Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

18
Ago19

Acabou-se o que era doce!

Duas semanas e meia pareciam uma eternidade de férias, assim quase quase como os três meses de férias dos idos tempos de escola, que eram sempre uma seca descomunal (ohhhhhh que burros que somos quando jovens inocentes).

Duas semanas e meia voaram. E no entanto deu para tanto e para tão pouco (ou é aquele gostinho do quero mais).

Kms percorridos, reencontros e abraços, banhos de mar, modo frango de churrasco na toalha, vira para um lado, vira para o outro. Ler, dormir, namorar, passear, petiscar, caminhar, sentir a brisa, o cheiro a maresia entranhado na pele. Sem relógio, sem maquilhagem, sem roupas muito aprumadas, sem mil tralhas na carteira (afinal nem são assim tão essenciais para andarem comigo todos os restantes dias do ano), cabelo em desalinho (mais que o normal). A vida de chinelo no pé ou pé descalço na areia assenta-me tão bem.

Contemplei o mar sem me cansar. Como se ele fosse um espelho da minha alma: um longo e cristalino horizonte de água e luz. Sereno. Encontrei o meu equilíbrio, que tanto me tem faltado este ano. A sensação de paz e sossego depois de uma longa tempestade. 

Dentro de horas toca o despertador. Volta a tirania dos dias, dos horários, das rotinas, das tarefas, das pessoas que me sugam a energia positiva (e a paciência). 

Afastei de mim aquela aura negra. E espero, sincera e verdadeiramente, que ela não volte. Que eu tenha a coragem e sabedoria necessárias para a afastar. Relativizar, não dar importância a pessoas e atitudes mesquinhas, hipócritas. Que eu consiga manter-me a uma distância de segurança dos problemas dos outros, para que não tenha de carregar o mundo deles nos meus ombros. Estarei aqui para quem merece toda a minha dedicação e estima, mas terei de aprender a não absorver tanto os dramas e problemas dos outros. Posso ouvir, comentar, dar opinião, se ma pedirem. Mas não posso mais, de forma alguma, carregar o mundo dos outros como se meu fosse.

Quero lembrar-me da leveza e enorme harmonia que senti quanto contemplei o horizonte do mar, respirei fundo a sua brisa, e deixei-me embalar no som das ondas. Quero lembrar-me da leveza que senti quando, dentro de água, me deixava enlevar no vai e vem da ondulação, sentindo o sol e a água em simultâneo no corpo.

Quero que esta leveza fique dentro de mim.

Preparada para regressar ao trabalho? Ao trabalho sim, que não é o trabalho que me causa stress. São as pessoas, a luta de egos, a forma como se descartam problemas para os outros até que haja alguém que resolva. A responsabilidade que tenho nas funções que desempenho por um ordenado totalmente desadequado. Ficar a saber de quem teve progressões e aumentos salariais e ficar com aquele ar de ingénua, como se fosse o mérito reconhecido, o trabalho, esforço e dedicação. Não. É quem lambe melhor as botas. Quem sabe cair nas graças das pessoas certas e com poderes para...

Respira. Inspira. Sente a brisa do mar. O som ao fundo das ondas. A maresia que trazes entranhada na pele. Faz o que te compete, o melhor que sabes, para que no final do dia venhas de consciência tranquila: o que era da tua responsabilidade ficou feito. 

E é neste mantra que me estou a concentrar para não estar já com um ataque de ansiedade, com um nó no estômago, porque vou regressar e vou voltar a ter de trabalhar com pessoas que afetam negativamente. E é porque eu deixo. Eu sei. É o desafio, agora que me sinto rejuvenescida e com novas energias recarregadas: não permitir que me afetem. Só têm a importância que eu lhes dou. 

E para que o primeiro dia não custe assim tanto, já combinei com uma colega/amiga irmos almoçar. Também ela regressa amanhã das férias. Nem tudo é mau, e regressar implica rever pessoas que me são queridas, de quem tenho saudades e com quem quero partilhar esta boa vibe das férias. É isto que tenho de valorizar. 

shutterstock_93735772_2.jpg

Manter o foco para ser mais positiva e feliz no trabalho (algumas dicas disponíveis ao clicar na imagem).

