Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

27
Abr16

As alhadas em que me meto

Esta semana o grupo de escrita criativa deu-me, a mim, a tarefa de definir um tema. E eu, primeiro ai ai e agora, isto é tão difícil e tal, pumba, proponho este: as palavras que guardo... e nunca te direi!

Se ainda eu fosse fã de Nicholas Sparks, que não sou, justificava-se a inspiração de tal tema. 

Agora, Pandora, aguenta lá com a tua ideia de génio e escreve as palavras que guardas. Quase que apetece apresentar uma folha em branco... afinal são as palavras que guardo e nunca direi. Literalmente.

Vou ali inspirar os dedos a ver se escrevem palavras de jeito. Dignas de serem ditas.

 

27
Abr16

A saga dos jantares vegetarianos

Esta semana Gandhe tem de fazer 5 jantares só à base de legumes. Nada de proteína nem hidratos.

Porquê este castigo?

Ora bem, ele durante anos praticou desporto, era jogador federado e aquilo era treinos todos os dias e jogos ao fim de semana. Por vicissitudes da vida adulta e profissional, quando foi trabalhar para o turno da noite, foi-se o desporto. Algumas tentativas de ginásio, mas que saíam sempre furadas, porque ele gosta pouco de ginásios. Gosta mesmo é de desportos de equipa. Ainda se meteu a fazer BTT com colegas do trabalho, mas os horários incompatíveis fizeram-no abandonar esse hobbie.

Resultado: engordou e não foi pouco.

Lá se foi convertendo a uma alimentação mais saudável, a acompanhar-me em refeições com legumes, saladas, mais peixe e carnes brancas, habituou-se à sopa. O problema era a quantidade de comida ingerida e os snacks entre refeições.

Há quase dois anos decidiu voltar ao ginásio. E depressa começou a desmotivar, porque a ideia que bastava lá ir fazer uns treinos e emagrecia estava errada. Lá o convenci a ir à nutricionista que me acompanha, e ela, de acordo com os horários dele, com as rotinas e os dias de ginásio, estabeleceu-lhe planos de refeições completos, com horários definidos. Os resultados não tardaram a aparecer, e ele até ganhou novo animo para o ginásio.

Entretanto teve um problema muscular, depois mudou de horário, e ficou difícil encaixar o ginásio na nova rotina. Novos planos alimentares, novos horários de refeições, mas faltava o exercício físico. Eu dava-lhe na cabeça porque andava a pagar e não ia ao ginásio, ao menos tomar banho, que poupava água em casa. A nutricionista a dar-lhe na cabeça porque o corpo dele reage muito bem ao exercício físico, e se queria recuperar os resultados de outrora, teria de voltar aos treinos. E voltou. Há dois meses que regressou ao ginásio e tem andado atinadinho.

Esta semana, por motivos profissionais, não pode ir ao ginásio, e como ainda não recuperou peso e as medidas, esta semana a nutricionista prescreveu-lhe este plano com jantares só de vegetais, para que não houvesse retrocessos.

E assim me vejo na aventura de andar a criar refeições vegetarianas. Com algum gozo, confesso, principalmente porque o desgraçado come mas falta o que ele gosta. 

Ontem fiz abóbora assada no forno com batata doce, acompanhei com espinafres salteados. E o homem suspirou por uns lombos de salmão grelhados que ficavam ali tão bem.

 

27
Abr16

Os anéis de Pandora

Pronto, sou menina de brincos e anéis. Gosto. Adoro. Brincos tenho muitos, anéis já fui de ter mais, até porque comprava bijuteria. Só que nem sempre encontrava tamanho para os meus dedos, raros eram os que não me deixavam os dedos verdes ou azulados, os que iam manchando e ficando feios. Então, se em brincos, não olho tanto à qualidade, aos anéis passei a preferir comprar prata ou aço. Ter menos, mas melhores.

Há dias falei aqui num anel que me tinha encantado. Pois que quando fui levantar a aliança, já arranjada, estava em cima da hora para ir ao cinema, e foi fácil desviar o olhar do anel que teima em me seduzir, como canto de sereia.

Quando ando assim meia a cismar com uma coisa, que implica ser uma compra supérflua, começo por ver, dentro do género, o que tenho, pensar se realmente "preciso" assim tanto de mais um. Aproveitei e tirei uma foto, que venho aqui partilhar, à falta de assunto melhor.

P1010030.JPG

Não são muitos. Sou menina modesta. Mas a verdade é que, apesar de ter a tara dos anéis, não os uso em todos os dedos. Na mão direita a aliança, na mão esquerda um anel. Só. 

Gosto de rendilhados e filigrana. As borboletas daquele anel em espiral têm as asinhas em filigrana, assim como as flores do que está ao lado. O do canto superior esquerdo é um anel de prata a replicar os antigos anéis de noivado, o do lado direito é um anel rendilhado que comprei há uns anitos na Magnólia.

Na fila de baixo, o das pedrinhas não é prata, é aço. E ao lado, com um efeito diferente, o meu primeiro anel de prata, comprado por mim, já há muitos anos. 

De ouro não tenho grande coisa, porque não gosto de usar ouro. Tenho um anel de ouro também com rendilhados, mas está guardado, não costumo usar. O anel de curso, está guardado numa caixa.

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D