Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Pandora, a mais azeda!

Ando com uma falta de paciência que dá dó. Isso e crises agudas de mau feitio. Ou então ando só farta das pessoas nas redes sociais. 

É a dondoca que sabe de fonte segura que os mitras se estavam a meter com os betinhos à porta da Urban, e por isso os godzillas dos seguranças não tiveram outra solução que não fosse partir para a agressividade extrema. Isto é uma consumição quando estratos sociais diferentes se misturam! Puta que pariu!!

São as novas adolescentes dos tempos modernos, aquelas a raiar ali os 40 anos, que tanto apregoam estilos de vida saudável com muito exercício físico e alimentação saudável, que postam fotos dos seus abdominais definidos e dissertam sobre a mudança de estilo de vida e como nunca estiveram tão bem, mas depois a malta não percebe muito bem quando aparecem textos em que falam da epifania que tiveram ao verem fotos de si mesmas e aceitarem-se como são, sem maquilhagem, com celulite, com estrias, com rugas, com pneu e barriga inchada. E cereja no topo do bolo, porque são elas mesmas sempre, quer estejam de sapatilhas (ténis para os lisboetas) ou de saltos, de chinelos ou descalças.

E eu reviro os olhos com estas epifanias, compreensíveis na parvoíce dos 15 anos, e passam-me assim comentários pela cabeça do tipo: oh riqueza, se não sofres de transtorno dissociativo de personalidade, esquizofrenia, e como obviamente não és o Pessoa, deixa-te de merdas que já tens idade para isso.

A mais doce agora deu para fazer vídeos e eu reviro os olhos a cada trejeito que ela faz com a boca(rra), uns tiques manhosos, que me deixam na dúvida se a moça não estará com espasmos. Isso e a tremenda falta de naturalidade, incongruente para quem se tem por uma comunicadora nata, com formação e tudo. Ah e a puta da mania que Lisboa é por si só o país e o norte é logo ali acima de Santarém. 

Ando com uma falta de paciência que dá dó. E crises de mau feitio. Ando farta das pessoas no geral, das parvas em particular.

Ou então ando com uma ressaca de nicotina do caraças porque deixei de fumar há uma semana. Era uma decisão de ano novo. Ainda vou a tempo!!

 

Elucidem-me!

O voto só ficava válido depois de publicação no facebook sobre o dever cumprido e o voto na urna?

Então o meu não contou, pois não?

É que ah e tal todos fazemos a diferença. Então não. Continuar a ver o filho de uma ursa do PSD a ser reeleito deixa-me cá uma sensação de ter feito a puta da diferença, que nem vos digo nem vos conto.

 

Vou-me meter em alhadas

Hoje apetece-me dissertar sobre um fenómeno da moda (pois claro), a última coca-cola do deserto, a última bolacha do pacote, o milagre da eterna juventude... milénios de história e evolução da humanidade para agora a cura milagrosa de todas as maleitas estar (rufos de tambores)... no Paleolítico.

Dieta Paleo é moda, como tantas outras dietas tiveram o seu auge e estiveram na ribalta durante o seu tempo, assim como o Bailando já foi hit de verão e o Despacito um fenómeno de popularidade. Acredito que a dieta paleo estará para a alimentação atual como o Despacito para o verão 2017.

Adiante, não me compete discorrer exaustivamente sobre o assunto. Isto é tema que dá para uma tese de mestrado, doutoramento e especializações várias. 

Já ouvi falar deste tipo de alimentação há algum tempo e sim, confesso, ao início fiquei deslumbrada com tamanha lista de vantagens e saúde para dar e vender. Comentei com a minha nutricionista que me deu logo um safanão, explicou-me umas quantas coisas e lá se foi o deslumbramento pela anunciada 9ª maravilha do mundo.

Ainda assim, curiosa como sou, lá fui pesquisando e acompanhando o famoso grupo de Facebook, Paleo Descomplicado. E como em tudo neste mundo, há todo o tipo de seguidores. Dos mais descomplicados, aos mais radicais, dos mais sensatos aos mais extremistas. 

Se sigo a dieta paleo? Não.

Se tiro ideias? Muitas.

Se é para perder 10 kg em 3 meses? Não. É porque, não tendo eu qualquer intolerância alimentar, tenho baixa tolerância a uma série de alimentos, pelo que sou obrigada a variar bastante a alimentação, tendo cuidados especiais no consumo de determinadas proteínas (glúten), hidratos (lactose) e gorduras. Desde tenra idade que devido aos problemas do meu aparelho digestivo que a minha alimentação é muito à base de carnes magras e peixes, muitos legumes, tudo grelhado ou cozido. Maioritariamente. Se me perco por batatas fritas? Sim. Se as como? Oh sim. E um esparguete à bolonhesa?? Maravilha. E um risotto? Venha ele. Sei é que se abuso, sofro consequências. 

