Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

08
Nov19

Leitura de Outubro

Depois de uma leitura voraz do último livro da saga Sebastian Bergman, fui à minha "prateleira da vergonha" ver qual seria o seguinte. Para garantir que não me desiludia, missão quase impossível depois de mais uma incursão intensa no universo de Sebastian Bergman, escolhi O Último Papa de Luís Miguel da Rocha.

É de lamentar que um escritor português tão promissor nos tivesse deixado tão precocemente. Tem uma escrita muito cativante, na sua obra demonstra um interesse particular pelo Vaticano e todos os segredos escondidos ao longo dos séculos, teorias da conspiração e o recurso a meios muito duvidosos que justificam o fim de manter a Igreja e os seus dogmas intactos. 

Pelo que percebi eu comecei pelo último livro do que parece ser uma saga (pelo menos tem personagens transversais e há uma certa linha cronológica). Comecei pel' A Filha do Papa, que parece ser o último (publicado) desta sequela. Como gostei, regressei ao autor e ao que será o primeiro livro da saga.

Neste livro é explorada uma teoria sobre a morte misteriosa e repentina do Papa que foi Papa durante 33 dias, ficou conhecido pelo Papa do Sorriso e foi o primeiro a escolher dois nomes: Papa João Paulo I. Conspirações, sociedades secretas que não olham a meios para atingir os seus fins, os jogos de interesse, poder de influência e corrupção são ingredientes que podemos encontrar neste enredo muito bem desenvolvido entre dois tempos cronológicos: 1978 o ano do Papa João Paulo I e 2006, quando surge uma lista que pode pôr a descoberto toda uma teia de corrupção, lavagem de dinheiro e assassinatos que envolvem o Vaticano, bem como pode derrubar poderosos nomes das mais variadas áreas (política, jurídica e eclesiástica). 

É neste livro que conhecemos uma perspicaz jornalista portuguesa e um misterioso agente secreto do Vaticano, protagonistas deste complexo enredo que explora de forma muito inteligente e verosímil uma série de "podres" que se passam nos bastidores que o grande público não conhece, nem desconfia que possam existir. As aventuras que passam juntos são de tirar o fôlego em várias páginas, sendo o ritmo de leitura tão intenso como é intensa a descrição dos acontecimentos, da ação, que quase somos transportados para o meio daquelas perseguições alucinantes, sentimos a adrenalina daquela fuga e luta pela sobrevivência.

Sem dúvida que é uma escrita que me cativa, e a forma como são exploradas estas teses relativas a alguns dos grandes mistérios relacionados com o Vaticano deixam-me curiosa pelos que ainda não li. Leituras para 2020, com toda a certeza.

 

01
Out19

Ora, comecei a 24 de setembro, acabei a 30, e pelo meio não lhe peguei durante dois dias!

Portanto foram 5 dias para ler o sexto volume da saga Sebastian Bergman. 528 páginas devoradas em 5 dias 

Acho que vou criar uma tag só para Sebastian Bergman, porque eu estou viciada nesta série. E agora tenho de aguardar pelo próximo (vai haver um próximo volume, TEM de HAVER) numa espera que aumenta as expetativas sobre o que está para vir.

O sexto volume foi muito ansiado e aguardado, dada a forma como termina o volume anterior. E este é uma das características, entre outras, destes autores: conseguem prender-nos até à última página, sendo que essa última página deixa uma espécie de "to be continued" que nos deixa em ânsias. 

Este volume pode, e percebo que assim o seja, desiludir um pouco os fãs, como demonstra esta opinião, que está muito bem fundamentada e portanto não vou acrescentar muito mais. Ainda assim, eu estou crente que este volume é uma espécie de transição para o grande drama que se aproxima e que vai pôr à prova toda a equipa de Torkel. 

Neste volume temos um violador em série, cuja personalidade demonstra ser bastante organizada e perseverante na missão que, na sua própria voz que vai surgindo ao longo da trama, percebemos que há uma vingança que está a levar a cabo, ligando assim as vítimas num mistério pararelo, que vai pôr a equipa da Riskmord, liderada por Torkel, em cheque e às voltas cegas, sem pistas, sem suspeitos, sem apanhar um fio à meada para começar a destrinçar a trama.

