Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Na reta final

Custam tanto a chegar e vão-se num instante. O que vale é que começo na labuta segunda, e terça é feriado. 

Não posso dizer que foram umas férias fantásticas. Não foram. Desliguei totalmente do trabalho, mas para isso também muito contribuiu a fase complicada que vivi em termos pessoais e afetivos nestas últimas semanas, esgotando toda a réstia de energia que ainda tinha. O saco vai enchendo e um dia rebenta. Rebentou em pleno início de férias, instalou-se um estado de espírito depressivo que arruinou qualquer tipo de planos, que a bem dizer, também não os havia muito.

A ajudar à festa, apanhei dias de frio e vento quando era suposto ir estender as banhas no areal e relaxar ao som das ondas, com o mar como horizonte.

Portanto não há relatos de dias de praia ou piscina, nem de viagens inesquecíveis ou leituras contagiantes. Foram dias difíceis e não vou pintar o cenário de rosa flamingo e unicórnios. As férias foram uma merda, no geral. Em particular salvaram-se alguns momentos e (re)encontros com amigos que me fazem sempre bem, regressar a locais que me são tão especiais, ainda que o estado de espírito não fosse o melhor para aproveitar esses pequenos prazeres.

O resumo mais positivo das férias é feito numa palavra: comer. Estou uma pequena bolinha, mas que se lixe. 

Agora que as coisas acalmaram um pouco e parecem seguir um (re)começo, era mais uma semaninha de férias para desfrutar da paz finalmente (espero eu) alcançada. Não podendo ser, que venha o trabalho, as rotinas, e acima de tudo que eu tenha a calma e a sabedoria necessárias para esta nova fase, este (re)começo.

Há alturas que dava tanto jeito fazer um reset à vida. Apagar, esquecer, deixar para trás definitivamente aquilo que desequilibra, desgasta, pressiona, derruba. Faz-se o melhor que se pode, o melhor que se consegue, tem-se fé nas decisões tomadas, desejando que tenham sido as melhores. O tempo o dirá.

Adeus férias, estas não deixam saudades. 

 

Isto de ir ao Alentejo...

Nem uma semana ainda se tinha passado (quase) e uma tia dos nossos amigos vê-me pela segunda vez. Com um ar de felicidade estampado no rosto, pergunta-me com entusiasmo:

- Ai, está de bebé?! (viu-me uns dias antes e não se apercebeu de nada, pensava ela).

- Ah não, isto é o resultado das migas, dos secretos e miminhos de porco preto, do pão alentejano, do queijinho, do chouriço de porco preto, do gaspacho com peixe frito, da sericaia... (e achei por bem parar porque a senhora já estava com ar de quem não sabia onde se enfiar).

Para quem achar que esta barriga é de grávida, aviso já que o pai da criança é raça porco preto alentejana. 

 

E ainda me falta ir à Feira Medieval de Santa Maria da Feira e ao Festival do Bacalhau em Ílhavo. 

 

Dolce Fare Nienti

Ora e as férias estão na reta final, isto passa que é um instante.

Nada há de interessante a registar. O grande objetivo era descansar e tratar de umas pendências. Done and done.

Hoje já fomos tratar do novo sofá para a sala. Encomendado. Escolhido e personalizado à medida, com as cores que queremos, com as funcionalidades que idealizamos. E um dos móveis que tínhamos desenhado e pedido orçamento também está encomendado. Que comece a little makeover home edition. Algumas ideias ficaram pelo caminho, outras soluções vão surgindo nesta cabecinha, mas o que já estava decidido passou à fase de concretização. 

Ontem S. Pedro deu-me um dia de chuva e mais chuva. Ótimo para um dia de ronha, de dolce fare nienti. Acordámos tarde e más horas, fizémos um brunch caseiro, aterrámos no sofá com os gatos e foi ver filmes. Pronto, não foi só. Aproveitei para arquivar uma papelada e outra tanta foi para o ecoponto. 

Quanto ao aniversário, dia banalíssimo. Troquei o bolo de aniversário por um jantar de sushi, a dois. Que barrigada!!! 

E é isto. Não há relatos e fotos de hóteis com spa, massagens e piscina, não há relatos nem fotos de passeios giros a sítios interessantes, dignos de recomendação. Há simplesmente esta banalidade de pessoa tão comum e irrelevante. 

 

Primeiro dia de férias

Que maravilha que sabe acordar mais tarde, despreocupada, sem ter de enfrentar uma segunda feira que abre portas a toda uma semana de muito trabalho, stress e incertezas quanto às horas de sair e que condiciona todas as outras coisas da minha vidinha.

