Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

07
Jul21

A hipocrisia das redes sociais

Há umas semanas atrás estive a cuscar o site da Shein, secção swimwear.

Coincidência ou não, na mesma altura apareceu-me nas sugestões do Youtube um vídeo, acabadinho de publicar, de uma (creio) youtuber nacional no qual experimentava e dava o feedback de bikinis comprados no Aliexpress. Fui ver pela curiosidade de perceber qual seria a opinião e como vestiam estes bikinis comprados por via destas plataformas de vendas online.

Se venho falar do que achei dos ditos bikinis? Nem por isso. Talvez o facto de não ter voltado a ir espreitar e tão pouco arriscar uma encomenda fale por si.

O que me fez uma espécie de reação visceral ao dito vídeo foi a youtuber em apreço pedir desculpa aos seus seguidores e pedir a sua compreensão porque não estava na sua melhor forma física, que se encontra em processo e emagrecimento e portanto, "pessoal, tenham lá calma com as críticas que eu sei que não estou no meu melhor" (parafraseando).

E só me passou assim uma coisa pela cabeça...

A sério? A sério??? Não é suposto andarmos nesta luta para derrubar estereótipos e padrões de beleza absurdos e irrealistas, louvar a beleza dos corpos, seja qual for o tamanho que vestem ou a forma que têm?

É esta puta desta hipocrisia das redes sociais que me tem afastado de lá. Cansada de ler ou ouvir discursos apologistas do bem estar emocional e mental, amor próprio, respeito por si própria, aceitação e o camandro, para depois as mesmas oradoras publicarem as suas fotos e stories dos seus corpos esculturais, em posições de yoga em que o 3º olho deixou de estar entre as sobrancelhas para estar entre as nádegas (normalmente acompanhado do peach emoji, que claramente não é uma alusão à fruta mas às nádegas firmes e hirtas). E as que não têm os corpos esculturais dignos do peach emoji, pedem desculpa e justificam que estão em processo de perda de peso. Ora fodeibos!!!!!

E lembrei-me de partilhar esta publicidade da Dove, que é tão crua e real, para lembrar que está nas nossas mãos inverter os danos que a pressão das redes sociais e os padrões ridículos de beleza causam na autoestima de todos(as) nós. Um grande basta a isto de termos de caber todos dentro do mesmo molde. Não somos "ovelhas Dolly". Não somos feitos numa linha de montagem, moldados dentro do mesmo espartilho.

E não será esta enorme diversidade de tamanhos e formas a beleza da nossa espécie?

 

 

25
Jan21

Breve reflexão

E muito breve mesmo, porque há muito tempo que acredito que a estupidez supera a inteligência...

Ontem fui mudar o penso no dedo. Dia sim, dia não lá vou eu ao Hospital da Luz fazer curativo ao dedo. Ontem era dia de penso e aproveitei para logo a seguir ir votar, passei num restaurante perto de casa e levei almoço, regressando à condição de confinamento. 

Ontem meti conversa com a enfermeira que me recebeu, e comentei que estava calmo lá fora (entenda-se a sala de espera das urgências). Ela respirou fundo e desabafou: calmo agora, há bocado chegou aí uma senhora com 4 acompanhantes, quuuuuaaaaatrooooooo. E ainda nem tinha sido feita a admissão da doente, já estava um a perguntar se podíamos passar uma declaração em como ele estava a acompanhar a tia. 

Esta gente está parva ou come merda às colheradas?

Entre passear trelas sem cão, ou passear javalis, nenucos em carrinhos de bebés, ir em bando para as urgências de um hospital privado só para (supostamente) terem uma declaração de acompanhamento a um familiar doente para quê mesmo? Circular à vontade? Ontem podia-se, por ser dia de eleições... só que não. Mais de 60% de abstenção é surreal. Não percebo este povinho que inventa as coisas mais absurdas para furar o confinamento e na hora de exercer o seu direito de voto, assobia para o lado. 

Ah e tal as filas e os ajuntamentos e o caralhinho. Não me fodam a inteligência. Passar 3 horas na fila para a Primark ou para a Zara está tudo bem. 

Não vou comentar. Os factos falam por si... 

 

18
Mai20

Questões que me assolam o espírito por alguns nano segundos

Então a praia este fim de semana? Boa? Sim? Espetáculo. Bato palmas ao egoísmo desmedido de centenas de pessoas, FAMÍLIAS que usam o argumento que "as crianças precisam, estão fechadas há muito tempo". Isto vindo de quem já foi à praia em fins de semana anteriores, mesmo com tempo encoberto, e neste fim de semana foi dose dupla, sábado e domingo, realmente o argumento de "muito tempo fechadas" é de louvar. Só que não!! Tenham vergonha na puta da cara! 

