Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Sabem aquelas músicas que irritam?

Irritam tanto que dá vontade de furar os tímpanos, cortar os pulsos e saltar da ponte? Isto quando não se pode mudar de estação de rádio, ou simplesmente desligá-lo, claro.

Perdoem-me lá quem gosta, mas eu tenho um odiozinho de estimação por duas músicas nacionais que ultimamente passam tanto na rádio, mas tanto, que quase desejo ser surda para não ter de gramar com elas ao longo do dia, vezes sem conta. 

E então quais são? Ora, começa por esta e acaba nesta

Nota: não abona em nada eu também não simpatizar com os respetivos artistas. Gostos. 

Puta que pariu a minha sorte!

Tenho de ir à bruxa. Levar com água benta nas trombas, tomar banho de sal ou o caralho.

Há quase um mês sem a carrinha, finalmente esta semana já houve alguns avanços no processo da seguradora. Ainda assim, a situação está longe de estar resolvida em definitivo, o que implica suportar despesas de aluguer de viatura de substituição. No fim hei-de receber (espero) o respetivo ressarcimento, mas até lá que remédio pagar e bufar.

Ora pois o que havia de acontecer agora? 

O filho da puta do Smart dar o pifo. Chego ao trabalho, estaciono. Carro desliga-se sozinho e morre para a vida. Bem que lhe dou à chave na ignição, nem sinais de vida.

Ando cá com um karma do caralho. Noutra vida atirei pedra na cruz, cuspi no santo e ainda lhe caguei em cima, não?!

 

Quem espera, desespera!

Duas semanas. Já se passaram duas semanas.

Novidades? Zero. Processo a decorrer nas duas seguradoras, mas é óbvio que a minha não mexe um dedo, nem tem de mexer, porque não somos nós os responsáveis. A outra seguradora vai cumprindo os prazos legais. A nós resta esperar. Desesperar. Mas esperar.

Atribuição de carro de substituição? Nada. Só depois de se apurarem responsabilidades. Dá uma vontade de mandar alguém pó caralho quando se ouve uma merda destas.

Depois ligam porque querem falar pessoalmente connosco, recolher o nosso testemunho, que é como quem diz, a nossa versão dos factos. "Ah não são de Coimbra? Então vamos ver se alguém da filial de Aveiro pode falar convosco.". Os dias passam e nada.

Primeira peritagem feita. Já assinámos autorização para desmontagem do veículo. Segunda peritagem? Não sabemos. Sem data prevista. Sabemos que o limite para apuramento de responsabilidade e cedência de veículo de substituição vai até dia 16 de janeiro. Portanto, resta-nos ter custos não previstos e completamente injustos porque nos destruíram o carro e nós precisamos dele. 

Dá cá uma azia na bílis. Uma pessoa paga um seguro de danos próprios, com tudo e mais um par de botas, paga e paga bem, e quando é preciso, assobiam para o lado. Não podiam zelar pelos interesses e necessidades dos seus clientes e depois imputar as custas à seguradora que assume a responsabilidade dos danos? 

Isso e os procedimentos. Qual é a dúvida? Três carros estavam estacionados, em lugares devidamente assinalados para o efeito, e são dizimados por uma condutora que, aparentemente por negligência, conduziu sem estar em condições e perdeu o controlo do carro. Apurar responsabilidades? Vamos ter de justificar porque deixámos lá os carros estacionados, querem ver?

Oh país cheio de burocracia que só empata e engonha e faz perder a paciência a um monge tibetano.

 

Ai a put@ da ironia

Pagar IUC da carrinha sem ela estar em circulação. E sem saber ainda se vai voltar.

Peritagem amanhã. Só depois é que liberam carro de substituição.

Uma merdinha. Vale que estamos de férias e não precisamos dos dois veículos, mas se amanhã não temos carro de substituição, quero ver como fazemos terça para regressar aos trabalhos.

Enfim, umas festividades com um espírito merdoso, com uma vontade de mandar tudo para o caralhinho, porque se andava com a paciência no mínimo dos mínimos, agora é que estourou. 