Neste livro vemos a atenção mais focada na vida e desenvolvimento pessoal dos nossos protagonistas, as mudanças que a vida operou em cada um, a evolução de uns, a mudança de outros, e vemos um Sebastian que anda mais desconcentrado, distraído, meio perdido no seu drama de querer conquistar a filha que descobriu ter e consertar todos os erros cometidos por ela, revivendo continuamente o trauma da perda da mulher e da filha Sabine no tsunami. Talvez por isso foi ludibriado pelo criminoso (que mais uma vez, ainda que não seja uma mente brilhante do crime, como vilões em casos anteriores, não deixou de ser uma grande surpresa).

Tenho em mim, mera opinião, vale o que vale, que este volume é uma transição, uma preparação para o que aí vem. As expetativas para o sétimo volume estão muito elevadas. A equipa da Riskmord está em vias de sofrer o seu maior desafio, que trará consequências a todos, a nível profissional e pessoal. Resta saber (e esperar) como vão os autores trabalhar este enredo, do qual têm vindo a deixar pistas cada vez mais claras, desde o primeiro volume até ao atual. Sebastian já percebeu que há algo de errado, de muito errado e preocupante. Perceberão os outros? Até onde vão aguentar o golpe que se adivinha?

Expetativas altas. Oh se estão. Enquanto isso, sofre leitora viciada na saga, porque o sexto volume acabou de sair, portanto o sétimo só lá para 2020 ou 2021. 

 

24
Set19

A Primeira Mestiça

Quem por aqui me vai acompanhando sabe que sou daquelas leitoras com algumas manias, a saber:

  • só leio um livro de cada vez (já bastou os anos de faculdade em que tinha de ler vários em simultâneo);
  • não desisto da leitura, por mais desinteressante que esteja a ser, por mais sono que dê, por mais vontade de espetar com um prego ferrugento nos olhos, não desisto. Comprei o livro é para ler até ao fim. Esta teimosia já me valeu uns quantos desgostos literários, tempos infindos a protelar, a ruminar a leitura e a deixar de lado outras, promissoramente mais interessantes. Confesso que só desisti de um livro. Por duas vezes. O mesmo. Não consigo. E nem vale a pena vir insistir que não vou tentar uma terceira. Memorial do Convento de Saramago... 

Vi a sinopse deste livro de Álvaro Vargas Llosa e fiquei com saudades da fase em que devorava romances históricos. Ainda por cima este focava uma época que também foi explorada num romance de Isabel Allende. E eis o problema: as expetativas. Sabia que ia ler um romance histórico, com forte cariz biográfico: a história da primeira mestiça, filha de uma princesa inca com um dos primeiros conquistadores e governadores espanhóis aquando da conquista do Perú. 

Mas... a escrita é aborrecida. A dita personagem principal afinal aparece de quando em onde, muitas das vezes como uma referência quase poética a uma menina com uma enorme herança e um futuro de grandes feitos. Só que não. A história desenvolve-se muito em torno da conquista do Perú, das guerras, entre espanhóis e índios, depois entre os próprios espanhóis, fruto da ganância de riqueza e poder. Só quase no final é que a protagonista da história aparece com alguma relevância, mas foi assim um relato relâmpago. Imaginem aquelas novelas que andam 237 episódios a engonhar e nos três últimos é que tudo acontece e se sabe? Pronto, é mais ou menos o que achei deste livro.

Assim, e dada a desilusão, vou voltar ao meu adorado Sebastian Bergman e o mais recente volume, na esperança que não seja o último e, na pior das hipóteses, vou ter de esperar um ano pelo próximo. 

 

27
Ago19

Leituras de verão

Na segunda quinzena de julho, depois de ler O Boneco de Neve, escolhi outro thriller de uma autora de quem já tinha lido um livro. 

A Mulher Desaparecida, de Sara Blaedel (considerada a rainha dinamarquesa do thriller?) é um thriller razoável. Faz lembrar um episódio de uma série policial, onde investigação de um crime se mistura com a vida pessoal dos protagonistas. Não foi mau, mas também não foi nada que me causasse aquela sensação de wow, por esta é que eu não esperava.