Aposto o meu dedo mindinho em como estes cromos da merda são os mesmos que depois manifestam muito pesar e preocupações várias com a reabertura das creches.

Como diz a outra, FODEIBOS!!!

Com estas atitudes, prevê-se uma palhaçada quando abrir, oficialmente, a época balnear. O apelo ao bom senso, a que cada um tenha de ser o seu próprio fiscal para respeitar as normas de segurança e higiene, dá vontade de rebolar no chão a rir. Só não o faço porque depois TODOS sofrem as consequências da irresponsabilidade e egoísmo destes acéfalos. 

Um breve exemplo: um dos apelos é as pessoas fazerem manhãs ou tardes, para assim mais gente poder ter acesso a um bocadinho de praia (recordando que este ano por força das circunstâncias extraordinárias que o MUNDO vive, o acesso é limitado e restringido a um x número de pessoas, que varia consoante a área disponível). Recordando que há dois meses houve um açambarcamento de papel higiénico, álcool, depois farinha e fermento, que se foda quem também precisa, era levar stock para 50 anos, que nunca fiando, isto o mundo acaba e a malta tem de limpar o cu enquanto come pão... está-se mesmo a ver só ficarem meio dia na praia para que outros possam ir a seguir?!  

Este verão promete... eu só lamento é que, por causa de uma cambada de egoístas, toda uma sociedade tenha de sofrer as consequências deste fenómeno chamado: umbiguismo.

 

13
Mar20

Escrevi... feito!

Não entrei em histerismo. Não ando de máscara. Não fui ao supermercado comprar este mundo e o outro como se fosse ficar um ano fechada num bunker. Estou mais alerta, sigo as medidas preventivas divulgadas pelas entidades e órgãos competentes, até porque começam a ser implementados em todo o lado, inclusivamente nos locais de trabalho, planos de contingência de forma a prevenir e minimizar os riscos de contágio. Ontem e hoje recebi mensagens das atividades que frequento a avisar da suspensão das mesmas até ao fim do mês de março, reavaliando a situação no início de abril. Não só concordo como já tinha decidido por mim, para meu bem estar e dos outros, cumprir o meu papel social no combate a esta pandemia Covid-19, e que passa por evitar ao máximo ir a locais públicos e estar em contacto com aglomerados de pessoas.
As recomendações da OMS e da DGS passam por um isolamento voluntário de todos nós, saindo apenas e só para o essencial e imprescindível. E assim nasce o movimento #euficoemcasa.
Eu também ficaria de bom grado, a trabalhar a partir de casa, contribuindo ativamente para o controlo da propagação do vírus, protegendo-me a mim, aos meus e a todos os outros. Mas eu vou aderir ao movimento #eunaoficoemcasaporquenaopari. É que a empresa onde trabalho só deu à escolha ir trabalhar ou ficar em casa sob teletrabalho quem tem filhos. Os outros, como eu, que não procriaram, podem continuar a andar na boa, expostos, se formos infetados e morrermos, não deixamos órfãos. Deve ser isto!
O que me fode é esta distinção, esta diferenciação. Num problema que atinge TODOS, só a uns é dado o privilégio de escolher ficar em casa resguardados, como recomendam as autoridades de saúde, ou ir trabalhar como é habitual. O critério de seleção? Filhos.
Tema sensível, porque obviamente as escolas fecham, as crianças devem estar protegidas e sob vigilância, e para isso ser possível, os pais têm de ir para casa. A ser coerente, devem ir os dois, porque ser só um a ficar em casa e o outro continuar a sair na sua rotina "quase" habitual, vai dar merda na mesma.
Então mas os que não têm filhos são o quê? Carne para canhão? Não têm sequer o direito de dizer: também quero trabalhar a partir de casa (o que der, como é evidente) ou dizer que não, que se continua a fazer o trajeto para o trabalho e a levar a vida como até aqui se levava antes do Covid? Sinto-me revoltada. Porque não sou das que olha de lado ou aponta o dedo quando colegas mães têm de sair porque os filhos ficaram doentes, têm de faltar porque os filhos têm febre e viroses, não sou das que atira para o ar que a licença de maternidade é férias e bem bom em casa. Sem ser mãe sou das que defende que a licença de maternidade devia ser, no mínimo, um ano. Mas por não ser mãe vejo-me privada de direitos que pelos vistos só cabem aos que gozam do estatuto de parentalidade.