Ah e tal e o pai natal ao menos foi generoso? Oh sim. Uma pessoa escolhe presentes a pensar em cada pessoa, o que ela gosta, usa, etc, e depois recebe meias. Meias!!! MEIAS! Ainda por cima daquelas que ficaram ali num cruzamento manhoso entre peúgas e pantufas e não são nem uma merda nem outra. Meias com orelhinhas e pelo, muito pelo, aquela merda não dá para calçar com nada. Ótimas para quem passa o tempo de cu alapado no sofá, mas gente, eu em casa não estou só no sofá: cozinho, aspiro, vou ao terraço limpar areia dos gatos ou estender roupa. Querem que ande descalça com meias de orelhinhas??? Puta de sorte.

Meias natalícias?! Um dia junto-as todas e decoro a árvore de natal. 

 

Ah pode piorar, pois pode!!!

Pessoa vai a Coimbra almoçar com amigos. Pessoa está descontraída, em amena cavaqueira, come bem, ri, conversa, diverte-se, troca prendas e vive ali um pedacinho de natal.

Pessoa sai do restaurante a meio da tarde e vem para o carro que está estacionado a alguns metros. Pessoa vê aparato policial. Pessoa apressa o passo. Pessoa vê a sua carrinha, que ainda nem dois anos tem, ali, sossegadinha, estacionada nos conformes... e completamente fodida! Tão fodida que a polícia apreendeu os documentos porque, se a seguradora avançar para reparação, tem de ir a inspeção antes de voltar a circular. Pára-choques traseiro partido, mala empenada, eixo traseiro partido, jante traseira partida, carrinha foi arrastada mais de um metro, subiu passeio com roda da frente, jante fodida, bateu no carro estacionado à frente, pára-choques dianteiro fodido... e isto é o que se vê. Tá tudo fodido. E se não me deu ali um ataque cardíaco, dificilmente dá.

A minha não foi a única. Foram três carros estacionados que foram apanhados quando uma rapariga perdeu o controlo do carro dela e aí vai disto. Só parou quando se enfaixou no terceiro carro. Porque perdeu o controlo do carro? Pois, consta que estava a sair do hospital onde tinha acabado de ser medicada. Se lhe deram permissão para conduzir, viu-se o resultado. 

Chegámos 10 minutos depois do acidente. Saímos de lá horas depois. 

Pessoa regressa a casa de táxi, carrinha de reboque, e agora espera porque é natal e só para a semana pode começar a tratar das merdas.

Duas palavras: pó caralho, que não há cu que aguente tanta merda!!!!

 

Pandora, a mais azeda!

Ando com uma falta de paciência que dá dó. Isso e crises agudas de mau feitio. Ou então ando só farta das pessoas nas redes sociais. 

É a dondoca que sabe de fonte segura que os mitras se estavam a meter com os betinhos à porta da Urban, e por isso os godzillas dos seguranças não tiveram outra solução que não fosse partir para a agressividade extrema. Isto é uma consumição quando estratos sociais diferentes se misturam! Puta que pariu!!

São as novas adolescentes dos tempos modernos, aquelas a raiar ali os 40 anos, que tanto apregoam estilos de vida saudável com muito exercício físico e alimentação saudável, que postam fotos dos seus abdominais definidos e dissertam sobre a mudança de estilo de vida e como nunca estiveram tão bem, mas depois a malta não percebe muito bem quando aparecem textos em que falam da epifania que tiveram ao verem fotos de si mesmas e aceitarem-se como são, sem maquilhagem, com celulite, com estrias, com rugas, com pneu e barriga inchada. E cereja no topo do bolo, porque são elas mesmas sempre, quer estejam de sapatilhas (ténis para os lisboetas) ou de saltos, de chinelos ou descalças.

E eu reviro os olhos com estas epifanias, compreensíveis na parvoíce dos 15 anos, e passam-me assim comentários pela cabeça do tipo: oh riqueza, se não sofres de transtorno dissociativo de personalidade, esquizofrenia, e como obviamente não és o Pessoa, deixa-te de merdas que já tens idade para isso.

