Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

24
Fev20

Pergunto-me se efetivamente estamos no séc. XXI...

21695981_HEF4A.jpegLi, há pouco, uma publicação de uma conhecida no Facebook. Toda indignada por a lei da eutanásia ter sido aprovada (aliás, ainda nem é a aprovação da lei, mas a aprovação para se criar essa dita lei). Escrevia ela que "matar gente é muitooooo mais fácil e menos dispendioso que tratar gente como merece ser tratada!"... e ainda protelava que esta aprovação é um "fabrico da morte".

E eu estive vai não vai para comentar e decidi não o fazer. Não vou alimentar a indignação desta gente que é do contra porque sim. Têm cursos superiores só para serem tratadas por doutoras, pois usarem a massa cinzenta tá quieto. 

Olhem para os EUA. Eu sei que não são lá muito exemplares numa série de coisas, mas na saúde o paciente é dono e senhor do seu corpo e saúde. É o paciente que decide e autoriza exames, tratamentos, intervenções cirúrgicas. É o paciente que decide se quer ser reanimado ou não. Quando o paciente é menor ou comprovadamente não está nas suas plenas capacidades cognitivas e de discernimento, então os familiares diretos decidem. Nunca é o médico que decide sozinho. 

A realidade em Portugal é diferente. O médico tudo decide. Poucas vezes dá as opções ao paciente e fá-lo escolher. Normalmente fazem os exames que querem ou acham necessários, enveredam por um diagnóstico como se fosse uma verdade absoluta e inquestionável e cujo tratamento fosse apenas um e só um. Se não resultar, logo se vê. 

A eutanásia não é uma aspirina ou um Ben-u-ron que vai ser prescrito para qualquer febre ou azia. A eutanásia É UMA ESCOLHA DA PESSOA EM ESTADO TERMINAL, NUM SOFRIMENTO ATROZ, EM QUE VIVER É PIOR QUE A MORTE. A pessoa tem o magnânimo poder de decidir sobre a sua própria vida. Será que custa entenderem esta merda? 

Ah e tal fábrica de morte... matar gente é muitoooooo mais fácil... a sério? O médico só aplica a eutanásia se o paciente assim o quiser. E não é obrigado a aceitar a decisão do paciente e pô-la em prática. Assim como acontece muitas vezes com certas cirurgias (a título de exemplo), que não se sentindo seguros de a realizar, passam o caso para outro colega que esteja apto ou seja mais indicado.

Já quando foi a despenalização do aborto havia os indignados que defendiam o "Não", como se o aborto passasse a ser um método contracetivo. Algo do género: não me apetece tomar a pílula ou usar látex, se engravidar marco um aborto, a seguir à manicure. Cruzes canhoto ir abortar sem ter as unhas arranjadas.

Que pariu...

Batem no peito pela liberdade e igualdade e vai-se a ver são todos uns retrógados acéfalos, que acham que a pessoa ter a liberdade de poder decidir sobre a sua própria vida, condenada a um sofrimento atroz e sem esperança de recuperação, é uma fábrica de morte e é andar a matar a torto e a direito (que é mais fácil). 

Votou-se num direito, pessoas indignadas! Um direito individual, cuja decisão apenas pertence ao próprio indivíduo. Votou-se numa lei que contextualiza e legitima as circunstâncias em que esse direito é para se fazer valer por quem TEM ESSE DIREITO. Não está a ser desenvolvido um projeto de fábricas de morte, porque é muitooooooo mais fácil matar que tratar. Não se vai parar com a vacinação porque é mais fácil e barato avançar logo com a eutanásia e cortar o mal pela raíz. Ou então é começar desde logo a prescrever o aborto, que assim garantidamente não há riscos no futuro.

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D