Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

22
Out14

Estórias dignas do divã de Freud

Quando se nasce e cresce no seio de uma família disfuncional, anormal e com tantas complicações, intrigas, hipocrisias, ódios, o objectivo, quase sonho de vida, é vermo-nos livres e longe daquela insanidade, sob pena de ficarmos tão ou mais afetados como aquela gente e perpetuar o ciclo familiar doentio. Foi assim que cresci. Foi assim que aguentei muita coisa. Foi com este objetivo em mente que me mantive à tona, agarrada a uma tábua de salvação imaginária, que tantas vezes era tão frágil, tão ténue, tão pouco para aguentar tanto, que por pouco, muito pouco não sucumbi e me deixei afundar. Literalmente.

Há um alívio enorme quando nos sentimos livres. Qual pássaro que viveu aprisionado e tem a liberdade para respirar e voar. Mas há outro preço a pagar. E eu acredito que tinha noção desse preço. E continuo disposta a pagá-lo. É um permanente vazio e solidão que se sente. Há uma parte importante que falta. Verdade que nunca lá esteve, mas o que resta é um enorme buraco negro, vazio, frio, que nada nem ninguém pode preencher. E quando me perguntam porque nunca falo da minha família, eu respondo que sofro de uma espécie de orfandade de pais vivos.

Revi familiares neste casamento de um primo afastado. Temi sentir os olhares reprovadores, mas não. Pelo contrário. Senti que, finalmente, quase que por milagre, tios e primos têm noção de quem é o vilão e a vítima. E quando me perguntavam pela minha mãe e eu respondia apenas e só: não sei, há um ano que não nos vemos nem falamos - as pessoas, que por acaso também estão de relações cortadas com ela, passavam-me a mão no rosto, com um olhar que só agora, já eu adulta, independente e livre, me dão como conforto. "Deixa lá, estás bem agora!"

Pois estou. 

Mas custa esta solidão de não ter aquela porta onde bater, aquele, aquele calor afetivo; há um vazio que ninguém pode preencher, porque pai e mãe ninguém substitui. 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pandora

    22.10.14

    Falaste numa coisa importante: a culpa. É terrível ainda permitir sentir-me culpada. Mas culpa de quê? De ter ligado uma vez, terem-me falado mal desligado o telefone na cara e eu não ligar mais? A mim também não me telefonou, nem pelo aniversário. Deve ter-se esquecido que me pariu. E eu ainda sinto culpa, como se o monstro fosse eu? Há dias que isto me inunda. Sufoca-me. E por norma calo, guardo cá dentro, como esqueletos no armário. Mas tem de sair. Tenho de expiar esta minha suposta culpa. Tenho de pôr para fora para poder analisar com outros olhos, com outra distância. 
    Obrigada!
    Beijinhos
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

    Pela estória de:

    Arquivo

      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D