Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

grandes-autores-billboard
11
Mar19

Também vou mandar bitaites sobre o assunto do momento

Não vi nenhuma dos programas, nem o do agricultor que procura com quem casar (a julgar pelos saltos de fazer inveja à Torre Eiffel, quero crer que é equipamento para abrir os buraquinhos na terra para plantar as couves), nem os das mãezinhas que entrevistam as potenciais empregadas dos (inúteis) filhos que criaram. 

E não assisti porque bastou ver os spots publicitários, as imagens de revelavam o que ia ser cada um dos programas, toda a entusiástica publicidade às estreias inéditas, para eu só pensar isto, e tão somente isto:

A minha alma está parva e o meu espírito paralítico. 

Hoje foi o assunto do dia, já li de tudo um pouco nas redes sociais e blogs, e do que li, nenhuma opinião era favorável. Nada tenho de novo a acrescentar ao muito que já foi escrito. Subscrevo a grande maioria das opiniões que li.

Quem concorre a estas merdas é porque quer? Certo... Ninguém os obriga. É o chamado "dar o cuzinho por 5 minutos de (pseudo) fama". 

Questiono-me é quão baixo nível e quão mais profundo vai ser o degredo da programação das televisões nacionais em busca de audiências????

Abençoado AXN, FOX, FOX LIFE, and so on... abençoados livros que há para ler. Ou vá, menos televisão e mais prática do amor, que sinceramente, mais vale ir mandar uma boa queca, do que desperdiçar tempo de vida a ver verdadeira merda televisiva. 

 

28
Nov18

Casados à primeira vista

Só tenho uma pergunta. Só uma. Porque tudo o resto é tão ruim que nem vale a pena questionar o que quer que seja. 

Que raio está ali a fazer a Diana Chaves?

E não pergunto isto por ser a Diana Chaves. Podia ser outra qualquer apresentadora. 

No fundo, a questão é: mas este programa precisa de apresentadora??????

Pronto... já desperdicei três minutos a pensar em coisas parvas. 

22
Nov18

All black!

Black friday. Black week. Black weekend. Black o caracinhas, não há rabinho que aguente já com tanta publicidade e da ruim. 

Apregoam descontos e promoções como se fosse a coisa mais sensacional de todo o sempre, verdadeiras pechinchas, preços da chuva (que curiosamente ainda é gratuita).

E depois recebo resmas de newsletters a anunciar uns imperdíveis 10%, 20%, na puta da loucura 30%... mas em artigos selecionados (não, brincas). E como se não bastassem estas fantásticas e imperdíveis ofertas, portes de envio gratuitos a partir dos 60€.

 

18
Mai18

Esquecem-se que ao apontarem um dedo, quatro estão virados para si!

Criticaram tanto a música (e a cantora) de Israel que venceu o Festival da Eurovisão, que estou para ver se agora enfiam o rabinho entre as pernas e comem com a bela bosta que é a música da Luciana Abreu, supostamente (meus Deus, por favor não!!!) o hino de apoio à seleção nacional para o Mundial. 

Ide ler a review do genial Guilherme Duarte

 

21
Jul17

Thank You, Chester Bennington!

I'm tired of being what you want me to be
Feeling so faithless, lost under the surface
I don't know what you're expecting of me
Put under the pressure of walking in your shoes
Caught in the undertow, just caught in the undertow
Every step that I take is another mistake to you
Caught in the undertow, just caught in the undertow

I've become so numb, I can't feel you there
Become so tired, so much more aware
By becoming this all I want to do
Is be more like me and be less like you

Can't you see that you're smothering me?
Holding too tightly, afraid to lose control
'Cause everything that you thought I would be
Has fallen apart right in front of you
Caught in the undertow, just caught in the undertow
Every step that I take is another mistake to you
Caught in the undertow, just caught in the undertow
And every second I waste is more than I can take!

I've become so numb, I can't feel you there
Become so tired, so much more aware
By becoming this all I want to do
Is be more like me and be less like you

And I know I may end up failing too
But I know you were just like me with someone disappointed in you

I've become so numb, I can't feel you there
Become so tired, so much more aware
By becoming this all I want to do
Is be more like me and be less like you

I've become so numb, I can't feel you there
I'm tired of being what you want me to be
I've become so numb, I can't feel you there
I'm tired of being what you want me to be

 

Linkin Park é a minha banda de eleição. Acompanho-os desde início, 1998/99, com o Hybrid Theory, e não mais os larguei. 

Na adolescência vincamos os nossos gostos musicais. Passei por várias fases, até metal gótico ouvi. Mas poucos ficaram para a posteridade. Linkin Park sim. Sempre que havia um novo álbum, eu ouvia e ouvia. Adorei e tive a música New Divide, da banda sonora Transformers, meses a fio como toque de telemóvel. Numb é daquelas músicas que tanto me embalou na angústia de uma adolescência final, quase adulta. Aquela música que ouço porque significa algo cá dentro, como uma identidade impressa numa melodia.

Chester Bennington é(ra) a poderosíssima voz, a que subia e descia de tom, flutuava as emoções e arrepiava a pele. Ainda arrepia. Arrepiará sempre que a ouvir. E hoje ouço. Com dor. Porque sim, custa saber desta notícia, ainda que não surpreenda. 

Obrigada, Chester, por tudo o que nos deixaste! 

 

09
Nov16

O pior é que não me surpreende

Ontem tomei um banho bem quente, bebi chá de limão, tomei o anti-histamínico e adormeci no séc. XXI. 

Hoje creio ter acordado na Idade Média.

Trump é eleito, senhores, isto até é ridículo de se dizer, eleito (poder dado ao povo para votar no seu representante) presidente dos USA e, por consequência, líder mundial de uma superpotência económica e militar.

E eu, que raramente me meto em debates políticos, ainda que mantivesse uma esperança remota de não assistir a esta realidade, lá ia dizendo que não me admiraria que Trump ganhasse, já que ele personifica o cidadão americano burro, xenófobo, acéfalo, bruto, de um patriotismo cego pelas armas e poder bélico. E pelos vistos não me enganei. E caramba, como eu gostava de estar redondamente enganada. 

Mas o que ainda me surpreende mais é como é que o povo (eleitor) americano, depois de um presidente fenomenal como Obama, um humanista inteligente, carismático, que procurou melhorar a vida dos seus cidadãos, procurando corrigir as desigualdades sociais e garantir-lhes os seus direitos naturais, que promoveu a paz no mundo, usou o poder do diálogo em negociações de paz, como, pergunto-me como é possível este povo, depois de ter tido um iluminista como presidente, escolher um homem das cavernas para seu sucessor? Os americanos gostam de chafurdar na trampa, não gostam? E arrastar o resto do mundo. 

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D