Adiante. O plano é basicamente não ter planos. No ano passado também tirámos esta semana de férias, aproveitámos para uma escapadela de três dias fora. Este ano outras prioridades se levantaram ao nosso orçamento. Queremos fazer alguns investimentos em casa e, como não se pode ter tudo, optámos por fazer férias caseiras. Uma semaninha que vai passar a voar, eu sei, mas é aproveitar para descansar, relaxar dos últimos tempos de loucos que tenho vivido, aproveitar para tratar de alguns assuntos pendentes que, por falta de tempo e cabeça, têm ficado adiados. E aproveitar para, claro, também dar uns passeios. Vamos ver se o S. Pedro colabora, mas sem grande fé que já me chegou um zunzum de previsões de chuva.

Hoje fomos feirar até Espinho. Bater perna com a amiga do peito pelas bancas da feira enquanto se põe a letra em dia, almoçar um delicioso hambúrguer artesanal com umas batatas fritas divinais. À tarde rumei ao Porto para ir ver ao vivo e a cores sofás, já que um dos nossos projetos é investir num novo sofá para a sala. Já tinha posto este sofá nos meus favoritos, e não me enganei. Ao vivo é perfeito para a nossa sala, tem as funcionalidades que procuramos para rentabilizar o espaço e arrumação. Enfim, está no topo dos favoritos. Ainda há outras possibilidades que queremos equacionar, portanto, ainda nada decidido em definitivo. 

Ah e tal foste à Feira de Espinho e compras? Pois que quase nada. Ofereci um conjuntinho ultra fofinho ao bebé da minha amiga, a quem carinhosamente chamamos "mau feitio", já que a criança não deixa ver se é um ele ou uma ela. Vira o rabiosque e a malta que se roa com a curiosidade. Para mim apenas umas leggings curtas, todas psicadélicas, para as minhas aulas de cardio fitness. Para quem só usava preto, agora é ver-me com os estampados mais coloridos que se pode imaginar. É. Assim distraio a malta e ninguém repara nos buracos da celulite. 

Agora vou ali refastelar-me no sofá, ver um filme, sem preocupação das horas a que durmo e tal... férias são férias. 

 

Último dia de férias

Ontem deixei-me dormir. Sem despertador. Acordei eram 10h30. Estive em casa o dia todo. Passei a ferro, cozinhei a mais para já ter almoços para as marmitas, li, bebi chá e comi torradas de pão alentejano, recebi o senhor dos móveis que andou a tirar medidas para uns quantos móveis que idealizamos de forma a maximizar arrumação e organização de espaços. Aguardo o orçamento e espero não me assustar. 

Não liguei o computador e a pouca tv que vi foi quando estive a passar a ferro.

Mimei os gatos, que ainda estão em modo carentes pela ausência de 3 dias da dona, uma eternidade. 

Arrumei as decorações de natal. Sim, já está tudo arrumado à espera do próximo. 

Tentei deitar-me mais cedo. Não consegui. Fiquei a ler até à 1h da manhã.

Hoje regresso à rotina dos dias. Assim seja! 

 

Pandora, o gajo e a mala

É muito bom ir laurear a pevide para fora uns dias, viajar, mesmo que seja ir para fora cá dentro uns diazinhos, poucos. Mas fazer a mala é coisinha para me fazer bufar um bocado. Principalmente quando o gajo é pior que eu para escolher o que levar, e leva sempre a mais porque pode precisar... "ah e tal posso sujar-me!"

Respira, Pandora, inspira! 

 

Quase, quase, quase...

Entro hoje de férias. Há colegas que já estão de férias. Pelo que há tarefas deles para garantir, há as minhas que quero deixar em dia antes de uns dias de merecida pausa. Portanto o dia está a ser de loucos, mas caramba, com este gostinho a férias, o trabalho, ainda que intenso e em quantidade, tem outro sabor.

Serão umas mini férias, com direito a uma escapadela. Quero descanso, e abraços de quem tenho saudades e anseio por (re)ver, e sorrisos, e conversas à lareira, e uma passagem de ano diferente que me vai renovar a alma. 

Provavelmente vou estar afastada da Caixa, e prevendo isso, deixo já os meus votos de boas saídas e melhores entradas no novo ano. Que se renovem esperanças, que se carreguem energias, que se respire fundo e se encontre força e balanço para mais 365 dias de oportunidades e desafios.

 Feliz 2017!

Sejam felizes! É o único objetivo que importa traçar para o novo ano.