So, let's go! Yes, I can!!! 

13
Ago19

Ora, então voltei ao Algarve para brincar aos pobrezinhos - II Volume

Corria o ano de 2016 quando regressei, depois de muitos anos, ao Algarve e com ele fiz as pazes. Para quem quiser recordar, aqui está o primeiro volume

Este ano a decisão foi assim quase de última hora. Estávamos em maio (pelo que me lembro) e não havia ideias para férias, exceptuando a visita do ano aos nossos amigos no nosso Alentejo do , Redondo city. Ainda mais este ano era o ano das famosas Ruas Floridas, portanto um motivo acrescido para não faltar. 

Só que, havia cá dentro qualquer coisa que me fazia querer outro sítio. Um sítio onde pudesse estar eu, estarmos nós, depois dos meses intragáveis que temos tido e merecíamos um descanso, um tempo para nós. Lembrei-me de regressar a Cabanas de Tavira, já que temos a possibilidade de alojamento "amigo" da carteira,  e foi um sítio que adorámos. Aquela história do "não se deve voltar aos lugares onde já fomos felizes"? Caguem nisso e voltem. As vezes que quiserem.

Sorte das sortes a semana que pretendíamos ainda estava vaga a casa, portanto agradeci ao universo estar do meu lado para ter as minhas merecidas e retemperadoras férias. 

Uns dias antes das férias, um susto. Aliás, dois grandes sustos que nos fizeram ponderar não ir, cancelar tudo e ficar em casa. A sogra no espaço de 48h teve duas crises cardíacas. Literalmente o batimento estava ao rubro, no primeiro dia a 180, no segundo a 190. Ela é doente cardíaca. Reformou-se inclusivamente por causa disso. Toma diarimanente medicação e tem desde que lhe foi diagnosticado o problema recomendações para: não se cansar, não se cansar, não se enervar, não se enervar, NÃO SE ENERVAR.

Ora, nervos é o nome do meio da sô dona sogra, e sinceramente não sei bem em que coisas anda a cismar que tanto a afligem. Confessou que não dormia bem há algumas semanas, que se sentia ofegante constantemente, que só de subir a escada ficava com os bofes de fora. 

Foram muitas horas nas urgências, exames, desfibrilador para regular o batimento (e eu a achar que isto só era usado quando o coração estava a parar), no primeiro dia veio para casa com as recomendações do costume. 48h depois veio para casa com Xanax. Ou acalmas ou acalmas.

Passámos o resto da semana neste vai não vai de férias, que isto de estar a muitos kms de distância e acontecer mais um episódio destes é coisa para não nos deixar ir sossegados e ter de vir embora num ápice. Ela, à força do Xanax, lá acalmou. E depois de falar com a irmã do Gandhe, ela estaria de férias e viria para cá ficar uns dias com a mãe (meramente prevenção) e assim podíamos ir descansados. Acabou por não acontecer, não sei se foi a sô dona sogra que não quis que a filha viesse "tomar conta dela", ou se foi a filha que desistiu da ideia. Acabou por correr tudo bem, nós íamos ligando praticamente todos os dias e ela estava bem e andava entretida com (mais) dois gatinhos bebés que tem, até nos pediu ajuda para batizar um deles, levou-os ao veterinário, e tem sido uma companhia e uma diversão para ela, já que os dois pequenos só fazem tropolias.

Eu só entrei de férias dia 1, Gandhe dia 2. Pelo que rumámos ao Alentejo no fim-de-semana antes de descer para Cabanas. Uma visita rápida, mas que encheu o coração com aquele abraço forte, pôr a maior parte da conversa em dia e poder descontrair com amigos.

Enfim, descemos mais para sul e rumámos ao nosso destino já conhecido: Cabanas de Tavira.