Porque me lembrei de abordar este tema, pondo-me a jeito para ser queimada qual bruxa herege?

Ontem, estava eu em amena cavaqueira com uma amiga, tão doida quanto eu, a comentarmos os extremismos de hoje em dia, as opiniões inflamatórias que são rastilho de pólvora seca, presenteando cada dia com uma nova polémica. Começámos pelo tema da amamentação, sobre o qual ela escreveu recentemente, e como concordamos no ponto em que o problema está nos extremistas radicais, fomos alargando a lista de temas polémicos onde o extremismo é flagrante. Das bimbólicas às musas do fit, das magras às gordas (sendo que nem sempre as fronteiras de tais conceitos estão assim tão definidas e claras), das Capazes às Maries Kondos desta vida, o que não falta são grupos temáticos com potencial para alimentar e fazer crescer estes monstrinhos radicais, com opiniões extremistas sobre qualquer merda que acham a verdade universal, tão importante como a descoberta do fogo, a invenção da roda e a cura para o cancro.

E eis que aqui a Pandora se lembra da alimentação paleo, de como acha absurdamente ridículo que no tal grupo apareçam os deslumbrados principiantes com dúvidas e questões, e partilhem as fotografias das suas primeiras compras paleo e perguntem, qual crianças de três anos, se podem ou não podem. E o que me vou rindo com certas incongruências, disparates e coisas que tais.

Então vejamos: dieta do paleolítico como o próprio nome indica, é uma dieta inspirada na era do paleolítico, onde a agricultura ainda nem existia. Os homens das cavernas comiam o que caçavam e colhiam. Os alicerces desta dieta estão, então, no consumo de proteína e gordura animal (proveniente da caça) e de frutos e vegetais que colhiam. 

Leite de vaca não pode. Mas pode leite de coco, ou de amêndoa, ou de... e eu a imaginar os australopitecos a ordenhar cocos à porta da caverna.

Amendoim não pode, porque é raíz. Mas manteiga de amendoim às colheradas pode. Imagino as australopitecas com as bimbys paleolíticas a transformar as raízes em manteiga.

Farinha de trigo não pode. Um cereal com milhares de anos não pode. Ah porque a farinha de trigo é processada e tem glúten, e os paleo não comem comidas processadas... ah mas espera, e farinha de coco ou de amêndoa ou de milho, já pode?? Não passou também por um processo de transformação do alimento do seu estado original para o estado em forma de farinha? Não tem glúten. Pronto. Os paleo são todos celíacos. Paz à sua alma.

Café também pode. A sério??? É que o café data do séc. IX (d.C.).

Então e arroz?? Ahhhh arroz não pode. Ah mas espera, o arroz já existe há milénios. No 3º milénio a.C. houve uma expansão do cultivo do arroz, sendo que bem antes disso havia arroz selvagem, que os homens primitivos colhiam para alimentação.

E batata? Ahhhhhhhhhhhh batata não pode. Mas pode batata doce. É a puta da lógica da batata. Estou a ver os australopitecos na época da sementeira da batata... doce. 

received_1919330381429829.jpeg

Ah esperem, nesta altura já era o homo erectus e começava a revolução agrícola (ou seria a industrial, dos alimentos processados??). Paleo que é paleo só come o que caça e colhe nas prateleiras das mercearias de bairro e mercados biológicos.

 

Ah, como são belas as mentes radicais extremistas. Qualquer dia é ver um terrorista da dieta paleo a lançar farinha de trigo pelos ventiladores de um centro comercial, e contaminar os infiéis da fast food com glúten. Ou terroristas da amamentação a lançar biberões à multidão que vai aos saldos da Zara. Ou as bimbólicas a fazerem greve de fome à porta da Worten e do Continente.

 

Nota mental: quem não souber ler este texto com a ironia que lhe está subjacente, e não interpretar como paródia, há ali em cima, canto superior direito, um botãozinho com X. É clicar, sim?! Agradecida. 

 

 

Falei cedo demais

Sobre o baby shower... pois que já estou a torcer o nariz. Quem está a assumir o comando das tropas deve achar que está a preparar uma despedida de solteira com jantarada só para gajas. Em vez de fraldas e biberões ainda vamos ter a demonstração da mala vermelha, querem ver?!

Quem já esteve, participou, ajudou a organizar uma festa destas, por favor, informações: o que se costuma fazer, quem costuma participar/ser convidado, almoço, lanche ou jantar all night long (uuuhhhhhh caipirinhas)? Estou completamente fora destes assuntos.

Agradecida!

 

Haja paciência!!

