Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

09
Jan18

Agora a sério, das resoluções de ano novo

Não sou gaja de listas de resoluções de ano novo. Do vou comer melhor, fazer mais exercício físico, meditar, aprender yoga e a dança dos pauliteiros (é só pra homens?!), ler 365 livros, cozinhar 738 receitas novas e abraçar o vegetarianismo, poupar mais, ser mais saudável, mais isto e aquilo e aqueloutro. Não sou. Lá porque muda o ano, não, a vida não muda milagrosamente, nem nós. O processo de mudança é bem mais complexo que o virar do ponteiro do relógio à meia noite do dia 31 de dezembro.

No entanto, e dado que o ano de 2017 foi, na sua generalidade, do início ao fim, um ano de merda que me derrubou, sim, eu aproveitei, qual naufrago em desespero, o estado de espírito da época, este renovar de esperanças, sonhos, objetivos, planos para os próximos doze meses do calendário. Sim, fiz a minha lista. Escrevi-a para mim. Para materializar e mentalizar os meus desejos de naufrago à deriva numa vida que anda um caos. Porque o meu grande desejo, não de ano novo, mas do momento presente da minha vida é este grito do Ipiranga

Ainda hoje admiti a uma amiga que não me reconheço ao espelho, que não vejo um sorriso, um brilho, aquele sentido de humor, uma certa leveza e serenidade. Que ando tão cáustica e explosiva que já nem a mim me aguento. E o meu esforço está em reverter isso. Venha o Desfoda-se!!!!

A minha lista de ano novo, guardada na minha caixa de Pandora, é um pouco este tentar encontrar de volta o trilho da minha vida sem estar subjugada e dominada por tamanho stress. Então fui escrevendo itens, como quem procura pistas e migalhas para voltar ao caminho certo.

O mais curioso é que um dos primeiros itens que escrevi foi o de sair a horas do trabalho (vá, meia hora de tolerância). Descarrilei logo no primeiro dia. Soaram todos os alertas. Não pode ser, não pode ser, e não pode ser. E o universo encarregou-se de me fazer chegar lembretes.

26239326_1969071316441917_3177405514759063433_n.jp

Esta imagem tem surgido no meu mural de facebook todos os dias. E eu, numa onda toda mística, encaro como um sinal, um lembrete para não me fazer desviar do que tracei para atingir a minha meta. 

Sim, tenho cumprido. E sem sentimentos de culpa. Consciência tranquila. E as noites começam a ser melhor dormidas, sem o constante sobressalto do muito que está sob a minha alçada, sem as crises de ansiedade e stress, pontilhadas com esporádicos ataques de pânico. 

É cedo para cantar vitória por objetivo cumprido. Baby steps. Um dia de cada vez, uma pequena conquista de cada vez. E passo a passo hei-de retornar ao que era, ao meu equílibrio, à minha harmonia, à minha calma e serenidade, ao meu sorriso e boa disposição. Tive de começar por algum lado e escolhi começar por aqui: recuperar a minha vida!

 

10 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D