Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

18
Nov19

Casados à primeira vista (ou como as versões portuguesas estragam sempre o fundamento original de determinados programas de sucesso mundial)

Tenho por começar a dizer que já conheço o programa versão australiana bem antes de ter havido a primeira edição em Portugal.

Um dia, a fazer zapping na hora de almoço, parei na SIC Mulher e fiquei meia abismada a olhar para aquilo que me parecia, e se confirmou, ser um programa onde estranhos se conheciam no altar. Lembro-me de ter ficado tão aparvalhada, a pensar "que raio haviam de inventar para programa" que fiquei a ver, como quem esfrega os olhos para ter a certeza que está a ver bem. Resultado? Primeiro estranhei e depois entranhou. Fiquei viciada no programa e segui umas três temporadas seguidas, a última não consegui ver com regularidade, mas fui acompanhando. 

Depois veio o português. E pensei: lá vêm estes estragar tudo. 

Bastou ver o primeiro programa para achar que, efetivamente, o português comparado com o australiano era uma "palhaçada". Pouco vi da 1ª temporada, sendo que o que vi era inevitavelmente o que ia sendo partilhado e comentado nas redes sociais e deu para perceber o fiasco que aquilo foi. Nunca achei que fossem repetir.

Mas eis a segunda temporada e eu estou a acompanhar. Porquê? Ora, porque decidi ver o primeiro episódio só naquela curiosidade de ver os casais e vejo as manas de Aveiro. Atenção, não as conheço, nem me lembro de me ter cruzado com elas. Já falei com quem as conhece e confirmam que são o que mostram na TV, portanto, antipática ou mal educada, brincalhona e boa onda, cada irmã é o que é na TV e na vida do dia a dia.

Continuo a preferir o programa australiano. Parece-me bem mais genuíno. Até os especialistas, o que dizem, como explicam as coisas, o trabalho que desenvolvem com os casais, vê-se ali uma experiência social, mais que um programa de entretenimento ao estilo reality show. Já o português acho que é o oposto: está mais para reality show do que para experiência social. Aliás, só isso pode explicar como é que certas e determinadas pessoas decidem ir para um programa destes com a atitude com que vão. 

Algumas pessoas acham que é noivos/noivas por encomenda: tem de ser assim, e assado, pesar x kgs, ter y idade... foda-se! 

Depois se vão para uma experiência social que dura umas quantas semanas, mas têm filhos para tomar conta, então para que vão se não podem "estar" no programa quando as câmaras se desligam? Isso não acontece no australiano: os casais estão juntos durante 8 semanas. Não há cá fins de semana separados, ou ir dormir a casa porque os filhos já não estão com o pai, ou porque não é suportável partilhar o mesmo teto com o marido (o que tem solução, é sair e acabou, não é sair com entrelinhas de ficar, então e a parte do insuportável? Ah espera, é só na parte das filmagens que o suporta?! Lá está a subversão total do que é suposto ser a essência do programa enquanto experiência social). 

Já para não falar que, se o objetivo primordial da experiência é encontrar o amor, e passar por todo um processo de auto-conhecimento (fundamental) que implicará sair da sua zona de conforto e dos seus padrões, que pelos vistos têm falhado (já que ao candidatarem-se a um programa destes assumem que sozinhos não conseguem encontrar um amor compatível), confiando nos ditos especialistas, então vão para o programa com relações mal resolvidas e ainda a pensar no ex, ou na morte da bezerra? Ou nos traumas da infância, vidas sofridas (cada um terá a sua, mas hello, supera! Também é para isso que estão lá quatro profissionais especialistas em relações, comportamento e comunicação. Boa pergunta a do outro, "o que tem a história do pai com o eu não fazer a cama ou não saber dobrar a roupa?").

Não quero comentar detalhes, episódios ou participantes em particular, ainda que já tenha deixado aqui umas pinceladas que para quem vê facilmente identifica. Deixo apenas uma visão geral do programa: aquilo que poderia ser uma interessante experiência social transmitida pela TV, e onde todos teríamos muito a aprender, é na verdade um circo de vaidades, um desfile de egos, uma tragicomédia à boa moda tuga. Querem chorar os dramas, é na Fátima Lopes. Querem aparecer na TV? Há uma vasta panóplia de reality shows que servem apenas e só para isso. Aliás, quanto mais polémicas causarem, mais famosos ficam.

E pronto, continuo a preferir a versão australiana, ao menos lá dá para aprender alguma coisa disto das relações, das emoções, da partilha, cedência, compreensão, respeito e, o que parece ser o problema fulcral e universal, comunicação (ou falta dela).

No português continuam a insistir na subversão dos objetivos que fundamentam este programa. Se é um erro de casting? Se são os participantes que, depois de conseguirem passar nos testes e entrarem, mostram outra cara? Por muito mal educada e arrogante e prepotente e teimosa que nem uma mula, pelo menos ninguém pode dizer que a mana bruxa de Aveiro foi falsa ou incoerente... desde o primeiro minuto que foi igual a si própria e, não me admira nada que tenha ficado duas semanas porque a isso foi obrigada. Não há possibilidade de no altar dizer que não aceita? Olhem que isso também deve dar audiências... e não deixa de ser vida real. Se calhar mais real que estas produções fictícias que nos vendem como uma experiência social. Bah

 

 

6 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D