O enredo está bem construído, a determinada altura há ali um pequeno twist, bem conseguido por sinal, que conduz à revelação do assassino. O contexto da trama é um tema polémico que volta e meia está na ordem do dia da discussão pública: o direito à eutanásia. Tema que poderia ter sido melhor explorado, na minha opinião. O assassino não é um cruel e impiedoso serial killer ou psicopata, é antes um assassino passional, pois move-o um sentimento (irracional) de vingança provocado pela dolorosa perda de uma pessoa que muito amava. 

Tem uma escrita fluída, não se perde em muitos detalhes e pormenores, conduz bem a narrativa, e sim, vale a pena ler. Da mesma autora já tinha lido Raparigas Esquecidas que, mais uma vez, não sendo um thriller inesquecível, também não é daqueles que considero pura perda de tempo. 

Se vou ler as outras obras da autora? Provavelmente. Pelas sinopses, a personagem protagonista é um investigadora policial, portanto estamos perante uma saga (espécie de série policial), o que não me desagrada de todo. Como thrillers, pelos menos os dois que li, pode-se dizer que são relativamente softs. Não são daqueles quebra cabeças, constantemente a mudar a direção das pistas, e por conseguinte, dos suspeitos. Por vezes também é bom ler algo mais policial e menos profiler. Eu, pessoalmente, gosto dos mais complexos, que envolvem perfis psicológicos, uma caça a um criminoso que pode ser qualquer um, pois as pistas estão em constante mudança de direção. E obviamente gosto de ser surpreendida no fim, embora também me sinta toda contente quando "descubro" quem é o assassino. 

Bem, não consegui acabar de ler antes de ir de férias, pelo que ainda me acompanhou na mala de viagem. Acabei de o ler em viagem (sim, eu leio no carro e sem qualquer "problema", há quem não consiga, a mim não me faz confusão).

Para as férias tinha escolhido o Kafka à Beira-Mar, versão livro de bolso que comprei por uma pechincha na Feira do Livro. 

Ora, este livro andou nas bocas do povo há uns bons tempos. Ficou-me na ideia um dia lê-lo. Deixei passar a febre. Haruki Murakami é um aclamado e consagrado escritor da atualidade. Iniciei-me agora na sua obra. E não, não me seduziu. Aborrecido. Tanto que cheguei a adormecer na praia com o livro aberto em cima da barriga (e fiquei um dia com a marca de um quadrado, coisa linda, sóquenão). Esmiuçando, a história tem tanto potencial, mas perde-se em tanta fantasia, o que é sonho, realidade, universos paralelos (e sei que é cultura oriental esta história de projeção de espírito e cenas que tais). Houve umas quantas histórias que ficaram sem um fim, uma resposta, por exemplo, o que aconteceu com aquele grupo de crianças e porque ficou Nakata assim? E aquela história que a professora conta, e fica ali um capítulo solto, sem qualquer ligação, explicação ou lógica, sem acrescentar mais valia no enredo geral. A velhinha história da transição entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos. Há ali, em termos estruturais, a recriação do que seria uma tragédia grega, as profecias, a fatalidade do destino, do qual não se pode fugir, há na voz de uma das personagens, Oshima (muito interessante, por acaso), aquilo que seria o coro da tragédia grega, a voz da razão, da consciência, da sabedoria. A voz que avisa das consequências das ações e escolhas, e tenta mostrar o melhor caminho a seguir, sendo que a decisão de acatar ou não o conselho é sempre do outro.

Há partes interessantes no livro. Reflexões que nos ficam cá dentro, nos ficam a martelar na cabeça. Há lições de vida que emergem das subtis entrelinhas dos relatos fantasiosos, onde é difícil distinguir o que é real do que é sonho. 

Pode ser um tipo de escrita muito interessante para umas pessoas. A mim, confesso, não me prendeu. Aborreceu-me. Senti-me muitas vezes confusa nas várias histórias, nas passagens de tempo e realidades paralelas. Há personagens que são fascinantes pela sabedoria que apresentam, outras que dão ali um cunho mais comum, cómico, realista, há personagens sem interesse, como por exemplo, Saeki-san, que a dada altura parece ser o centro de todo o enredo, a origem das premonições e desgraças anunciadas, mas afinal é apenas um fantasma vivo, com uma história de amor, daquelas eternas e intemporais, que acabou de forma abrupta, mergulhando-a num sofrimento mais atroz que a própria morte. 