13
Mar20

Escrever ou não escrever, eis a questão?!

Estou aqui com umas ganas de descarregar a revolta, fruto da injustiça e da desigualdade, mas o tema é para lá de polémico. De maneiras que vou arrefecer as ideias e se achar que vale a pena lançar o tema para reflexão e troca de ideias, escrevo. Se não, vai comigo para a cova, porque a última coisa que me apetece é, depois da merda que senti hoje, ainda levar com pessoas que... fico por aqui.

Respira, Pandora, respira... 

 

17
Fev20

Ca put@ de neura

Uma pessoa anda na merda e tudo acontece. 

Não sei que raio se passou com a última coloração de cabelo, em três semanas tenho o cabelo às manchas e cor de rosa em alguns sítios. Tento arranjar vaga ASAP na cabeleireira... Tinha para dia 21, mas eu não posso que tenho uma consulta médica à hora da vaga. Ora então, só dia 26...  (lado positivo, se quiser posso fantasiar-me de Harley Quinn no Carnaval). 

Tenho manutenção das unhas esta quinta. O que acontece? Tenho a unha do polegar partida até meio (e usar collants está a ser uma verdadeira aventura). Ligo para a moça que me arranja as unhas, afinal eu já a desenrasquei outras vezes a trocar com outras clientes dela. Mas não. Não há vagas, não há trocas. Aguenta até quinta. 

Aquela merda da lei do retorno é um grande mito urbano, não é?! É que, foda-se, estou a colher o que outro cabrão qualquer andou a semear e meteu na minha conta, só pode!!!!

 

17
Fev20

Sogra vs Nora

O conflito é simples, a nora é vista pela sogra como a substituta ilegítima do seu reinado de mãe soberana de um filho obediente e dependente emocional. Ele que nunca quer assumir conflitos com sua querida mamãe fica passivo e tentando colocar panos quentes nos desentendimentos velados ou explícitos da mãe e da esposa.

Na hora do racha sai de fininho e diz que não pode tomar partido: “é minha mãe, poxa!”.

O resultado é trágico, pois em cada evento social surge aquela briga nas entrelinhas pela atenção do homem da vida das duas.

A sogra tem um agravante, na maior parte das vezes quer fazer as vezes de companheira emocional do filho e tirar a nora da trilha. Ela no papel de mãe deveria estar ciente de que a nova família do filho se sobrepõe à família de origem. Mesmo sendo a mãe não deveria interferir ou palpitar nas escolhas do filho, mas de modo geral faz o oposto, critica, aponta, acusa e faz intrigas. Se a nora reage parece sempre a louca, enquanto a pobre sogra permanece chorosa pela a agressividade “gratuita” pela nora.

É de chorar ver duas mulheres, que se supõe maduras, entrando em brigas absolutamente dispensáveis. Se questionada a sogra dirá que está defendendo os direitos do filho (ainda que não tenha sido chamada para advogar) e sempre terá uma dose grande de desconfiança: “essa garota não cuida tão bem dele quanto eu, é meio relapsa e as vezes soa interesseira, sei que ela tem ciúme de mim.”

Nessa hora a sogra esquece que quem convive, ama e transa com o filho é a nora e não ela.

Por isso soa tão estranho esse tipo de disputa, parece até que rivalizam o parceiro amoroso. A nora tem razão de reivindicar seu parceiro, mas a sogra não.

O que costuma reafirmar essa briga é que normalmente a sogra tem um casamento falido ou inexistente e que costuma legitimar sua solidão em busca da companhia do filho querido.

A própria esposa no fundo tem medo de incentivar esse conflito para não precipitar uma guerra familiar e para não ter que testemunhar o marido recuar diante de sua mãe, normalmente dominadora.

A solução está no marido que precisará enfrentar a própria mãe de um jeito que sempre tentou evitar. A guerra entre a sogra e a nora só evidencia um cordão umbilical que nunca foi rompido realmente.

 

Para ler o artigo na íntegra, clicar aqui.

Devia ter oferecido uma tesoura ao homem pelo dia dos namorados. Talvez cortasse a venda que tem nos olhos e lhe tolda a visão sobra a "querida" mãezinha, ou cortava o cordão umbilical que ela faz questão de ter bem apertado em volta do pescoço dele.

