Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estórias na Caixa de Pandora

Estórias na Caixa de Pandora

29
Dez19

Podia ser uma piada de stand up comedy, podia. Mas é pura realidade!

Há um mês, mês e pouco, Gandhe diz-me que riqueza de sua mãe,  minha sogrinha querida, queria oferecer-nos uma máquina de secar roupa.  Ia comprar uma para ela, e queria porque queria dar-nos também uma. Ora, não desfazendo tão generosa oferta, conversamos sobre o assunto. Primeiro eu não me sentia confortável em receber dela uma prenda assim desse valor, depois não é de todo algo que estejamos a precisar, um eletrodoméstico que nos seja essencial, fundamental,  de extrema necessidade. E em termos de logística de espaço,  teria de a instalar na garagem. Portanto agradecemos a oferta mas declinámos. Não valia a pena ela gastar dinheiro numa coisa que não nos faz falta. (Se fôssemos outros teríamos aproveitado para pedir outra coisa, mas não o fizemos).

Ora, veio o Natal,  estivemos com ela, filhinha querida não veio e avisou de véspera. E nós com prendas compradas,  paciência. Leva-as quando decidir vir visitar a família. Para a sogrinha querida,  e porque é uma esquisita de merda que nunca aprecia nada do que lhe dão,  sugeri ao Gandhe, e ele concordou, em oferecer-lhe um conjunto da Yves Rocher, edição especial natal: uma lata (bem gira) com produtos lá dentro, dos quais um gel de banho, creme de corpo, creme de mãos e esponja para banho. Produtos de beleza que qualquer mulher que goste de se cuidar usa e gosta. E ela pareceu gostar... pareceu. 

Então e a nós,  já que não quisemos a máquina de secar roupa, que nos ofereceu? Chocolates, claro, para não variar é às caixas de chocolates, como se fôssemos viciados e comêssemos bombons ao pequeno almoço.  E ainda... rufem os tambores que isto merece... e ainda... eu mostro: 

20191228_122721.jpg

... Uma agenda da pequena sereia,  dos cheneses. Coisa mailinda!!! 

Foda-se, mas eu tenho 10 anos? 

E não,  não uso agenda de papel há alguns anos, e se usasse de certeza que, mesmo nos cheneses, escolhia outra capa qualquer que não fosse tão infantil (exceção feita se fosse o Garfield). 

E pronto,  podem rir à vontade, que é o que ando a fazer há vários dias. Quisesse eu enveredar por uma carreira de stand up comedy, não me faltaria material para satirizar. A começar por episódios da minha vida real e da total anedota que é a senhora minha sogra.  

Entretanto já houve outra saída dela, daquelas em que se ela estivesse calada era uma poetisa, mas deixo para outro post. A bem da minha (in)sanidade mental, ficamos por aqui hoje. 

 

24
Dez19

Pensamento do dia

que-todos-os-bons-sentimentos.jpg

Aos amigos e leitores desta singela Caixa, a quem tem a paciência de ler as minhas lamúrias (e desculpem este ano amargo), a quem se ri com o meu humor negro, a quem deixa umas palavrinhas de conforto, a quem partilha a sua opinião e enriquece esta Caixa, a quem está aí desse lado, mesmo que seja só a ler e a revirar os olhos, desejo um Feliz Natal! Que estes bons sentimentos, que nos inspiram nesta época mágica, se instalem nos nossos corações e nos acompanhem todos os dias, tornando-nos melhores a cada dia que passa. Que sejamos luz. Para nós e para os que nos rodeiam. 

 

17
Dez19

Este ano que acabe, por favor!

Eu sei. Eu sei que não é por virar o ano que a vida muda num passe de mágica, que os problemas desaparecem e os sonhos se realizam com um toque de varinha mágica de uma qualquer fada madrinha.

Eu sei que não é por avançar um dígito no ano que tudo fica trancado no ano que termina. Mas deixem-me ter essa ilusão. Assim como assim, a palavra que mais marcou este ano foi morte, logo efetivamente fica trancado neste ano do demo. Deixem-me ter a esperança que 2020 trará 366 dias em branco, 366 dias de oportunidades de ser melhor, de me sentir melhor, de curar tantas feridas e mágoas.