O percurso de Kafka Tamura faz-me lembrar a viagem de Dante ao inferno. E talvez, no meio deste enredo tão complexo e cheio de artifícios, seja exatamente isto: a viagem de um adolescente de 15 anos em busca de si mesmo, um adolescente que se sente sozinho no mundo, abandonado pela mãe e rejeitado pelo pai.

E pouco mais tenho a dizer. Efetivamente, a escrita de Murakami não me seduziu ou conquistou por aí além. Não sei se darei outra oportunidade, porque até estou minimamente curiosa com o 1Q84. Talvez. Mas não já. 

Por ora, vou voltar a uma antiga paixão: romance histórico, com um travo a biografia

E isto porque o sexto volume da saga Sebastian Bergman só será lançado a 3 de setembro. Sim, já está encomendado. Portanto, enquanto chega e não chega, vou entreter-me com um romance histórico. 

 

Nota: decidi, sei lá que raio de bicho me mordeu, abir conta no Goodreads. Tenho estado a adicionar os livros que tenho na estante e já li. Mas há tantos que eram do meu pai e com ele ficaram, outros que me foram emprestados, outros lidos da biblioteca da escola. Vai ser impossível registar a totalidade de leituras da minha vida. Ainda ando a explorar a aplicação. Ainda estou na fase do "não percebo nada disto, para que raio estou a ter este trabalhão?". Mas pronto, agora que comecei e estou quase, quase a ter em dia, pelo menos a estante de casa, não vou desistir. Seria morrer na praia. 

 

17
Jul19

O Boneco de Neve (ironicamente lido no suposto verão)

 

Primeira quinzena de julho e despachei o thriller que tornou Jo Nesbo conhecido do grande público: O Boneco de Neve. 

Percebi logo que este livro não é o primeiro de uma saga (parece que é o sétimo). O protagonista, o detetive Harry Hole, tem toda uma história passada, que não sendo difícil de perceber ou acompanhar, o certo é que acredito que, para quem não leu os anteriores livros, há detalhes e pormenores que passam ao lado. Nada que seja determinante na compreensão do enredo, mas para quem gosta, como eu, de conhecer os ínfimos detalhes, confesso que fiquei ali um pouco curiosa e inquieta por saber mais.

Adiante. O Boneco de Neve é um thriller (nórdico) que prende o leitor. Impressiona pelas descrições gráficas e sem eufemismos. Um assassino verdadeiramente assustador e impiedoso, que mais parece um fantasma, dada a escassez de pistas que deixa à polícia, num jogo macabro de psicopata inteligente que finta tudo e todos. 

Confesso, e não estou a armar-me aos cucos, que desconfiei relativamente cedo de uma personagem como sendo o verdadeiro psicopata assassino. Não me enganei. E se houve um sentimento de orgulho de "yes, acertei", também houve aquela pequena desilusão de não ser verdadeiramente surpreendida. 

Há várias histórias paralelas, num emaranhado que se vai desenrolando a cada capítulo. Há descrições verdadeiramente impressionantes, excessivamente gráficas, difíceis de tirar da cabeça. Há momentos de suster a respiração. Há momentos de franzir o sobrolho e pensar que há ali qualquer coisa que não está bem. E sim, há algumas surpresas que apanham o leitor desprevenido. 

No geral, gostei. Talvez volte a ler Jo Nesbo. 

Agora, estúpida e burra que nem uma porta foi ter lido o livro e querer ver o filme. Na minha ingenuidade pensei: ah, esta história não é assim tão difícil de passar para filme sem haver mudanças e alterações. Puro engano. Logo no início, logo na primeira cena percebi que tinham alterado o enredo. Um grande foda-se aos guionistas que supostamente escrevem guiões de filmes baseados em livros. Dá vontade de lhes pregar com um chapadão na cara e perguntar se no mínimo leram a obra original. Fiquei logo tão piursa com o início do filme, que me deixei adormecer. Acordei nas últimas cenas, e, mais uma vez, pouco, muito pouco a ver com o que está escrito na obra original. 

