Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Vou-me meter em alhadas

Hoje apetece-me dissertar sobre um fenómeno da moda (pois claro), a última coca-cola do deserto, a última bolacha do pacote, o milagre da eterna juventude... milénios de história e evolução da humanidade para agora a cura milagrosa de todas as maleitas estar (rufos de tambores)... no Paleolítico.

Dieta Paleo é moda, como tantas outras dietas tiveram o seu auge e estiveram na ribalta durante o seu tempo, assim como o Bailando já foi hit de verão e o Despacito um fenómeno de popularidade. Acredito que a dieta paleo estará para a alimentação atual como o Despacito para o verão 2017.

Adiante, não me compete discorrer exaustivamente sobre o assunto. Isto é tema que dá para uma tese de mestrado, doutoramento e especializações várias. 

Já ouvi falar deste tipo de alimentação há algum tempo e sim, confesso, ao início fiquei deslumbrada com tamanha lista de vantagens e saúde para dar e vender. Comentei com a minha nutricionista que me deu logo um safanão, explicou-me umas quantas coisas e lá se foi o deslumbramento pela anunciada 9ª maravilha do mundo.

Ainda assim, curiosa como sou, lá fui pesquisando e acompanhando o famoso grupo de Facebook, Paleo Descomplicado. E como em tudo neste mundo, há todo o tipo de seguidores. Dos mais descomplicados, aos mais radicais, dos mais sensatos aos mais extremistas. 

Se sigo a dieta paleo? Não.

Se tiro ideias? Muitas.

Se é para perder 10 kg em 3 meses? Não. É porque, não tendo eu qualquer intolerância alimentar, tenho baixa tolerância a uma série de alimentos, pelo que sou obrigada a variar bastante a alimentação, tendo cuidados especiais no consumo de determinadas proteínas (glúten), hidratos (lactose) e gorduras. Desde tenra idade que devido aos problemas do meu aparelho digestivo que a minha alimentação é muito à base de carnes magras e peixes, muitos legumes, tudo grelhado ou cozido. Maioritariamente. Se me perco por batatas fritas? Sim. Se as como? Oh sim. E um esparguete à bolonhesa?? Maravilha. E um risotto? Venha ele. Sei é que se abuso, sofro consequências. 

Porque me lembrei de abordar este tema, pondo-me a jeito para ser queimada qual bruxa herege?

Ontem, estava eu em amena cavaqueira com uma amiga, tão doida quanto eu, a comentarmos os extremismos de hoje em dia, as opiniões inflamatórias que são rastilho de pólvora seca, presenteando cada dia com uma nova polémica. Começámos pelo tema da amamentação, sobre o qual ela escreveu recentemente, e como concordamos no ponto em que o problema está nos extremistas radicais, fomos alargando a lista de temas polémicos onde o extremismo é flagrante. Das bimbólicas às musas do fit, das magras às gordas (sendo que nem sempre as fronteiras de tais conceitos estão assim tão definidas e claras), das Capazes às Maries Kondos desta vida, o que não falta são grupos temáticos com potencial para alimentar e fazer crescer estes monstrinhos radicais, com opiniões extremistas sobre qualquer merda que acham a verdade universal, tão importante como a descoberta do fogo, a invenção da roda e a cura para o cancro.

E eis que aqui a Pandora se lembra da alimentação paleo, de como acha absurdamente ridículo que no tal grupo apareçam os deslumbrados principiantes com dúvidas e questões, e partilhem as fotografias das suas primeiras compras paleo e perguntem, qual crianças de três anos, se podem ou não podem. E o que me vou rindo com certas incongruências, disparates e coisas que tais.

Então vejamos: dieta do paleolítico como o próprio nome indica, é uma dieta inspirada na era do paleolítico, onde a agricultura ainda nem existia. Os homens das cavernas comiam o que caçavam e colhiam. Os alicerces desta dieta estão, então, no consumo de proteína e gordura animal (proveniente da caça) e de frutos e vegetais que colhiam. 

Leite de vaca não pode. Mas pode leite de coco, ou de amêndoa, ou de... e eu a imaginar os australopitecos a ordenhar cocos à porta da caverna.

Amendoim não pode, porque é raíz. Mas manteiga de amendoim às colheradas pode. Imagino as australopitecas com as bimbys paleolíticas a transformar as raízes em manteiga.

Farinha de trigo não pode. Um cereal com milhares de anos não pode. Ah porque a farinha de trigo é processada e tem glúten, e os paleo não comem comidas processadas... ah mas espera, e farinha de coco ou de amêndoa ou de milho, já pode?? Não passou também por um processo de transformação do alimento do seu estado original para o estado em forma de farinha? Não tem glúten. Pronto. Os paleo são todos celíacos. Paz à sua alma.

Café também pode. A sério??? É que o café data do séc. IX (d.C.).

Então e arroz?? Ahhhh arroz não pode. Ah mas espera, o arroz já existe há milénios. No 3º milénio a.C. houve uma expansão do cultivo do arroz, sendo que bem antes disso havia arroz selvagem, que os homens primitivos colhiam para alimentação.

E batata? Ahhhhhhhhhhhh batata não pode. Mas pode batata doce. É a puta da lógica da batata. Estou a ver os australopitecos na época da sementeira da batata... doce. 

received_1919330381429829.jpeg

Ah esperem, nesta altura já era o homo erectus e começava a revolução agrícola (ou seria a industrial, dos alimentos processados??). Paleo que é paleo só come o que caça e colhe nas prateleiras das mercearias de bairro e mercados biológicos.

