Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

01
Jul21

A coragem (ou loucura) de ser diferente

ovelha_negra.jpg

Nos últimos meses vi-me num papel onde nunca me tinha imaginado. Tive de assumir o lugar do meu pai na questão das partilhas da herança indivisa após a morte do meu avô. O meu pai deixou tudo preparado e assinado. Tinha contratado uma nova advogada para tratar do assunto, já que o advogado do meu avô assobiou para o lado e fez-se de esquecido. O meu pai andava muito ansioso e inquieto para resolver as coisas com o irmão. E morreu antes de sequer conseguir que o irmão se pronunciasse sobre o assunto.

Eu consegui sentar-me com o meu tio. E conversámos muito. E partilhámos muitas histórias. E ficámos a saber de coisas que não sabíamos. E emocionámo-nos muito. E ouvi o meu tio falar de arrependimento, daquele arrependimento de quem viveu muitos anos nas suas crenças sem se aperceber que a verdade nunca é absoluta, que há diferentes perspetivas, que há nuances da história que ficam entrelinhas ou deliberadamente escondidas. Aquele arrependimento de quem percebe que houve tanta manipulação das verdades, que houve afastamentos que foram provocados e alimentados, que houve intrigas e mal entendidos que teriam sido completamente evitados se tivesse havido espaço para diálogo.

Eu disse ao meu tio que estávamos a conseguir fazer algo que nesta família nunca tinha sido feito: conversar. Encontrar um entendimento. Encontrar paz.

O meu tio emocionou-se quando percebeu e viu documentadas as vontades férreas do pai dele, de como ele jogou com a vida dos filhos como quis e lhe apeteceu. O meu tio emocionou-se quando percebeu que os últimos meses de vida do irmão, o meu pai, foram dedicados a procurar compensar o irmão pela desigualdade provocada pelo pai deles. E vi o reconhecimento no seu rosto quando lhe disse que eu pretendia manter o que era vontade do meu pai, porque concordava com ele, porque era o que podia ser feito para tentar equilibrar o fosso criado pelo próprio pai entre os irmãos. E tudo corria bem com o meu tio até ele perceber que, sendo casado, a esposa teria de ir assinar documentação, escrituras. E começaram os problemas em casa dele.

Entretanto deixou de atender o telefone à advogada. E a mim.

Eu não quero problemas, ou tão pouco arranjar problemas em casa dele, no seio da família dele. Mas vejo-me com assuntos para tratar onde ele tem de ser chamado à sua responsabilidade, como herdeiro do meu avô, atualmente "cabeça de casal" da herança, já que é o único descendente direto vivo. Esbarro no silêncio, na fuga, sempre o caminho mais fácil, o fechar a porta e fingir que não ouve a campainha.

Nesta família sempre me senti diferente. Uma espécie de ovelha negra, constantemente criticada e apontada pelas diferenças que tinha e me afastavam do clã e das suas características e dinâmicas. E agora sou eu, a ovelha negra, que, em prantos, enterra e honra os que já partiram, que se vê a braços com tomadas de decisão que não deveriam ser apenas e só minhas.

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D