A mais doce agora deu para fazer vídeos e eu reviro os olhos a cada trejeito que ela faz com a boca(rra), uns tiques manhosos, que me deixam na dúvida se a moça não estará com espasmos. Isso e a tremenda falta de naturalidade, incongruente para quem se tem por uma comunicadora nata, com formação e tudo. Ah e a puta da mania que Lisboa é por si só o país e o norte é logo ali acima de Santarém. 

Ando com uma falta de paciência que dá dó. E crises de mau feitio. Ando farta das pessoas no geral, das parvas em particular.

Ou então ando com uma ressaca de nicotina do caraças porque deixei de fumar há uma semana. Era uma decisão de ano novo. Ainda vou a tempo!!

 

Elucidem-me!

O voto só ficava válido depois de publicação no facebook sobre o dever cumprido e o voto na urna?

Então o meu não contou, pois não?

É que ah e tal todos fazemos a diferença. Então não. Continuar a ver o filho de uma ursa do PSD a ser reeleito deixa-me cá uma sensação de ter feito a puta da diferença, que nem vos digo nem vos conto.

 

Vou-me meter em alhadas

Hoje apetece-me dissertar sobre um fenómeno da moda (pois claro), a última coca-cola do deserto, a última bolacha do pacote, o milagre da eterna juventude... milénios de história e evolução da humanidade para agora a cura milagrosa de todas as maleitas estar (rufos de tambores)... no Paleolítico.

Dieta Paleo é moda, como tantas outras dietas tiveram o seu auge e estiveram na ribalta durante o seu tempo, assim como o Bailando já foi hit de verão e o Despacito um fenómeno de popularidade. Acredito que a dieta paleo estará para a alimentação atual como o Despacito para o verão 2017.

Adiante, não me compete discorrer exaustivamente sobre o assunto. Isto é tema que dá para uma tese de mestrado, doutoramento e especializações várias. 

Já ouvi falar deste tipo de alimentação há algum tempo e sim, confesso, ao início fiquei deslumbrada com tamanha lista de vantagens e saúde para dar e vender. Comentei com a minha nutricionista que me deu logo um safanão, explicou-me umas quantas coisas e lá se foi o deslumbramento pela anunciada 9ª maravilha do mundo.

Ainda assim, curiosa como sou, lá fui pesquisando e acompanhando o famoso grupo de Facebook, Paleo Descomplicado. E como em tudo neste mundo, há todo o tipo de seguidores. Dos mais descomplicados, aos mais radicais, dos mais sensatos aos mais extremistas. 

Se sigo a dieta paleo? Não.

Se tiro ideias? Muitas.

Se é para perder 10 kg em 3 meses? Não. É porque, não tendo eu qualquer intolerância alimentar, tenho baixa tolerância a uma série de alimentos, pelo que sou obrigada a variar bastante a alimentação, tendo cuidados especiais no consumo de determinadas proteínas (glúten), hidratos (lactose) e gorduras. Desde tenra idade que devido aos problemas do meu aparelho digestivo que a minha alimentação é muito à base de carnes magras e peixes, muitos legumes, tudo grelhado ou cozido. Maioritariamente. Se me perco por batatas fritas? Sim. Se as como? Oh sim. E um esparguete à bolonhesa?? Maravilha. E um risotto? Venha ele. Sei é que se abuso, sofro consequências. 

Porque me lembrei de abordar este tema, pondo-me a jeito para ser queimada qual bruxa herege?