 

Ah, como são belas as mentes radicais extremistas. Qualquer dia é ver um terrorista da dieta paleo a lançar farinha de trigo pelos ventiladores de um centro comercial, e contaminar os infiéis da fast food com glúten. Ou terroristas da amamentação a lançar biberões à multidão que vai aos saldos da Zara. Ou as bimbólicas a fazerem greve de fome à porta da Worten e do Continente.

 

Nota mental: quem não souber ler este texto com a ironia que lhe está subjacente, e não interpretar como paródia, há ali em cima, canto superior direito, um botãozinho com X. É clicar, sim?! Agradecida. 

 

 

Cenas que me apoquentam os neurónios por breves centésimos de segundos

Confesso que já andava para largar estas postas de pescada há vários dias. Faço-o hoje, inspirada pelo magnífico texto da MJ

Quando vegeto pelo Instagram apoquenta-me as vistinhas as 337 fotografias, todas no mesmo ângulo, só muda a cor da cueca do biquíni (quando não tiver nada de interessante para fazer, vou contar quantas cores diferentes de cueca já foram publicadas): pessoa estendida na toalha de praia, fotografa-se para mostrar ao mundo a sua barriga lisa. Parabéns. O ginásio está a fazer efeito, e eu sou a baleia gorda que olha para aquilo e pensa: foda-se, nesse ângulo até eu tenho barriga lisa (e côncava). É esticar-me bem esticadinha, encolher a barriga, suster a respiração, fazer 34 clicks, escolher a melhor foto, aplicar o filtro perfeito e mostrar ao mundo pela 338ª vez a minha fantástica barriga. Mas apreciava ver uma foto da moça sentada, só naquela curiosidade mórbida de ver se a barriguinha continua tão côncava. 

Quando vegeto pelo facebook e me aparecem selfies estrategicamente tiradas como se fosse uma fotografia que outrem tirou, apanhando pessoa desprevenida, em pose filosoficamente instrospetiva, com uma citação (pouco) profunda a servir de legenda. Qual Gustavo Santos, qual Pedro Chagas Freitas... 

As vidas perfeitas que são eternizadas numa publicação na rede social, que coleciona likes e alimenta o ego dos desesperados, ai perdoem-me, das pessoas felizes com sábias partilhas de mantras de vida.

E com este meu mau feitio eu só podia ser fã da conta de Instagram de Celeste Barber. O que me divirto com as suas paródias às publicações de gente famosa nas redes sociais. #TeamCeleste!!!! 

 

 

Digo eu, que não percebo nada de moda!

Isto é tendência? A sério?!

A bem dizer, já vi ao vivo e a cores uns quantos exemplares assim, com a rede de pesca por cima do umbigo, bem visível acima da cintura das calças. A bem dizer quase que tive um torcicolo quando me cruzei com uma destas fashionistas a primeira vez. 

Uma meia de rede a ver-se entre a sapatilha e as calças, acho engraçado. A ver-se pelos rasgões das calças, sim, até tem o seu estilo grunge. Agora a rede a trepar ali barriga acima, eh pá, é só ridículo.

 

E depois as mulheres é que são maluquinhas

Ontem, aproveitando a ida a consulta na nutricionista, e já que estava no centro comercial, rumei à Springfield para ir experimentar umas calças chino de algodão que tinha visto no site. Fui aos provadores com um tamanho 36 e um tamanho 38. O 36 não passou dos joelhos. O 38 consegui vestir, mas mexer-me ia ser tarefa digna de Hércules. Desisti. Passei à H&M para também ir ver umas calças chino de algodão que também tinha visto no site. Lá fui eu com um 36 e um 38 para os provadores. Comecei pelo 38. Cabiam quase duas lá dentro. Ok, vesti o 36. Também largo. Rejubilei por momentos, porque na H&M sou magra. Não trouxe os chinos porque eram de cintura subida e eu não gosto nada de me ver com calças que me tapam o umbigo e quase servem de amparo às margaridas. 

Moral da história: na Springfield eu sou plus size. Na H&M sou magra. Não me arrisco a ir à Bershka sob pena de me sentir uma baleia com obesidade mórbida. 

 

Dúvidas que me assolam a mente por alguns segundos

Blá blá blá alimentação saudável. Hashtags como #foodlover, #eatclean ou #healthyfood pululam por essas redes sociais afora. É a euforia. 

Alimentação saudável tenho eu desde que me lembro ser gaiata e passar a vida em hospitais por causa do refluxo gastroesofágico e das crises de fígado e vesícula. Comer muita fruta e legumes, carnes magras e peixe, grelhados e cozidos, pouca gordura, tem sido a minha sina desde tenra idade. Mas pronto, vale-me a febre do momento para procurar receitas diferentes e saudáveis para poder variar a alimentação. Só que ou muito me engano ou a malta do #eatcleanandhealthy só come ao pequeno almoço e nos lanches pré treino e pós treino. Almoços e jantares, hã?? O que é esta gente mega saudável come? Só encontro muitas dicas e ideias de panquecas, papas de aveia, snacks low carb e free sugar.

Agora almoço e jantar, comidinha do bem no prato, isso é raro encontrar. Eu sei que o pequeno almoço é a refeição mais importante do dia, mas não é a ÚNICA, certo? Até porque já toda a gente percebeu que passar fome e fazer longos períodos de jejum não faz bem nem emagrece.