Ah e tal a Pipoca também lá esteve. Pois, só vi fotos no Instagram e gráçadeus não devia lá estar quando eu estive, porque aquilo é um meio pequeno e não me cruzei com a vedeta. A menos que só lá tenha ido para a sessão fotográfica e aqueles textos (já repararam que sempre que fala de um sítio ou de um produto/marca, é desde pequenina?) altamente idílicos e saudosistas. Se a memória não me atraiçoa, há uns anos li um texto em que descrevia as suas memórias de menina e adolescente que ia dois meses para Manta Rota, onde os pais têm casa, e era uma seca, mas agora, na vida adulta adora lá voltar e mimimimi. Ok, Manta Rota é lá "ao lado".  Mas este ano a ladaínha foi sobre as memórias de Cabanas de Tavira e Cacela Velha e mimimimi. 

Não vou descrever a experiência de Cabanas porque foi em tudo semelhante a 2016 (link em cima). Continua igual a si própria, e eu senti-me em casa. Este ano o pretendido era descansar e reduzir os dias ao mínimo indispensável, pelo que não houve grandes passeios ou explorações por novos sítios. Houve uma tarde que se levantou muito vento na praia de Cabanas e viemos embora mais cedo, fomos dar uma volta e acabámos em Monte Gordo, numa esplanada na praia. Não gostei. Muito grande, muita gente, demasiado turístico. Outra vez fomos à noite até Vila Real de Santo António (sim, fomos abastecer o carro a Espanha para a viagem de regresso, e isto foi a meio da semana, a corrida aos combustíveis, com jerricãs e tudo, já era tal que o senhor do posto de combustível, se calhar a estranhar só termos posto 40€, também ainda tínhamos combustível, não seria o suficiente para a viagem de regresso, perguntou se a greve em Portugal já tinha começado. Mas não. Eram só os atrasados mentais do costume).

Vila Real de Santo António pareceu-me uma cidade muito bonita para se visitar, e ainda não foi desta que fui a Castro Marim e ao seu magnífico castelo (fica para visitas futuras).

Como estava a dizer, reduzimos os nossos dias ao mínimo: comer, dormir, descansar, namorar, caminhar na praia, dormir a sesta ao sol feita lagartixa, mergulhos naquele mar verde absolutamente deslumbrante. Chegar a casa ao fim da tarde e desfrutar de umas minis e de uma empalhada (cá no norte é uma mix de amendoins, tremoços e pode também levar azeitonas), depois fazer uns grelhadinhos com salada, lambrusco fresquinho, comer ao ar livre todos os dias, num bairro que, apesar de ter alguns moradores permanentes, é essencialmente de turistas e é tão, mas tão sossegado que até os "vizinhos" do lado só víamos de passagem, porque em casa passávamos a vida no terraço e víamo-los a passar (chegar ou sair). À noite descer a avenida até cá abaixo, procurar, sem dificuldade, um lugarzinho numa esplanada, desfrutar da Ria Formosa, do café e caipirinhas (descobrimos um sítio com caipirinhas a 4,50€). Ficar a ver os turistas a passar, famílias com crianças, muitas pessoas com animais (o que achei o máximo, porque há esperança que a mentalidade esteja a mudar e as pessoas já se preocupam em levar os seus animais com elas de férias). Era à noite que encontrávamos mais pessoas, mas mesmo assim, nada que nos fizesse sentir no meio de uma multidão. Arranjávamos lugar numa esplanada facilmente, passeávamos calmamente sem encontrões nem nada parecido. 

Muitos portugueses, ingleses e franceses. Foram as nacionalidades que mais encontrei.

Felizmente este ano já havia na praia de Cabanas (que é uma ilha) bolas de berlim com creme. Foi a novidade deste ano. 

O resto seria repetir o que já escrevi em 2016. Deixo algumas fotos. Não tirei assim muitas, preferi dedicar-me muito mais a viver e sentir o ambiente, respirar aquele ar, sentir a areia nos pés, a brisa no rosto, envolver-me na água do mar e deixar fluir. Encontrei a minha paz interior, encontrei o meu equilíbrio. Desliguei como eu tanto precisava e carreguei a alma com boas energias, com muita luz e sabor a sal na pele. Chinelo no pé e roupa leve. Dias simples, descomplicados, sem horários (nem relógio levei, ok, tinha o do telemóvel, mas era raro pegar nele para ver as horas). E senti-me tão leve, livre, feliz.