É a palavra que quero para 2020: CURA

É o que mais preciso, daqui para a frente. Curar-me. Ficar mais forte. Mais resistente. Cauterizar de uma vez por todas feridas que, quando julgo cicatrizadas, se abrem e rasgam-me, lançando-me numa dor atroz. E não sei se a dor que sinto é pelo que aconteceu, se por me sentir culpada por permitir, por não ter sabido proteger-me.

"és só humana. de carne e osso." - disse uma amiga.

Sou é estúpida. Burra. Por ter acreditado que agora não haveria impedimentos para recuperar algo que, queria eu tanto acreditar que existia, podia existir daqui para a frente. Disse baixinho a mim mesma para não criar expetativas. E julgava que não as tinha, ou eram baixinhas. Não me surpreendeu o não que ouvi. Era o mais provável. Era o expectável. E entendo. Aceito que assim seja. Compreendo que do outro lado a escolha foi pelo que lhe é mais confortável. No entanto não deixa de ser, para mim, uma rejeição. Não consigo não sentir que simplesmente eu não valho qualquer tipo de esforço. 

E tenho sentido isto nos últimos tempos. Que não valho o esforço dos outros. Não valho o esforço do companheiro numa série de merdinhas que têm desgastado e esgotado a relação, não valho o esforço de amigos que têm sempre outras pessoas com quem preferem estar, outros sítios para ir, que estão sempre sem tempo, demasiado ocupados nas suas vidas e não há tempo para mim, mas há para outros. Não valho o esforço de uma família que me deixou órfã. E nada vale eu abrir a porta da minha vida, convidar a entrar e dar evidentes sinais que desejo a sua presença no meu futuro quando ouço um: não, tenho mais perto. Sim, porque eu estou em Plutão e é demasiado grande o esforço para entrar nesta porta que abri, enterrando mágoas antigas, olhando para um futuro que podia ser diferente. Só que não, não valho o esforço.

Hoje, hoje... se eu morresse, quem ia sentir a minha falta? 

Hoje sangro de feridas antigas, cujas cicatrizes se rasgaram num duro golpe. Estou frágil. Debilitada. Só quero desaparecer num buraco qualquer e lá ficar até não haver mais lágrimas de sangue. Ficar ali até virar pedra, dura, fria, impertubável. 

 

09
Dez19

A 9 de dezembro...

A lista de pessoas a mimar este Natal com um presente foi pensada ao longo do ano, está "fechada" desde outubro.

Prendas escolhidas, umas compradas em loja, outras encomendadas online, outras personalizadas (porque optei uma vez mais por artigos handmade, que têm todo um outro valor afetivo). Já tenho praticamente tudo em casa (quase) pronto a distribuir.

Um jantar de natal já foi, com sorteio de amigo secreto. Próximo fim de semana mais dois jantares: o da turma de Dance Fitness (com amigo secreto, mas sei a quem vou dar prenda), e o convívio dançante com jantar da escola de dança. Segue-se o da empresa. Por fim virá o da família, que ainda não sei se será na sogra (caso venha a filha e a neta) ou se será os dois em casa (o que não seria a primeira vez e ainda aqui estamos). Ainda está em agendamento outros dois jantares com amigos "família".

Já a passagem de ano está a ser preparada. Um grupo de pessoas que se juntam, amigos que foram trazendo amigos e fomo-nos conhecendo e convivendo em diversas ocasiões. Amigos que podem trazer outros amigos. Objetivo: arranjar um sítio razoável para jantar e siga para junto do povo, fazer a festa na rua, ver o fogo de artifício na Ria de Aveiro, e depois o estado de espírito logo dirá como prosseguir a noite. À partida está escolhido o restaurante. japonês. Sem ementas e menus xpto de Réveillon, daqueles que quase é preciso deixar lá um rim para pagar o jantar.

O ano está na reta final e eu sei que não é por mudar o número do calendário que a vida muda e melhora num passe de mágica. O ano está na reta final e o único balanço que faço é : finalmente, foda-se!

Venha lá 2020 que já estou em modo estágio para comprovar que as pancadas da vida e as respetivas lições do ano 2019 serviram para enfrentar com maior maturidade e sabedoria o que estiver para vir. E se ainda há muita porcaria que está para vir, oh se há...

 

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pela estória de:

Blog Afiliado

Sugestões

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D