Perguntei ao Gandhe se tinha gostado do filme (ele não leu o livro). Sim, gostou e contou-me algumas cenas, perguntando se era assim no livro (eu já lhe tinha falado do livro e feito assim um resumo alargado, sem desvendar a identidade do assassino). Ora, algumas dessas partes que ele contou do filme fizeram-me desfiar um rosário de palavrões feios porque essa merda nem no livro está. Ainda bem que não vi o filme todo. E nem quero. 

Já estou numa nova leitura, mais um policial, desta vez de uma escritora considerada "a rainha dinamarquesa do thriller". Já li um livro dela, e não sendo dos thrillers que mais gostei, decidi dar uma nova oportunidade a esta autora. Confesso que este livro está a agarrar-me mais que o outro.

Tenho até ao fim do mês para ler, porque o livro para levar comigo de férias está escolhido, é em formato livro de bolso precisamente para isso: férias sem pesar no saco de praia. 

 

08
Jul19

Leitura inspiradora

Ainda não tinha vindo aqui partilhar a minha leitura de junho. Decidi fazer uma pausa nos thrillers, e depois de ter lido mais histórias inspiradoras e encantadoras de um gato muito especial e mundialmente conhecido,Bob, olhei para a minha pilha de livros por ler e este, aquisição recente, saltou-me à vista. Porque não continuar com gatos e suas histórias inspiradoras? Afinal estou a precisar mais disso do que propriamente de histórias de serial killers, psicopatas e investigações criminiais que são (ou não) uma quebra-cabeças.

Então, voltei a uma histórica verídica, escrita na primeira pessoa, a mãe de um rapazinho autista, com enormes dificuldades de socialização e outros tantos problemas. É um relato sentido, genuíno, o sofrimento de uma mãe que tudo quer fazer para ajudar o filho, e a frustração em que tantas vezes se encontra por não encontrar soluções. Um dia lembra-se que talvez, um remoto cético talvez, um gato fosse um bom amigo para o seu filho e o fizesse sair da sua bolha.

E temos o relato de episódios vários, alguns hilariantes, outros comoventes, porque facilmente sentimos o que esta mãe sentiu, e comemoramos com ela as pequenas vitórias e conquistas do pequeno Fraser, a empatia e amizade instantânea que criou com Billy e os fortes laços que os ligaram. Por várias vezes Louise mostra-se cética e acha que é ela a imaginar coisas, que um gato não pode fazer/sentir/pressentir/ajudar como Billy parece fazer. Mas seria demasiada coincidência para não relacionar os avanços de Fraser à presença e apoio incondicional do seu amigo de quatro patas. 

Um diagnóstico precoce de autismo, um futuro vaticinado a "nunca será capaz de..." para um evoluir, aos poucos, pequenos passos, a um "afinal conseguiu..."

Uma história de vida (real), cheia de ternura, o amor de uma mãe, a união de uma família, a amizade incondicional entre uma criança e um gato, ambos especiais e únicos. Uma história de luta, coragem, persistência, muita fé e esperança, quando nada mais parecia haver.

Recomendo como leitura de verão. Um livro, apesar do tema, de leitura ligeira, fluída, e que vai mexer com várias emoções, que nos pode fazer vir a lágrima ao canto do olho, como a seguir uma gargalhada. 

 

04
Jun19

Bob, um gato muito especial!

Para quem, como eu, já leu os anteriores livros, viu o filme, e é uma admirável e emocionada fã desta história de vida, não podia deixar de ler o mais recente livro sobre esta dupla tão especial e inspiradora, James e Bob.

Bob é uma espécie de mestre sábio, não bastou salvar a vida a James, dar-lhe um sentido à sua vida, transformando-a totalmente, como lhe (nos) deixou imensos ensinamentos de vida. 

É um livro pequenino, de leitura leve e agradável, mas que ainda assim, nos deixa muito em que pensar.

Eu bem vou dizendo, meia a brincar, meia a sério, que nós, humanos, temos muito a aprender com os animais. Este livro é o testemunho de uma prova viva disso mesmo. 

Alguns exemplos, só para vos aguçar o apetite:

FB_IMG_1559664475069.jpg

Não é preciso mudarmos o mundo inteiro para ajudarmos alguém; às vezes basta mudarmos o mundo de alguém por breves instantes.

