Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Eu disse que me ia meter em alhadas

Há dias falei da dieta paleo. Com uma certa ironia e paródia, falei dos extremismos (no geral) que vejo em alguns seguidores desta dieta. 

Indiquei que o conceito me despertou interesse e que sim, retiro algumas ideias, dadas as minhas necessidades resultantes de baixas tolerâncias alimentares, que me obrigam a variar bastante a alimentação diária, evitando o mais que posso alguns alimentos. 

Procuro mais ideias para pequenos almoços e lanches, visto que é nestas refeições que encontro mais dificuldades. Almoço e jantar essencialmente é peixe ou carne com legumes, eventualmente um arroz ou uma massa de vez em quando, mas sem abusos. 

Este fim de semana Gandhe comprou amêndoas cruas. Dourei-as na frigideira e ontem, armada em paleo, vim munida de oito, OITO amêndoas para o lanche da tarde. Como nunca sei a que horas saio e é frequente acontecer-me não ter tempo de fazer uma pausa para comer, e estar horas a fio apenas a água, lá vou recorrendo ao iogurte líquido para me aguentar a tarde toda. Portanto trazer amêndoas para reforçar o snack da tarde soou-me bem. Oito bem contadinhas, para não haver exageros.

Ora pois que cheguei ao fim do dia com o abdómen inchado, não me admiraria que alguma alminha achasse que eu estava em estado de graça. Depois vieram as cólicas. À noitinha, já me torcia com cólicas. O jantar, uma singela salada de atum, com tudo cozido e temperado com azeite, não me caiu lá muito bem. Sentia-me inchada, desconfortável. E eis que de repente liberta-se a bomba de gás, seguido de umas quantas idas às instalações sanitárias com um desarranjo intestinal digno de quem enfardou uma feijoada à transmontana. Foram oito inocentes amêndoas, naturais, apenas douradas numa frigideira, sem qualquer adição seja do que for. Só oito amêndoas torradas. E mais parece que enfardei a feijoada da Ponte Vasco da Gama.

Mais valia ter comido um pastel de nata. 

 

Oh Pandora, mas tens a certeza que foram das amêndoas?

Tenho. Até porque não posso abusar dos frutos secos precisamente por causa destas consequências. Já não comia frutos secos há... nem sei quando foi a última vez. E foram oito amêndoas. Dei-me ao ridículo de contar as amêndoas para não trazer muitas, sabendo que só paro na última.

 

Portanto, a dieta pode ser a da moda, como qualquer outra que já esteve na moda, que ainda vai estar. Pode haver vozes, muitas, que divulguem as maravilhas da dieta, os benefícios de saúde e emagrecimento. Mas, e sublinho o mas, o que num corpo funciona, no outro é rejeitado. A alimentação deve ser adequada às necessidades de cada um, ao organismo de cada um. Ser saudável não é só comer alimentos ditos saudáveis. É perceber também as consequências que a sua ingestão traz ao nosso corpo. 

 

Dúvidas que me assolam a mente por alguns segundos

Blá blá blá alimentação saudável. Hashtags como #foodlover, #eatclean ou #healthyfood pululam por essas redes sociais afora. É a euforia. 

Alimentação saudável tenho eu desde que me lembro ser gaiata e passar a vida em hospitais por causa do refluxo gastroesofágico e das crises de fígado e vesícula. Comer muita fruta e legumes, carnes magras e peixe, grelhados e cozidos, pouca gordura, tem sido a minha sina desde tenra idade. Mas pronto, vale-me a febre do momento para procurar receitas diferentes e saudáveis para poder variar a alimentação. Só que ou muito me engano ou a malta do #eatcleanandhealthy só come ao pequeno almoço e nos lanches pré treino e pós treino. Almoços e jantares, hã?? O que é esta gente mega saudável come? Só encontro muitas dicas e ideias de panquecas, papas de aveia, snacks low carb e free sugar.

Agora almoço e jantar, comidinha do bem no prato, isso é raro encontrar. Eu sei que o pequeno almoço é a refeição mais importante do dia, mas não é a ÚNICA, certo? Até porque já toda a gente percebeu que passar fome e fazer longos períodos de jejum não faz bem nem emagrece. 

 

Sopa

É muito saudável comer uma sopinha ao almoço, não é?!

É.

Depois é que vem o problema. Fico com uma fome que como este e o outro mundo. Já perdi a conta às bolachas que marcharam e acabei de comer uma mega fatia de bolo de chocolate que a menina do bar fez.