Ontem, estava eu em amena cavaqueira com uma amiga, tão doida quanto eu, a comentarmos os extremismos de hoje em dia, as opiniões inflamatórias que são rastilho de pólvora seca, presenteando cada dia com uma nova polémica. Começámos pelo tema da amamentação, sobre o qual ela escreveu recentemente, e como concordamos no ponto em que o problema está nos extremistas radicais, fomos alargando a lista de temas polémicos onde o extremismo é flagrante. Das bimbólicas às musas do fit, das magras às gordas (sendo que nem sempre as fronteiras de tais conceitos estão assim tão definidas e claras), das Capazes às Maries Kondos desta vida, o que não falta são grupos temáticos com potencial para alimentar e fazer crescer estes monstrinhos radicais, com opiniões extremistas sobre qualquer merda que acham a verdade universal, tão importante como a descoberta do fogo, a invenção da roda e a cura para o cancro.

E eis que aqui a Pandora se lembra da alimentação paleo, de como acha absurdamente ridículo que no tal grupo apareçam os deslumbrados principiantes com dúvidas e questões, e partilhem as fotografias das suas primeiras compras paleo e perguntem, qual crianças de três anos, se podem ou não podem. E o que me vou rindo com certas incongruências, disparates e coisas que tais.

Então vejamos: dieta do paleolítico como o próprio nome indica, é uma dieta inspirada na era do paleolítico, onde a agricultura ainda nem existia. Os homens das cavernas comiam o que caçavam e colhiam. Os alicerces desta dieta estão, então, no consumo de proteína e gordura animal (proveniente da caça) e de frutos e vegetais que colhiam. 

Leite de vaca não pode. Mas pode leite de coco, ou de amêndoa, ou de... e eu a imaginar os australopitecos a ordenhar cocos à porta da caverna.

Amendoim não pode, porque é raíz. Mas manteiga de amendoim às colheradas pode. Imagino as australopitecas com as bimbys paleolíticas a transformar as raízes em manteiga.

Farinha de trigo não pode. Um cereal com milhares de anos não pode. Ah porque a farinha de trigo é processada e tem glúten, e os paleo não comem comidas processadas... ah mas espera, e farinha de coco ou de amêndoa ou de milho, já pode?? Não passou também por um processo de transformação do alimento do seu estado original para o estado em forma de farinha? Não tem glúten. Pronto. Os paleo são todos celíacos. Paz à sua alma.

Café também pode. A sério??? É que o café data do séc. IX (d.C.).

Então e arroz?? Ahhhh arroz não pode. Ah mas espera, o arroz já existe há milénios. No 3º milénio a.C. houve uma expansão do cultivo do arroz, sendo que bem antes disso havia arroz selvagem, que os homens primitivos colhiam para alimentação.

E batata? Ahhhhhhhhhhhh batata não pode. Mas pode batata doce. É a puta da lógica da batata. Estou a ver os australopitecos na época da sementeira da batata... doce. 

received_1919330381429829.jpeg

Ah esperem, nesta altura já era o homo erectus e começava a revolução agrícola (ou seria a industrial, dos alimentos processados??). Paleo que é paleo só come o que caça e colhe nas prateleiras das mercearias de bairro e mercados biológicos.

 

Ah, como são belas as mentes radicais extremistas. Qualquer dia é ver um terrorista da dieta paleo a lançar farinha de trigo pelos ventiladores de um centro comercial, e contaminar os infiéis da fast food com glúten. Ou terroristas da amamentação a lançar biberões à multidão que vai aos saldos da Zara. Ou as bimbólicas a fazerem greve de fome à porta da Worten e do Continente.

 

Nota mental: quem não souber ler este texto com a ironia que lhe está subjacente, e não interpretar como paródia, há ali em cima, canto superior direito, um botãozinho com X. É clicar, sim?! Agradecida. 

 

 

Falei cedo demais

Sobre o baby shower... pois que já estou a torcer o nariz. Quem está a assumir o comando das tropas deve achar que está a preparar uma despedida de solteira com jantarada só para gajas. Em vez de fraldas e biberões ainda vamos ter a demonstração da mala vermelha, querem ver?!

Quem já esteve, participou, ajudou a organizar uma festa destas, por favor, informações: o que se costuma fazer, quem costuma participar/ser convidado, almoço, lanche ou jantar all night long (uuuhhhhhh caipirinhas)? Estou completamente fora destes assuntos.

Agradecida!