FB_IMG_1559664495321.jpg

"Sê forte o suficiente para ficares sozinho, inteligente o suficiente para saberes quando precisas de ajuda e corajoso o suficiente para a pedires."

FB_IMG_1559664502690.jpg

Força - Inteligência/Sabedoria - Coragem

A minha "santíssima trindade". 

 

 

27
Mai19

Levaram Annie Thorne: leitura da primeira quinzena de maio

Já li este livro há umas duas semanas. Ainda não consegui falar dele.

Primeiro, vou dar um desconto por ter devorado dois volumes da saga Sebastian Bergman, pela qual estou totalmente viciada e apaixonada, portanto, qualquer livro que lesse depois dessa leitura compulsiva era um ato inglório.

Segundo, li O Homem de Giz, opinião aqui,  e gostei, portanto não hesitei em partir para o segundo livro da autora. 

Tem inúmeras semelhanças com o seu antecessor: a trama é-nos contada por uma personagem, que como narrador é altamente subjetivo e falível. Os factos narrados são os que ele conhece, ou presume conhecer, as verdades que sabe, ou presume saber. E é nesta visão altamente subjetiva e parcial de factos e de verdades que vamos sendo guiados pela sua voz, uma personagem que nos dias de hoje é um adulto pouco recomendável moralmente, professor de inglês, viciado em jogo, com problemas de dívidas e envolvido com pessoas que ninguém deseja ter como inimigos. No passado revê-se como um adolescente algo introvertido, mas que faz de tudo para pertencer ao bando dos durões lá da escola, ainda que isso lhe traga muitas dúvidas e alguns conflitos interiores. Mais uma vez a história é um complexo puzzle. Um puzzle onde as peças do passado e do presente, com um lapso temporal de 25 anos, se vão encaixando, vamos descobrindo personagens e os seus segredos mais obscuros, as meias verdades, o que parecia ser e nunca foi, até chegarmos ao fim e podermos olhar para um todo e, então, perceber tudo, ou quase tudo. 

Confesso: não gostei tanto como do primeiro livro da autora. 

Há neste livro um elemento que não sou particularmente fã e acho que estraga um bocado o thriller: o tema do sobrenatural. Ou então foi mal explorado no enredo e daí ter deixado algumas pontas soltas que, a mim pelo menos, me deixaram meia sem perceber que raio se passou com Annie Thorne, que raio de segredos sombrios esconde toda uma vila e as suas misteriosas minas.

Ainda assim, o balanço é positivo. A autora tem uma capacidade muito interessante de jogar com os enredos, misturando peças, confundindo o leitor, guiando-o por caminhos sinuosos, onde a qualquer momento há um desvio qualquer inesperado e que faz o leitor voltar à estaca zero, quando estava convencido que tinha achado o fio à meada. 

 

28
Abr19

Abril, páginas mil!

Antes de mais, um minuto de silêncio. Não sei quanto tempo vou ter de esperar pelo próximo (e espero que o haja) volume desta incrível e viciante saga Sebastian Bergman.

Eu avisei que antes de abril acabar eu teria lido o 4º e5º volumes

Não me lembro de ter um mês assim tão produtivo em leituras. Dois livros, mais de mil páginas, assim devoradas. Eu começava logo pela manhã, enquanto tomava o pequeno almoço. Mal podia, e lá ia eu porque queria saber mais, avançar mais, descobrir mais e mais, e ser constantemente surpreendida. 

Não vou falar muito de cada um dos livros. Cliquem nas respetivas imagens, terão a sinopse e comentários deixados por outros leitores. E não vou falar porque estou tão intensamente apaixonada e viciada nesta saga que facilmente cairia nos mal fadados spoilers. 

Para quem gosta de thrillers, para quem gosta de enredos surpreendentes, de um protagonista antagónico, anti-herói, que tem tanto de mente genial como de calculista e repugnante, um psicólogo profiler) com tantos traumas e questões mal resolvidas dentro de si, com a vida sempre em permanente desafio com os outros (e consigo próprio), mas que consegue manter (sempre que necessário) a cabeça fria, em plena engrenagem para se superar a si próprio e aos criminosos que traça e estuda o perfil, criminosos meticulosos, inteligentes, vis. Para quem gosta de ingredientes desta estirpe, então que não hesite e comece a ler a saga

Recomendo que sigam os volumes pela sua ordem, pois a par das investigações criminais que encetam a ação de cada volume, há o desenvolvimento e evolução das personagens/protagonistas, nas suas vidas, nas suas escolhas, nos seus segredos escondidos. 