 

 

13
Ago19

O (penoso) regresso

Hoje (dada a hora adiantada, o mais correto será dizer ontem) foi dia de regresso a casa. 

Dizem que é tão bom viajar/ir para fora, como regressar a casa.

Já senti isso. Não desta vez. 

Não fossem os meus gatos e as saudades (bem como a falta que senti deles), mesmo sabendo que estavam muito bem entregues e a serem tratados com muito carinho e dedicação,  e este regresso seria verdadeiramente amargo. 

Ainda tenho mais uns dias de férias. Para descansar. E ir às praias locais (se o tempo permitir, que isto a norte é sempre aquela dupla vento e frio). 

Mas já estou de regresso à vidinha de merda que tenho levado. Ainda falta praticamente uma semana e já estou a angustiar-me com o regresso ao trabalho,  às pessoas que tenho de aturar. Acabei de encontrar paz de espírito, equilíbrio interior, carregar energia de luz e sentir-me renovada e leve... e só o regresso a casa deixa-me novamente com esta sensação de peso nos ombros,  coração apertado, um sufoco no peito.

Sobre as férias e o meu regresso onde já fui feliz, e voltei a sê-lo, e quero voltar sempre que puder, dedicarei um post exclusivo (com fotos). Só com boas energias e sentires. Com liberdade e felicidade. Nas coisas mais simples, que são as que, cada vez mais,  aprecio e me fazem verdadeiramente feliz.

 

08
Ago19

Coisas que me fazem cócegas ao cérebro (durante uns segundos) enquanto estou feita foca estendida na areia: take 2

Eu bem sei que os lisboetas vivem como sardinhas em lata. 

Mas foda-se, num areal imenso, onde não falta espaço pra montar barraca, é preciso porem-se tão próximo dos outros,  mas tão próximo que lhes ouvimos as conversas,  os comentários parvos, e as gargalhadas estupidamente irritantes?! 

Quem passa deve achar que até somos do mesmo grupo.  SÓ QUE NÃO!!!!

Que pariu! 

06
Ago19

Coisas que me fazem cócegas ao cérebro (durante uns segundos) enquanto estou feita foca estendida na areia

As redes sociais estão assim pejadas, aquilo é às resmas, paletes,  potes da Prozis de gajas fit coiso.

Venho à praia com vontade de me enfiar numa burka, à espera de as encontrar no areal... e nada. Nem uma.

Pergunto-me, intrigada, onde estarão os belos e esculpidos corpos?

E eis que se faz luz. No ginásio, onde mais?! 

 

31
Jul19

Deve ser um método da Marie Kondo que desconheço

Sabem as influencers que nos ensinam, dada a sua vasta experiência em viagens, a levar o indispensável numa mala? Sabem?

Então como é que depois há fotos com 47 biquínis diferentes, 28 fatos de banho, 76 outfits todos diferentes, e quase outros tantos pares de chanatos, e tudo isto para uma "escapadinha de 3 ou 4 dias"?

4_3.jpg

Dúvidas de quem ainda quer acreditar com muita força que dentro de dias vai de férias e tem uma mala de viagem para fazer para 10 dias. 

02
Mai19

Então e esse dia de férias?

Foi bom, foi bom. Acordei cedo, estendi roupa, tratei da gataria, aspirei a cozinha, limpei a areia, tomei o pequeno almoço e fui para a cabeleireira. Tinha ideia que me despachava "cedo" da cabeleireira para ainda passar nos correios e deixar uns quantos casacos de inverno na lavandaria, só que não. Já passava das 13h e às 14h eu tinha de estar na veterinária com o mais velho, que vai ser sujeito a uma cirurgia na próxima semana, para fazer recolha de sangue para análises. De modos que engoli qualquer coisa a fazer que era o almoço, peguei no gato e ala para a veterinária. Depois, com o gato no carro, fiz as voltinhas: correios, lavandaria. Cheguei a casa, lavei a louça do pequeno almoço e do pseudo almoço. Apanhei a roupa. Dobrei a que não é preciso passar. Chega o Gandhe. Ah e tal tenho de passar na minha mãe, parece que lhe assaltaram a lavandaria e os gatos fugiram. Lá vou eu prestar apoio e ajuda. (Um gato já apareceu, a outra piquena provavelmente está enfiada num canto qualquer do carro, mesmo nós tendo revirado tudo, a sacaninha não aparece... tomara que nem sequer tenha saído da lavandaria). Aparentemente não desapareceu nada, foi só mesmo a confusão de estar tudo revirado e os gatos num alvoroço. Eis aqui mais um motivo para sogrinha querida vender o raio da moradia e meter-se num apartamento, que só para ela e para os gatos chega e sobra, sem metade do trabalho e da insegurança por estar isolada. Eram quase 19h. Lembrei-me que estava faminta. Fomos até à pastelaria mais próxima e lanchámos. Cheguei a casa passei o cesto de roupa. Jantar felizmente havia muito por onde escolher no frigorífico. Não era preciso estar a fazer. 