E também comi a gelatina e o iogurte que trouxe para o lanche.

 

Segurem-me que acho que hoje janto uma francesinha. Picanha... e isto porque não estou perto de Alvarenga, senão agarrava-me ao bife!

13533353_10157107287295578_1672206294270064923_n.j

 

Sopinha ao almoço, hã?! Belo resultado!!

 

 

A saga dos jantares vegetarianos

Esta semana Gandhe tem de fazer 5 jantares só à base de legumes. Nada de proteína nem hidratos.

Porquê este castigo?

Ora bem, ele durante anos praticou desporto, era jogador federado e aquilo era treinos todos os dias e jogos ao fim de semana. Por vicissitudes da vida adulta e profissional, quando foi trabalhar para o turno da noite, foi-se o desporto. Algumas tentativas de ginásio, mas que saíam sempre furadas, porque ele gosta pouco de ginásios. Gosta mesmo é de desportos de equipa. Ainda se meteu a fazer BTT com colegas do trabalho, mas os horários incompatíveis fizeram-no abandonar esse hobbie.

Resultado: engordou e não foi pouco.

Lá se foi convertendo a uma alimentação mais saudável, a acompanhar-me em refeições com legumes, saladas, mais peixe e carnes brancas, habituou-se à sopa. O problema era a quantidade de comida ingerida e os snacks entre refeições.

Há quase dois anos decidiu voltar ao ginásio. E depressa começou a desmotivar, porque a ideia que bastava lá ir fazer uns treinos e emagrecia estava errada. Lá o convenci a ir à nutricionista que me acompanha, e ela, de acordo com os horários dele, com as rotinas e os dias de ginásio, estabeleceu-lhe planos de refeições completos, com horários definidos. Os resultados não tardaram a aparecer, e ele até ganhou novo animo para o ginásio.

Entretanto teve um problema muscular, depois mudou de horário, e ficou difícil encaixar o ginásio na nova rotina. Novos planos alimentares, novos horários de refeições, mas faltava o exercício físico. Eu dava-lhe na cabeça porque andava a pagar e não ia ao ginásio, ao menos tomar banho, que poupava água em casa. A nutricionista a dar-lhe na cabeça porque o corpo dele reage muito bem ao exercício físico, e se queria recuperar os resultados de outrora, teria de voltar aos treinos. E voltou. Há dois meses que regressou ao ginásio e tem andado atinadinho.

Esta semana, por motivos profissionais, não pode ir ao ginásio, e como ainda não recuperou peso e as medidas, esta semana a nutricionista prescreveu-lhe este plano com jantares só de vegetais, para que não houvesse retrocessos.

E assim me vejo na aventura de andar a criar refeições vegetarianas. Com algum gozo, confesso, principalmente porque o desgraçado come mas falta o que ele gosta. 

Ontem fiz abóbora assada no forno com batata doce, acompanhei com espinafres salteados. E o homem suspirou por uns lombos de salmão grelhados que ficavam ali tão bem.

 

O karma é tramado!

Quando, para sair da rotina alimentar, variar um bocadinho, decido fazer um jantar assim livre de proteína animal, a privilegiar os legumes e a dar azo a receitas vegetarianas, o homem tem destas saídas

Mas o karma é tramado e vai que no plano alimentar para uma semana a nutricionista prescreveu cinco, CINCO jantares só com legumes.

A saga começou ontem. Fiz uns brócolos salteados com cogumelos, uns temperos, no fim polvilhei com pinhões e estava uma delícia. 

Ele lá dizia que faltava qualquer coisa. Se calhar era por faltar qualquer coisa que ele se serviu por três vezes. 

 

 

 

Castigo?

Comia eu os dois últimos oopsies ao lanche e terminava com uma gelatina de limão. Pela mente passavam-me imagens de natas, polvilhadas de canela. O bar mesmo ali ao lado. Teria ainda natas? Não teria? Não fui ver. Resisti, com pouca devoção, à tentação das natas, caso as houvesse. Mas enquanto degustava a gelatina amarela com sabor a limão, não sei como, nem porquê, eu estava a pensar nas natas, e foi-me gelatina pela fossa nasal acima.

Amanhã se o CM noticiar uma pessoa que espirrou e largou gelatina amarela pelas narinas, sou eu!

Entretanto a ideia das natas esfumou-se.