Cada volume supera o anterior.

A Menina Silenciosa começa com um brutal crime, arrepiante, angustiante, e todo o seu desenvolvimento na investigação é um verdadeiro desafio a Sebastian, já que tem de se confrontar com os seus fantasmas do passado.

O Castigo dos Ignorantes debruça-se sobre um tema tão atual, que nos faz pensar em que raio de mundo vivemos e quais são as prioridades das pessoas e da sociedade? Já o assassino supera todos os anteriores que Sebastian Bergman enfrentou. 

Ambos viciantes da primeira à última página.

Agora vou ali sofrer um bocadinho e fazer figas para que um sexto volume esteja a caminho. 

 

09
Abr19

Um livro, diversas histórias, um homem que luta para matar o esquecimento!

Há uns tempos falei do orgulho que senti ao saber que um dos meus parceiros do curso de escrita criativa (um dos especiais) tinha publicado um livro. O seu livro. O primeiro (assim espero e desejo) de muitos. Ou alguns, pelo menos. Eu já lhe pedi um romance. Tem capacidade para isso e muito mais.

Já o li, de fio a pavio, e confesso que reli e marquei uns quantos textos que me ficaram na memória. Há sempre os que mais marcam, seja por que motivo for: o humor, a surpresa, a emoção, o insólito de situação. 

IMG_20190409_225343.jpg

Dá para ter uma ideia de que foram muitos os textos marcados?! 

Primeiro, deixo que o autor se apresente:

IMG_20190409_225323.jpg

Os nossos caminhos cruzaram-se online, num curso de escrita criativa, ministrado pelo sobejamente conhecido Pedro Chagas Freitas (mestre, na altura confesso que era um nome totalmente desconhecido para mim, e o curso foi-me recomendado por um amigo que tinha uma amiga que o tinha feito uns tempos antes).

O Carlos e eu conhecemo-nos online, na turma 10, entretanto batizada de Canecos, e ambos partilhávamos uma fase da vida complicada: o desemprego. Curiosamente, e apesar dos anos que nos separam, o sentimento era semelhante: velhos para trabalhar, novos para nos reformarmos. E sim, eu depois de fazer 30 anos passei a ter muito mais dificuldade em encontrar trabalho. Brincava a dizer que era como os iogurtes, tinha o prazo de validade expirado. Brincava por fora, chorava por dentro. 

2013 foi um ano negro na minha vida. Um longo desemprego, que começou em fevereiro e terminou em finais de novembro. Nesse intervalo de tempo, muitos CV's enviados, muitas candidaturas, muitos anúncios respondidos, e duas meras entrevistas. A segunda foi para o emprego que mantenho até hoje. 2013 foi um ano de doenças e morte. A súbita morte do pai do Gandhe abalou-nos a todos e deixou-nos de rastos. 

Só que 2013 também foi o ano em que decidi investir em mim, já que me sobrava tempo. Fiz várias formações, para enriquecer o CV, e a escrita criativa veio como um velho e antigo desejo/sonho. Sempre gostei de escrever, sou da área das línguas e literaturas (clássicas e portuguesa), e havia anos que me sentia bloqueada na escrita. Como se estivesse vazia. Precisava de um empurrãozinho. 

Como anteriormente disse, um amigo falou-me de um curso online, não era muito caro (estava desempregada), uma amiga dele tinha feito e adorado. Arrisquei. E foi assim que me cruzei com um desempregado na casa dos 50's, velho para trabalhar, novo para se reformar, uma vida de trabalho para depois ser mais um na estatística negra do desemprego. Também ele aproveitou o tempo que sobrava para dedicar-se a um sonho adormecido: a escrita.