Eis que, já estou jantada e com tudo resolvido e feito, vim aqui dar uma vista de olhos no que hoje se passou no mundo virtual. Basicamente same shit of everyday. Ando um bocadinho enjoada disto, confesso.

Ai férias... a única coisa boa das férias é não estar fechada o dia todo no escritório. Porque trabalhar, hoje não faltou o que fazer e voltinhas para tratar de coisas. Mas bom, estas mini mini férias foram tiradas e pensadas em parte para descansar (???) e em parte para tratar de uma série de assuntos que durante os dias normais de trabalho fica difícil. 

Ponto alto do dia foi a confirmação da disponibilidade da casa onde já estivemos a passar férias em Cabanas de Tavira na semana que pretendíamos. Portanto, já estou aqui a salivar pela areia nos pés, o sabor a sal na pele, os grelhados à noite no terraço, o sossego de um Algarve calmo (mesmo em agosto) - agora vão todos para lá 

IMG_20190413_175335.jpg

And I can't wait for it 

Mas enquanto não chegam os dias de chinelo no pé, a notícia menos boa do dia foi que a cirurgia do mais velho foi antecipada, nada mais nada menos do que para o meu dia de anos. WTF?!

 

 

 

28
Ago18

Sem filtros!

Por cá continua-se em modo férias. Já com aquele sentimento de entrar numa triste contagem decrescente. Adiante. O relógio não pára. Carpe diem!

A férias estão a saber bem, obrigada. 

Não havia nada muito planeado, e decidimos, quase em cima da hora, ir uns dias até ao Alentejo rever amigos e passar o aniversário de uma amiga que me é muito querida. Foi uma visita de médico, quase, deu para matar um pouco as saudades, para aquele abraço, para pôr a conversa em dia, para (re)visitar alguns locais onde não me canso de voltar. E é sempre com a certeza que é para lá que vou passar a minha reforma que regresso a casa. 

Depois queria fazer praia. O ano passado tive duas míseras tardes de praia, brindada a vento e a comer com areia. Portanto este ano queria tirar a barriga de misérias. Só que, hello, estou no norte. Calor apanhei no Alentejo (nem imaginam como me incharam os pés e os tornozelos, a Fiona do Shrek ao pé de mim tem pés de bailarina). Dois dias de praia com calor, a seguir ficou encoberto, e depois frio, e a seguir chuva. Ainda bem que me deixei estar quieta e não andei a comprar biquínis no resquício dos saldos. 

Portanto a praia resume-se a duas tardes de muito bom tempo, uma tarde de tempo encoberto, fechado, mas abafado. Meia tarde de tempo encoberto e frio, que nos fez saltar do areal para um bar de praia muito simpático a comer tostas mistas e brushetas. Na sexta esteve tempo incerto, o sol lá deu o ar de sua graça, tímido, mas começou a levantar-se aquele ventinho frio e foi o suficiente para arrumar a toalha e vir embora. Entretanto esta semana começou com chuva e vamos lá a ver como continua.

Marca de biquíni? Bronze? Ah ah ah!! É certo que também uso protetor solar 50. Andar de pele castanha é muito anos 90 e mais, é pouco saudável e provoca o envelhecimento precoce da pele. De maneiras que não estou branca papel porque também não o sou. Mas estou longe de ter aquele ar de quem passou uma quinzena em modo frango de churrasco no areal.

