40. A roupa das lojas ser para altas e magras. A maioria das mulheres tem curvas, e pouco se assemelha a um poste, sim?!
  41. Incompetência.
  42. O atendimento das meninas da Sephora.
  43. Promoções duvidosas que levam o cliente facilmente ao engano. Muito gostam de fazer do zé povinho um totó.
  44. Post's excessivamente longos. Deixo sempre para depois ler. E às vezes esqueço-me de lá voltar.  
  45. Gente que espeta os detalhes todos no facebook. Já faltou menos para também mostrarem o cocó que fazem.
  46. Crianças a fazerem birras descomunais e os pais como se nada fosse. Ai a palmadinha pedagógica que faz milagres dada no momento certo.
  47. Coca-cola.
  48. Café mal tirado, ou queimado.
  49. Polémicas por tudo e por nada: porque a Jessica é gorda, porque a Patrocínio é doente de tão magra, porque há quem não queira amamentar, porque há quem amamente, porque isto, porque aquilo. Soltam o veneno atrás de um monitor. 
  50. Publicidade não assumida em blogs ou páginas de redes sociais. A sério, as pessoas notam!
  51. A Pipoca mais Doce.
  52. Pessoas com a mania que são as coitadinhas, as vítimas, que o universo existe para conspirar contra elas, e que todas as pessoas do mundo respiram para lhes fazer mal. 
  53. Injustiça.
  54. Desigualdade.
  55. Vendedores chatos, dos que batem à porta ou nos apanham nas superfícies comerciais e dizem que é só um minutinho...
  56. Chamadas a vender cartões, assinaturas, areia do deserto. Já aprendi que basta dizer que estou desempregada, desamparam a loja. Aprendam o truque!
  57. Empresas de trabalho temporário.
  58. Precaridade profissional.
  59. Sistema de ensino e a forma como os professores são tratados neste país.
  60. Putos a jogar à bola na praia perto das pessoas que estão deitadas na toalha.
  61. Dizer a mim própria que me vou deitar cedo. E nunca deito. Ya, ponto 6: promessas não cumpridas. As minhas incluídas. 
  62. Pessoas que não se enxergam, daquelas que se fossem para o Céu se viravam para Deus e diziam: sai da minha cadeira. 
  63. Quando uma receita me corre mal, normalmente doçaria.
  64. Pessoas que passam graxa, interesseiras.
  65. TPM. 
  66. Tabus e preconceitos sem sentido, como a homofobia ou a xenofobia, por exemplo.
  67. Pedofilia.
  68. A Ana Malhoa. 
  69. A luz faltar. 

Acabou??!!!

 

E mais um desafio!

A Girl About Town e , novamente, a Cláudia nomearam-me para o desafio sobre a minha infância.

Ora vamos lá a isto, que este é dois em um.

  1. Um filme da minha infância: sinceramente não me lembro de ver filmes. Via desenhos animados na TV, mas o cinema entrou na minha vida mais tarde.
  1. Uma série da minha infância: Rua Sésamo. Ana dos Cabelos Ruivos. Tom Sawyer. (Merda, estou cota)
  1. A música da minha infância: as que passavam na Rua Sésamo.
  1. Uma brincadeira da minha infância: era uma criança solitária, filha única. Brincava com os gatos quando estava por casa, na escola era à apanhada, às escondidas, à cabra cega, saltar ao elástico ou à corda.
  1. Um amigo da infância: Dora. 
  1. Um momento especial da minha infância: as viagens de férias com os meus avós.
  1. Um sonho da minha infância: ser professora.