Foram 25 semanas, com encontro marcado todas as quintas à noite. Eu, com tantas amarras associadas à minha formação literária, levei muito na cabeça para esquecer tudo isso e me libertar. Ao mestre, como carinhosamente lhe chamávamos, agradeço cada puxão de orelhas, cada facada que me dava e cortava as minhas amarras às teorias literárias, às regras linguísticas e gramaticais, aos conceitos e preconceitos. Ao mestre agradeço que me tenha tirado fora da caixa e me empurrado para um caminho sem retorno... (desculpa mestre, eu continuo a gostar das reticências, aquele sinal de pontuação que abominas!!). 

Leio muitas críticas negativas em relação a Pedro Chagas Freitas. Que é cheio de clichés e não sei quês. Os clichés estão nas Rebelo Pinto e nos Gustavos desta vida. Oh literatura mais oca e vazia para o intelecto do ser humano (do racional, pelo menos). 

Se eu gosto dos livros do Pedro Chagas Freitas? Não li muitos e, sinceramente, não faz muito o meu estilo de leitura. Mas como formador de escrita criativa, só tenho três palavras: EX-TRA-ordinário!

Voltando ao Carlos Musga. Eu arranjei emprego, conciliava com explicações, mais as rotinas dos dias - jantares, compras, roupas, tratar dos gatos. Deixei de ter tempo para me dedicar mais a formações em escrita (embora não faltasse vontade), e também sendo eu de Aveiro, restavam-me as opções online, que não abundavam. O Carlos, por seu turno, continuou a apostar na sua formação em escrita. E foi a melhor decisão que podia ter tomado. No seu (nosso) primeiro curso o Carlos começou com uma escrita simplista, tímida, recatada, mas foi-se revelando a cada semana, e desabrochando, e expandindo, até se tornar excecional e ganhar vários desafios de escrita. O derradeiro ganhou com maioria absoluta. O único voto que não teve foi o dele próprio, que mo deu a mim - e diz ele que sempre fui a sua preferida. Oh Carlos, o que posso ter em jeito para escrever, tens tu em experiência de vida, que faz de ti um autor completo. Genuíno. Com uma escrita que nos envolve e nos desperta as mais variadas reações e sentires.

Este livro não é um romance, uma história com personagens, com um enredo, com um princípio, meio e fim, peripécias e intrigas. Este livro é uma coletânea de contos e textos escritos por ele nestes últimos anos, desde que se dedicou a isto da escrita. Este livro é fruto de uma enorme e admirável coragem de, literalmente, ser o homem que luta para matar o esquecimento

O Carlos luta há largos meses com uma doença, daquelas doenças filhas da puta, que ninguém merece ter. Mas o Carlos não se deixou abater. Não. Foi a doença que o motivou, definitivamente, a reunir os seus textos e realizar o seu sonho: publicar um livro. Parabéns pela coragem e pela luta, mais ainda quando se vê a braços com uma grave doença, daquelas em que o poder acordar no dia seguinte já é um bom dia.

E eis aqui o seu livro, polvilhado de contos e histórias, de humor e sátira, de insólitos a malandrices eróticas, sem tabus nem merdas. 

Eu não consigo definir melhor este livro, porque o nosso mestre já o fez de forma perfeita e irrepreensível:

A forma de conhecer esta obra é um desafio: abra em qualquer página, leia um conto, sinta-o. Agora repita o processo: seguramente a reacção será diferente. e é desta forma de Carlos Musga, como um viajante experiente da vida, nos obriga a relembrar fases, histórias, sentimentos. É com personagens ricas e cenários comuns que reaviva, no leitor, o esquecimento comum do passar do tempo. «Há uma pessoa - e um escritor - de verdade nestas palavras.»
Pedro Chagas Freitas

Só acrescento aqui aquilo que já disse, na nossa esfera pessoal, ao Carlos: permite-me a ousadia, mas fazes-me lembrar Eça de Queirós. Tens tudo para ser o Eça do séc. XXI.

Humildemente responde-me que adora Eça de Queirós. Nota-se, Carlos. Nota-se a presença subtil dos teus modelos de autor e escrita. (Aqui fala a gaja com formação literária e que até sabe umas merdas de literatura, história da literatura, teoria da literatura e crítica literária.)

Carlos, se me estás a ler (vais ler, que eu vou já partilhar o link contigo, como prometido), só tenho mais uma coisa a dizer-te: fico à espera do teu romance. 

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D