Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

17
Dez19

Este ano que acabe, por favor!

Eu sei. Eu sei que não é por virar o ano que a vida muda num passe de mágica, que os problemas desaparecem e os sonhos se realizam com um toque de varinha mágica de uma qualquer fada madrinha.

Eu sei que não é por avançar um dígito no ano que tudo fica trancado no ano que termina. Mas deixem-me ter essa ilusão. Assim como assim, a palavra que mais marcou este ano foi morte, logo efetivamente fica trancado neste ano do demo. Deixem-me ter a esperança que 2020 trará 366 dias em branco, 366 dias de oportunidades de ser melhor, de me sentir melhor, de curar tantas feridas e mágoas.

É a palavra que quero para 2020: CURA

É o que mais preciso, daqui para a frente. Curar-me. Ficar mais forte. Mais resistente. Cauterizar de uma vez por todas feridas que, quando julgo cicatrizadas, se abrem e rasgam-me, lançando-me numa dor atroz. E não sei se a dor que sinto é pelo que aconteceu, se por me sentir culpada por permitir, por não ter sabido proteger-me.

"és só humana. de carne e osso." - disse uma amiga.

Sou é estúpida. Burra. Por ter acreditado que agora não haveria impedimentos para recuperar algo que, queria eu tanto acreditar que existia, podia existir daqui para a frente. Disse baixinho a mim mesma para não criar expetativas. E julgava que não as tinha, ou eram baixinhas. Não me surpreendeu o não que ouvi. Era o mais provável. Era o expectável. E entendo. Aceito que assim seja. Compreendo que do outro lado a escolha foi pelo que lhe é mais confortável. No entanto não deixa de ser, para mim, uma rejeição. Não consigo não sentir que simplesmente eu não valho qualquer tipo de esforço. 

E tenho sentido isto nos últimos tempos. Que não valho o esforço dos outros. Não valho o esforço do companheiro numa série de merdinhas que têm desgastado e esgotado a relação, não valho o esforço de amigos que têm sempre outras pessoas com quem preferem estar, outros sítios para ir, que estão sempre sem tempo, demasiado ocupados nas suas vidas e não há tempo para mim, mas há para outros. Não valho o esforço de uma família que me deixou órfã. E nada vale eu abrir a porta da minha vida, convidar a entrar e dar evidentes sinais que desejo a sua presença no meu futuro quando ouço um: não, tenho mais perto. Sim, porque eu estou em Plutão e é demasiado grande o esforço para entrar nesta porta que abri, enterrando mágoas antigas, olhando para um futuro que podia ser diferente. Só que não, não valho o esforço.

Hoje, hoje... se eu morresse, quem ia sentir a minha falta? 

Hoje sangro de feridas antigas, cujas cicatrizes se rasgaram num duro golpe. Estou frágil. Debilitada. Só quero desaparecer num buraco qualquer e lá ficar até não haver mais lágrimas de sangue. Ficar ali até virar pedra, dura, fria, impertubável. 

 

6 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D