Estar numa fila única para um balcão de atendimento ao público, a queimar precioso tempo da sua parca hora de almoço, e eis que a pessoa mesmo à nossa frente é conhecida da pessoa que está a atender e põe-se ali numa amena cavaqueira a pôr a conversa em dia, ah e tal, o seu filho o que faz, onde está... 

... até que alguém (eu) revira os olhos, olha impacientemente para o relógio e já se preparava para perguntar se aquilo era o balcão de um Banco ou de uma pastelaria.

Mas depois o karma, ah esse cabrão. Pois que afinal eu tinha de ser atendida pela mesma pessoa que me atendeu há duas semanas, mas de momento estava a almoçar. Ah que bom, a sério?! 

Entretanto chegou. E já estava ali com todas as vagaresas até eu dizer que hoje, ao contrário da última vez, não estava de férias, estava a queimar a minha hora de almoço e ao contrário de outras pessoas, não tinha almoçado e pelo andar do comboio era provável que não almoçasse. Fez-se luz. Lá encontrou o código do cartão, lá disse que o formulário com o pedido de reembolso das anuidades cobradas indevidamente tinha seguido e o reembolso devia estar para ser executado. Há duas semanas que aguardo que corrijam um erro, que como é óbvio, teve de ser reclamado para ser corrigido. 

Há dias que a paciência é uma cena que não me assiste. Hoje é um desses dias.

 

Já são dois...

Primeiro foi a máquina de café. Ao almoço funcionou perfeitamente, à noite nem pio. E isto em véspera de férias (em casa). Really? Andei a ressacar por falta de cafeína nos dias em que me afundei no sofá e me recusei a sair de casa (mesmo para tomar café... a trabalheira que dava tirar o pijama e vestir algo decente para ir à rua).

Por sorte a bichinha estava na garantia e lá foi ela. No dia em que nos emprestaram uma máquina de café, adivinhem? Nem mais. Recebemos mensagem para ir levantar a nossa. 

Ontem foi o aspirador. No dia anterior funcionou, aspirou, nenhum indício que fizesse antever uma anomalia. No dia seguinte, nem pio. Silêncio total por parte do bicho.

Agora vejam lá o que é uma casa com quatro gatos e eu sem aspirador?!! Pois... 

Por azar, a garantia já passou há muito. É ver se tem arranjo e compensa, ou ir, à pressa, comprar um novo. E qual escolher, dentro de um orçamento limitado nesta altura? E tinha de ser agora, que uma pessoa investiu em novo mobiliário? 

Será uma conspiração da casa a querer uma renovação total? Eu também queria, mas a conta bancária não permite.

Oh vida de pobre!!! 

 

 

Pavio curto

Ando de pavio curto. Não será novidade, dadas as voltas e mudanças da minha vida a partir de fevereiro e de como isso me afetou e me trouxe crises de ansiedade e stress ao mais alto nível. Mas pensava eu que estava a regressar à calma e ao meu equilíbrio, só que não. Ando sem paciência para merdices, reviro os olhos por tudo e por nada, às vezes dou por mim a refilar com os meus botões, hoje estava a atualizar o mapa de trabalho e aquela porra vai três vezes abaixo sem me guardar nada. Às páginas tantas solto uma daquelas asneiras feias... e um colega armou-se em púdico. Ai como eu adoro (not) aquela equipa de trabalho na qual fui despejada sem ser consultada se queria ou não queria. Quando preciso de ajuda, raramente recorro a esses colegas diretos, da mesma equipa. Oh cambada de hipócritas, tudo muito polido, armados em finos e importantes, cheios de ares superiores e entendidos em merda nenhuma. 

 

Já se acabou a isenção do IMI

Avaliacao.jpg

E depois de me sair um foda-se bem expressivo, ainda que pouco libertador, penso que se atualmente num T2 tenho de pagar aqueles valores, que valores teria de pagar se avançasse daqui a um ou dois anos para a compra de uma moradia. Safoda a moradia. 

Ah, mas uma moradia é mais... é mais, pois. Mais espaço para arrumar, limpar e acumular tralha, mais despesas e gastos, mais trabalho, mais impostos. Sonhamos com uma moradia com jardim, zona lounge com churrasqueira para umas belas churrascadas e tardes de puro deleite. Sim, a expetativa. A realidade é andar a cortar relva, limpar, arrumar, regar, varrer. 

Ainda me estou a tentar recuperar do susto que levei quando vi o valor do IMI para pagar. Mas que já serviu de um belo de balde de água fria aos sonhos/projetos para o futuro, já. E ando numa fase em que é notícia de merda atrás de notícia de merda. 

A sério, vai dar para respirar em breve, ou ainda vem aí mais merda?