Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Pandora Kahlo

Se há coisa em que sou muito comichosa é com pêlos. Odeio pêlos. Onde pude, já fiz laser e já me livrei da grande maioria. Mas as sobrancelhas são aquele calcanhar de Aquiles, não encontrei sítio que as faça a laser, o motivo é óbvio: segurança. Então resta-me a pinça, esse fabuloso instrumento de tortura chinesa.

Problema n.º 1: odeio pêlos, logo ando sempre de pinça na mão a tirar os sacaninhas que aparecem fora das sobrancelhas delineadas.

Problema n.º 2: volta e meia lá vou fazer as sobrancelhas à esteticista, para ficarem bem feitinhas, mas como ando sempre a arrancar pelitos que vão nascendo, a coisa controla-se até certo ponto.

Problema n.º 3: perco o controlo quando os pelos começam a aparecer desenfreadamente, que eu sou moçoila de sobrancelhas fartas, e já não consigo arrancar só um pelito ou outro. Não, eu armo-me de pinça em riste e vá de desbastar.

Problema n.º4: por norma, o meu frenético desbastar dá merda, ou para ser mais explícita, é normal acabar com as sobrancelhas diferentes. 

Solução: deixar crescer as sobrancelhas até ir novamente à esteticista acertar tudo bem direitinho.

Portanto agora ando aqui com uma espécie de sobrancelhas à Khalo, Frida Khalo. Adoro! (not really)

 

Era suposto?

No fim de semana deu-me para aplicar no rosto uma máscara de argila verde. Lá estive eu, verde, como se tivesse andado a chafurdar na lama, em pose. Depois de lavar bem lavadinho o rosto, a pele estava com um toque de seda. Uau, devia fazer isto com mais regularidade - pensei com os meus botões.

Mas eis que ontem vi pequenos vesúvios a romper na testa. Então mas a máscara não é suposto limpar a pele e evitar estas erupções vulcânicas na testa?

 

Mudança

Tinha marcado coloração na cabeleireira há duas semanas. A ideia era apenas pintar, na cor habitual. Não cortei, ainda, porque o corte que fiz em outubro ainda está ótimo. Quanto à cor, a cabeleireira desafiou-me a pintar num vermelho mais vivo. E eu alinhei. Porque não? Vamos lá mudar o visual. 

Portanto neste momento sou uma espécie de Jessica Rabbit: cabelo e anca como ela tenho, falta-me tudo o resto. 

Passei de um tom mais escuro, caju, assim para um vermelhão. E estou a adorar! Este ano dispenso usar gorro de pai natal. 

 

Alguém que use Yves Rocher?!

Sou fã de Yves Rocher. Tenho duas amigas e uma colega de trabalho que vendem, pelo que não me falta oferta para comprar. E lá ando eu sempre à espreita nos novos catálogos a ver promoções e novidades.

Já sou fiel a alguns produtos. 

25812.jpg

Eaux de Toilette Noz de Coco. Amo. É o meu cheiro de eleição. Só o troco no verão pelo perfume de Monöi, também da Yves Rocher. Já experimentei outros aromas, mas o de coco é o meu preferido e uso-o no dia a dia. A repor stock antes que acabe, porque não me imagino com outro perfume. 

 

86558_94.jpg

BB Cream 6 em 1.  É perfeito. Para mim, claro. Já experimentei outros, mas este é o que mais gostei e acabei por fidelizar. Já nem procuro outros, porque se me sinto muito bem com este, para quê mudar? 

 

14520_3.jpg

Com alguma frequência compro este creme. Não o uso ininterruptamente, mas vou alternando com outros cremes que (teimosa e curiosa) vou experimentando. Este tem a vantagem de poder ser usado de dia e de noite, o que o torna ótimo para as férias/viagens, quando uma pessoa tenta minimizar os produtos a levar na bagagem. Tem uma textura leve, absorve muito bem e deixa a pele suave, luminosa. Adoro! 

 

Depois, conforme o que vou precisando e consoante as promoções do catálogo do momento, volta e meia lá vou experimentando novos produtos. E eis que estou muito tentada a experimentar a gama para cabelos, aproveitando promoções, claro, mais especificamente os amaciadores para caracóis e para proteção de cor.