Assim como assim, a louca sou eu, e a minha sogra continua a não saber o lugar dela e invade a nossa vida como se o filho fosse só dela e de mais ninguém. O filho é um coninhas passivo que não enfrenta a mãe e remata sempre com "ela é assim". E eu, bem, eu estou aqui a pensar se lhe faço as malas e lhe dou um chuto no traseiro que o leve direto para casa da rica mãezinha. Eu bem propus ele preparar uma malinha e ir duas semanas (as duas semanas que ela está em convelescença de uma cirurgia) para casa dela e assim estar lá a tempo inteiro ao dispor, e no fim desse tempo nós conversávamos. Ele não quis. E eu tenho de aturar novamente uma situação em que a sogra é dona e senhora da vida e do tempo dos outros, como aliás o tem feito nas últimas semanas. 

Já passei por este inferno. Na semana passada avisei quem tinha de avisar do que estava para vir. Mas falei para uma parede. Portanto, parece que sou eu quem vai ter de ter os ditos cujos no sítio para ir confrontar a mulherzinha insuportável e mostrar-lhe o lugar dela. Ou isso, ou sair de fininho e deixar mãe e filho no seu idílio amoroso: feitos um para o outro... amor de mãe! 

 

11
Fev20

Aguenta, a ver se dói menos!

Os dias estão maiores e quando saio a horas do trabalho, ainda há luz do sol. Fico contente. Com outra energia. Fevereiro trouxe subidas nas temperaturas e houve dias verdadeiramente primaveris. Sabem bem. Muito bem. Renovam logo a energia de uma pessoa (a minha, pelo menos).

Estive doente. Uma crise gastro intestinal arrumou comigo durante uma semana. Inicialmente associei a um fim de semana com alguns excessos alimentares, que na minha condição desencadeiam logo estas crises. No entanto, e volvidas quase duas semanas, ainda não estou totalmente recuperada, e dias há em que incho desalmadamente (pareço mais grávida que a Carolina Patrocínio em fim de gestação... mas também não é difícil, né?) e tenho cólicas dolorosas. E em que dias isso acontece? Em dias que os nervos disparam. O meu corpo tem tido uma resposta ao stress que me deixa prostrada. 

Preciso proteger-me, cuidar de mim. No entanto isto fica difícil quando há coisas que invadem a minha vida sem pedir licença, quando há pessoas, cujas atitudes e escolhas que fazem, não têm noção do impacto que trazem à vida dos outros, de como viram os dias dos outros de cabeça para baixo, dos imprevistos que causam e fazem desistir dos planos.

Nas últimas semanas temos vivido em sobressalto, em modo "bombeiros de prevenção". As próximas semanas trazem incertezas, dúvidas e mais estados de alerta. Não se pode fazer planos sob pena de um telefonema virar tudo do avesso. O que, aliás, tem acontecido nas últimas semanas.

E é fodido este viver os dias assim. Num permanente sobressalto. Mais ainda quando a pessoa que os causa parece que anda a gozar com a cara e a vida dos outros, prejudicando-se a si própria e à sua saúde, por teimosia ou estupidez pura. 

 Aguenta, Pandora. Aguenta! 

 

17
Jan20

Eu atirei pedra na cruz e cuspi no santo!

20180717.jpg

Em dezembro aproveitei as mini férias para ir ao centro de saúde deixar a caderneta e pedir a pílula (que estava a acabar). Ora, com as festas, com a gripe, com a cabeça de passarinho com que andava, nunca mais me lembrei de lá ir levantar a dita cuja. Ontem ia para tomar e cadê a pílula?! Lembrei-me da sogra... havia de ser bonito, não foi por causa do antibiótico, foi mesmo por me esquecer dela 

Depois daquele impasse de vasculhar na gaveta e não encontrar nada, lá se fez luz e lembrei-me que não a tinha ido buscar.

Hoje de manhã lá fui eu cedinho. Chego ao centro de saúde e, seguindo as instruções de uma das administrativas do atendimento que em tempos me deu, quando é só para pedir/levantar a pílula não é preciso tirar senha. Portanto, não tiro senha e fico à espera que a outra que estava hoje ao serviço (tenho um azar de apanhar sempre a mesma croma... é o karma!) chamasse as senhas para quem tinha consultas e tratamentos marcados. Toda a gente atendida, virou-se para a fila do atendimento geral. Senha E 1... nada. Senha E 1? Nada. Vira-se para mim: a menina já está atendida? (sério? e a única no atendimento, por acaso já me atendeu?). Respondo que não, que só vinha levantar a pílula. Precisa tirar senha.

Vou tirar a puta da senha E 1. Ponho-a à frente dela e digo: venho levantar a pílula.

E agora adivinhem quem foi tratar do meu pedido? Uma enfermeira que estava na receção, que a outra que exigiu a merda da senha para me atender virou costas e cagou em mim.

 

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D