Tenho descansado e desliguei a cabeça do stress do trabalho. Confesso, este domingo estava esparramada no sofá e deu-me assim um aperto no peito a pensar que precisamente daí a uma semana estarei na iminência de regressar ao trabalho. Ó o entusiasmo (not).

Não obstante toda esta vontade de tirar a barriga de misérias de praia, a verdade é que dei comigo a ter um fanico quando encarei os biquínis. Servem-me. Mas foda-se, engordei, estou com um peso que nunca tive, com um filho da mãe de um pneu na barriga que me incomoda deveras. E se andasse com a auto-estima de boa saúde, estava-me a cagar para isso. Mas não ando. Nunca fui a gaja boa, a giraça do grupo de amigas, a última bolacha do pacote. Aprendi (e vivam os 30's) a aceitar a anca larga, a celulite, e toda uma panóplia de defeitos que o mulherio arranja. Mas nestes últimos meses não sei o que se passou. Pouco valem os cuidados alimentares (e são muitos, garanto-vos), o exercício físico (não sendo nenhuma miss fit ou maníaca do ginásio, também não sou a lontra de sofá). Ganhei peso e o filho de uma grandessíssima meretriz de um pneu que me anda a dar cabo dos nervos. Olho-me ao espelho e não gosto do que vejo. Tem sido um problema para me vestir, até porque muita roupa está apertada, procuro tudo o que é largo e o efeito é parecer um pequeno cachalote. Com a auto-estima na merda, como tenho andado, esta é uma daquelas "futilidades" que dão conta da cabeça de uma gaja, e já me valeu um pequeno ataque de ansiedade recentemente, quando tive de me vestir para ir a um sunset latino (convém dizer que abanquei num canto da esplanada e nem uma única música fui dançar, eu que adoro dançar). 

Então, estava eu com este dilema existencial do quero ir à praia, mas estou gorda... quando recebo uma notícia de uma amiga muito querida. Foi diagnosticado à irmã (que é apenas um ano mais velha que eu) falência de medula. Basicamente ela precisa de um transplante de medula para sobreviver. Arrepiei-me, senti o coração apertado, o peito sufocado e gritei a mim mesma: "que se fodam os kgs a mais, o pneu, tenho saúde caralho, e há quem não a tenha e esteja à espera de um milagre para sobreviver e poder ver os filhos crescer". E é assim que a vida mostra o que é verdadeiramente importante e o que é completamente dispensável. 

Esperei que a minha amiga fizesse o seu apelo nas redes sociais para o partilhar. Fi-lo hoje. E eis que, sem surpresa, vejo que horas depois nem um único like ou uma partilha. Tão pouco fizeram comentários. Se eu tivesse publicado uma foto com os presuntos na areia e uma bola de berlim meia mastigada, aposto que já teria não sei quantos likes e comentários. 

Pó caralhinho a humanidade (???) das pessoas! E se fosse um apelo meu? E se fosse eu que suplicasse por ajuda? Tantos "amigos" nas redes sociais... ya, right. 

E estão a ser assim as minhas férias. Descrição sem filtros.

Querem relatos bonitos, cor de rosa flamingo e cheios de unicórnios, ide ao Instagram. Lá não faltam verdadeiros contos de fadas, povoados por unicórnios e flamingos (e outras bóias estranhas, que depois devem contribuir para o aumento de plástico nos oceanos). Eu até fico a pensar que há gente que na verdade ainda anda a estudar e não a trabalhar. É que estão de férias há mais de dois meses, a julgar pelas fotos das viagens e a peregrinação às praias e piscinas deste Portugal. 

A mim resta-me esperar que os próximos dias estejam melhorzinhos para levar os presuntos à praia e desfilar o pneu. Se bem que deitada, tenho um ventre liso, tão liso que até pareço uma miss fit, daquelas que às 6h da manhã estão no ginásio até às 9h, e às 18h, quando saem do trabalho, voltam para lá. Ah e comem atum com arroz e frango com alface. 

39775333_10213201878661038_8627300837539971072_n.j

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D