07703_70.jpg

 67421_70.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alguém que já tenha experimentado esta gama capilar da Yves Rocher? Opiniões, recomendações, experiências, partilhem comigo. 

Ainda não fiz a encomenda porque estou indecisa se também incluo os amaciadores ou não, se também  junto os champôs ou deixo para uma próxima. Ai, dúvidas, dúvidas. 

 

 

Pandora, a gordurosa!

Enquanto aguardava pela minha vez na consulta com a nutricionista, dava uma voltinha pela loja de produtos naturais. Trouxe uns rebuçados de propólis, sem açúcar, ótimos para o meu estado gripal, já que tem propriedades antibióticas e antiinflamatórias, entre outras (consultar Wikipédia), e depois dei de caras com umas latinhas de um creme à base de óleo de argão e manteiga de karité. Curiosa, perguntei à menina da loja quais eram as indicações de tal creme. 

Ah é muito bom para as peles secas, cieiro, pele gretada, então agora com o frio e as constipações... Nisto aponto para o meu nariz, com a pele seca, gretada, a estalar, qual pele crocante de leitão assado. E ela aproveita e dá o remate final: olhe, para isso é excelente, tem aí o tester.

Abro a latinha tester e vai de enfiar o dedo lá dentro e começar a besuntar o nariz. E diz ela: é só preciso um bocadinho, isso é muito.

Tarde demais. Já Pandora estava em modo bolo de bacalhau encharcado em óleo. Tenho para mim que se abrissem um ovo no meu nariz, ele estrelava. 

Adiante, lá fui massajando, espalhando, e acabei por ir à casa de banho tirar o excesso. Mas uma coisa é certa: assim que é absorvido pela pele, maravilha das maravilhas. Pela primeira vez nestes dias não senti a pele do nariz a repuxar, a arder, a estalar. Não. Estava suave e delicada, como o rabinho de um bebé.

Apesar da minha gafe de ir com muita sede à latinha, acabei a trazer uma para casa. E já sei: é só um bocadinho!

A pequena maravilha:

 

 

 

New red

Já tinha dito aqui que havia uma nova marca de coloração vegetal que eu queria experimentar. Este fim de semana chegou a oportunidade.

A cor que tinha ainda estava boa, as raízes não destoavam assim tanto, até porque para evitar isso escolho sempre coloração com base na minha cor natural. O problema é que os brancos nascem, e eu andava aqui com um ninho de pequeninos brancos bem na frente, a fazer de mim um projeto a Cruela De Vil. Pois que aproveitei a ida à consulta na nutricionista, e trouxe da loja a nova coloração para fazer.

IMG_20160902_221253.jpg

 Foi a minha primeira vez com esta marca. A textura é fenomenal. Muito cremosa, mas muito muito cremosa. Não escorre, pelo que apliquei muito bem, sem escorrer ou salpicar a parede ou o espelho ou o chão. Parecia que estava a aplicar máscara no cabelo. Tempo de atuação 20 minutos. As outras costuma ser mais tempo. O champô e condicionador que vem na embalagem (da mesma marca) são espetaculares, tanto que vou comprar com toda a certeza na próxima vez que voltar à loja. A cor ficou exatamente o que eu pretendia, zero brancos (adeus projeto Cruela De Vil) e o cabelo bem brilhante e sedoso. Só resta ver como se aguenta a cor ao longo das lavagens, mas para já, estou totalmente satisfeita e é, sem sombra de dúvidas, mais uma boa marca nas colorações vegetais.

Em comum com as outras marcas que já experimentei: não deixa a pele manchada, basta lavar normalmente com gel de banho que sai sem ficar manchas; não irrita couro cabeludo; deixa o cabelo muito hidratado e brilhante; a cor é muito natural e bonita; não mancha toalhas, vão a lavar normalmente e não ficam com nódoas. Só fica a testar a durabilidade, mas se for como as outras, aguenta muito bem a cor, pena são os brancos que me aparecem antes do que seria desejável.

Como em equipa vencedora não se mexe, eu cá vou continuar nas colorações vegetais porque, para mim, só tem vantagens. E agora com três marcas à disposição para escolher e ir alternando, conforme me apetecer, não tenho mesmo vontade nem curiosidade de andar a experimentar outro tipo de coloração.